10 coisas que estranhas que os bebês fazem e suas explicações

O que realmente está acontecendo na cabeça do seu filho quando ele tenta enfiar ervilhas na orelha, bebe água do banho ou simplesmente tira a roupa por aí? Nós te explicamos!

Resumo da Notícia

  • Às vezes os bebês têm comportamentos que consideramos um tanto quanto estranhos
  • Alguns especialistas explicaram por que eles acontecem
  • Veja 10 coisas que estranhas que os bebês fazem e suas explicações

O que realmente está acontecendo na cabeça do seu filho quando ele tenta enfiar ervilhas na orelha, bebe água do banho ou simplesmente tira a roupa por aí? Alguns especialistas interpretaram os comportamentos mais estranhos das crianças e deram conselhos sobre as maneiras mais saudáveis ​​de lidar com eles.

-Publicidade-
10 coisas que estranhas que os bebês fazem e suas explicações (Foto: reprodução Parents / Pinterest)

Tirar as roupas em qualquer lugar, a qualquer hora

As crianças amam tirar a roupa por aí, como Jen Fleece sabe muito bem. “Meus filhos começam a tirar a roupa no minuto que eu tiro o carro da garagem”, diz a mãe de Athens, Geórgia. “Eles vão deixar um rastro de roupas do carro até a porta da frente. É como se estivessem competindo para ver quem consegue ficar nu mais rápido!”

Crianças pequenas ficam felizes em tirar a roupa por várias razões. Em primeiro lugar, compreender um conceito complexo como o pudor é algo que ultrapassa o entendimento do seu filho neste momento. Além disso, elas ainda estão aprendendo sobre a diferença entre o comportamento público e o privado (imagine que seu filho pense algo como: “se eu posso tirar a roupa na hora do banho, por que não tirar no mercado também?”). Ser capaz de se despir também é uma fonte de orgulho, e ele pode fazer isso para assumir o controle – você pode ter escolhido uma linda roupa, mas isso não significa que ele tenha que ficar com ela no corpo!

-Publicidade-

Até que ele possa compreender o motivo pelo qual usar roupas nem sempre é opcional, estabeleça regras claras: diga a ele que não há problema em ficar nu quando ele está em casa, mas que ele precisa usar roupas (e mantê-las no corpo) sempre que você sair ou tiver companhia. Dê a ele opções na hora de se vestir (você pode falar tipo: “você quer suas calças verdes ou jeans?”), isso pode fazer com que ele coopere e queira continuar com a roupa – já que foi ele quem a escolheu.

Bater a cabeça nas grades do berço antes de dormir

Até que saibam falar para te dizer quando estão cansados ​​ou ansiosos, os bebês precisam confiar em meios não-verbais para se consolar e, segundo o especialista, bater a cabeça é um deles. Embora pareça estranho e perigoso, é um hábito muito comum e geralmente inofensivo, de acordo com o conselheiro de pais Kyle D. Pruett, MD, autor de Me, Myself, and I: How Children Build Your Sense of Self. “Seu filho não está tentando se machucar; ele simplesmente se acalma com o ritmo criado ao bater com a cabeça“.

Seu filho provavelmente vai superar esse comportamento aos 3 anos. Até esse período, ajude-o a encontrar outras maneiras de relaxar na hora de dormir, como ouvir uma música calma. Fique esperta no momento de repreender seu filho, pois ele pode continuar fazendo isso apenas para chamar sua atenção, aconselha Ann Douglas, autora de A mãe de todos.

Prender a respiração para conseguir o que quiser

Prender a respiração é basicamente a maneira clássica de seu filho demonstrar que está tendo um ataque de raiva. Ele normalmente faz isso quando está sobrecarregado, especialmente se tiver um temperamento emocionalmente intenso, diz Helen F. Neville, RN, autora de ‘Is This a Phase?’. A melhor maneira de cortar o mal pela raiz é não ceder às exigências da criança. Caso contrário, você está ensinando a ele que prender a respiração é sinal para conseguir o que quiser.

Embora seja obviamente assustador ver seu filho fazer isso, tenha certeza de que, mesmo na pior das hipóteses, ele automaticamente começará a respirar de novo, diz Neville.

Beber água do banho

Você oferece água ao seu filho o dia todo e frequentemente ele insiste que não está com sede. Então, por que a água de repente é tão atraente na banheira? “Para você, é como se seu filho estivesse em uma grande festa do chá e sentado no bule”, diz Douglas. Embora seja improvável que seu filho adoeça por tomar um gole de água do banho, diga a ele para parar e tirar os brinquedos de banho, toalhas de rosto e tudo o mais que estiver colocando na boca. Se ela ainda continuar, distraia-a ou esvazie a banheira e dê o banho como encerrado.

Colocar todas as coisas pequenas na orelha ou nariz

Os bebês e crianças pequenas não são apenas curiosos sobre o mundo ao seu redor – seu corpo também é um terreno novo e excitante. “Seu filho descobriu que tem este corpo, e tudo nele e é fascinante!” diz o Dr. Pruett. Colocar ervilhas, pedras, brinquedos e quaisquer outros itens do tamanho de orifícios que ele possa encontrar em suas narinas ou ouvidos faz parte de sua exploração.

Se você já está super vigilante para evitar possíveis riscos de asfixia, provavelmente está fazendo um bom trabalho em manter seu filho longe de muitas coisas pequenas e arriscadas. Mas tenha cuidado com outras coisas que podem não levantar uma bandeira vermelha, como pedaços de giz de cera, batata frita e espaguete. Se você pegá-lo em flagrante, diga: “Coisas pequenas são para segurar, não para colocar em nosso corpo” ou “A comida vai para sua boca, não para seu nariz”.

E se for tarde demais para impedi-lo? Se ele enfiar algo no nariz, incentive-o a soprar suavemente para que o objeto possa cair. Mas se estiver realmente preso ali – ou se ele enfiou algo profundamente no ouvido – leve-o ao hospital e peça ao pediatra para tirá-lo.

Deixar o presente de lado e se divertir com a caixa

Você escolhe o presente perfeito, mas ele se diverte mais com o que você considera lixo. Apesar da situação ser decepcionante, tente ver do ponto de vista de seu filho. Sim, ele acha o brinquedo legal (e ele vai brincar com ele eventualmente), mas olhe para aquela caixa! Está transbordando de possibilidades.

“Ele pode subir nela, usá-la como um chapéu ou fingir que é uma casa, e não há nenhum adulto dizendo a ele o que fazer com ela”, diz Douglas. Você deve estar empolgado por ele adorar aquela caixa, porque brincar de fingir é a melhor maneira de seu filho aprender sobre o mundo ao seu redor e exercitar a imaginação, diz o Dr. Pruett. “Tudo o que seu filho encontra – mesmo que seja um pedaço de papel – pode despertar sua imaginação.”

Resumindo: seu filho não nasceu sabendo boas maneiras ou quanto custam as coisas, então ele não tem ideia de que um brinquedo vale de dezenas a centenas de reais e a caixa, meros centavos. Aproveite este breve período enquanto dura. Em breve, ele exigirá um video game e um iPod, e você sentirá falta dos dias em que sua ideia de diversão era tão simples.

Desafiar a lógica na hora de se alimentar

Fazer uma refeição para uma criança pode ser realmente desafiador. Ou seu filho está em apuros (são sanduíches de queijo ou nada!), ou ele é extremamente inconstante: enquanto ama brócolis em um dia, acha a verdura nojenta no outro.

Você provavelmente já sabe que uma luta por comida pode ser uma luta pelo poder disfarçada. Mas geralmente acontece porque as crianças nem sempre se comunicam com clareza. “Quando seu filho diz: ‘Não gosto disso’, ela pode realmente querer dizer ‘Não quero isso agora'”, diz Neville. “Ninguém anseia pelos mesmos alimentos o tempo todo, mas seu filho não sabe como explicar isso”.

Sua melhor aposta é continuar oferecendo a ele uma variedade de alimentos e lembrar-se de que as crises de comida acabam. E se parece que seu filho come menos do que um pássaro, não entre em pânico. Os bebês não precisam de tantas calorias, portanto, uma queda no apetite é normal nesta fase, diz o Dr. Pruett. Apenas certifique-se de perguntar ao seu pediatra se seu filho exigente precisa de um multivitamínico.

Ler o mesmo livro repetidas vezes

Ler o mesmo livro de novo e de novo (Foto: reprodução Pinterest / Parents)

Assim como você tem um livro ou música favorita, seu filho está desenvolvendo suas próprias preferências e se tornará cada vez mais vocal sobre seus gostos e desgostos. Mas a repetição também serve para um propósito maior: “As crianças estão começando a entender que existem coisas com as quais podem contar, o que os faz sentir-se seguros”, explica Mary Borowka, psicoterapeuta infantil em Chappaqua, Nova York. “Ouvir a mesma história repetidamente os ajuda a entender que o mundo tem ordem e que eles têm algum controle sobre ele.”

A repetição também permite que seu filho se concentre na prática de certas habilidades, diz Ari Brown, MD, conselheira de pais e autora de Toddler 411. Por exemplo, ler Os 3 Porquinhos várias vezes consecutivas pode parecer tedioso para você, mas para seu filho é aprender novas palavras, descobrir o que está acontecendo nas fotos e memorizar o que acontece depois que o lobo assopra as casas. Quando seu filho sentir que conseguiu o que precisa do livro, ele passa para algo novo.

Ficar obcecado com as telas

Se for parar pra pensar, você também pode ficar obcecada pelas telas em alguns momentos do dia. Se você fica boa parte do dia em frente a um celular respondendo mensagens, lendo e-mails, procurando receitas ou apenas olhando as redes sociais, seu filho certamente vai querer saber o que há de tão bom nesse aparelho. Além disso, agir como a mãe e o pai – seja experimentando seus óculos escuros ou segurando o celular no ouvido – faz seu filho se sentir mais próximo de você, e ela adora a reação positiva que obtém ao fazer isso.

Mas ele pode não estar imitando você, mas sim apenas fazendo para chamar a atenção. “A imitação é uma das primeiras formas de aprendizagem”, diz Borowka. “Ao copiar outras pessoas, ela está desenvolvendo habilidades motoras e cognitivas finas – e está descobrindo como o mundo funciona”.

Só querer o pai

É difícil não levar para o lado pessoal quando você se sente desprezada por seu filho. Mas a verdade é que ele não está fazendo isso de propósito – na verdade, não é realmente sobre você. “Os bebês não sabem que estão ferindo seus sentimentos ou deixando você de lado”, explica Borowka. “Isso nem está em seu radar – eles estão muito focados em suas próprias necessidades”.

E, às vezes, sair com o pai atende a uma necessidade específica. Por volta dos 12 meses, as crianças começam a perceber que recebem algo diferente de cada um dos pais. As mães tendem a ser mais carinhosas e calmas, enquanto os pais geralmente são mais brincalhões. Seu filho pode estar com vontade de ouvir a maneira divertida e barulhenta com que o pai o ajuda a escovar os dentes. Ou pode ser algo tão simples como querer mais tempo com seu parceiro porque ele está trabalhando o dia todo. De qualquer maneira, você pode ficar tranquila sabendo que seu filho estará gritando seu nome novamente em breve.

O 9º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Tal da Felicidade está aí! Ele vai acontecer no dia 19 de agosto, completamente online e grátis. Serão oito horas de transmissão ao vivo e você pode acompanhar tudo neste link aqui. Esperamos por você!

-Publicidade-