Colunistas

Cuidar da mãe é essencial

A troca de olhares entre mãe e filho é o início de uma relação saudável que ecoará por toda a vida

unnamed-7

(Foto: Ellem Cardoso)

Assisti a uma palestra muito interessante na semana passada que corrobora o que temos lido, dito e ouvido sobre maternidade contemporânea. Um dos temas abordados no painel foi o puerpério, aquele período pós-parto em que muitas mães enfrentam dificuldades para lidar com o bebê, muitas chegando a vivenciar uma depressão pós-parto. A questão é que, além do sofrimento da mãe, esse tipo de experiência deixa marcas profundas no bebê, que ecoarão pelo resto da vida.

Por quê?

Porque nos primeiros meses o bebê não se enxerga no mundo como um indivíduo, ele se situa no mundo através dos olhos da mãe. E quando uma mãe está em sofrimento, sem se dar conta ela tende a não olhar nos olhos da criança – e isso provoca uma angústia existencial que refletirá na vida adulta e mesmo na infância. E é consenso na psicologia que, se a gente não é feliz na infância, época em que mais temos condições para isso, nossas chances só diminuem de sermos adultos felizes ou bem-resolvidos. Aliás, é das memórias da infância que, quando adultos, tiramos energias para a resiliência, que é a capacidade de lidarmos com nossos problemas e vencermos obstáculos.

Anúncio

FECHAR

Por que abordo esse tema?

Primeiro porque ele é mais comum do que imaginamos. Pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fundação Oswaldo Cruz (2016), mostra que uma em cada quatro brasileiras apresenta sintomas de depressão entre seis e 18 meses após o parto. Não é à toa que países desenvolvidos têm período mais amplo de licença-maternidade: essa atitude está inserida inclusive nas políticas de redução de violência. Mães equilibradas emocionalmente criam filhos mais saudáveis – em todos os aspectos.

Segundo, porque é essencial que cuidemos das mães.

Uma mãe bem cuidada tem muito mais chances de criar um bebê feliz, amado, que desenvolva segurança e autoestima. Como a psicopedagoga argentina Laura Gutman bem disse no Seminário Internacional da Pais & Filhos, “no puerpério é preciso que a mãe esteja bem, física e emocionalmente, para que o bebê sinta sua presença integral e mais tranquila”.

Todos que cercam uma mãe devem estar atentos a sua saúde física e emocional. Ajudar não se limita a dividir as tarefas do dia a dia ou se oferecer para ir ao supermercado dar conta das compras. É preciso perceber as necessidades emocionais dessa fase tão delicada. Sempre estive cercada de pessoas amorosas que me acolheram logo depois do nascimento da Donatella, e esse cuidado tem o poder de transformar a experiência da maternidade. Ela se torna mais leve, prazerosa e responsável.

unnamed-3

(Foto: arquivo pessoal)

Um beijo e até a próxima!

Leia também:

A escola tem papel fundamental na educação alimentar da criança

Fertilização deve ser paga pelo plano de saúde

“Não sinta culpa”, Paola Carosella faz texto incrível sobre maternidade

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não
Envie sugestões
×

Envie suas sugestões