8 dicas para criar um bebê feliz

Conseguir entender os desejos do seu filho quando ele tem apenas alguns meses de vida não é uma tarefa nada fácil. Esse roteiro poderá te ajudar!

Resumo da Notícia

  • Por não lembrarmos como é ser um bebê, por vezes é difícil entendê-los
  • Veja dicas de como deixar seu bebê mais feliz

“Jamais esquecerei quando cheguei em casa e encontrei minha mãe dobrando roupa suja no sofá da sala enquanto meu filho recém-nascido gritava com os pulmões lá em cima do berço. “Há quanto tempo o bebê está chorando?” Eu perguntei. O leite materno encharcou minha camisa enquanto eu subia os degraus, e ela continuou calmamente fazendo pilhas de meias em miniatura. “Alguns minutos”, ela gritou atrás de mim. “Eu ia terminar isso e depois pegá-lo.” Na época da minha mãe, a sabedoria era que, se você pegasse um bebê no colo no minuto em que ele chorasse, você o estragaria. Então ela pensou que estava apenas adiantando um trabalho que eu teria no futuro: ela estava construindo o caráter do meu filho”, conta a jornalista Renee Bacher.

-Publicidade-
8 dicas para criar um bebê feliz (Foto: iStock)

As pesquisas mais recentes, no entanto, mostram que isso simplesmente não é verdade. “Os bebês indicam uma necessidade por meio de gestos como balançar quando se sentem desconfortáveis ​​ou abrir e fechar a boca quando estão com fome. Se isso não chamar sua atenção, eles recorrerão ao choro”, observa Darcia Narvaez, Ph.D., professora de psicologia na University of Notre Dame, em South Bend, Indiana, e co-editora de Evolution, Early Experience e Human Development. De acordo com o Dr. Narvaez, atender às necessidades do seu recém-nascido antes que ele fique angustiado ajuda a desenvolver um cérebro mais calmo, a autoconfiança e a expectativa de que será cuidado, o que o leva a ser capaz de se consolar.

Claro, nenhum bebê vai sorrir o tempo todo, nem deveria. “As necessidades dos bebês devem ser amplamente atendidas nos primeiros seis meses”, diz a psicóloga Maria Gartstein, Ph.D., da Washington State University, em Pullman. “Mas depois disso você não precisa resgatá-los de todas as emoções negativas. Eles deveriam ter a chance de se regular e se acalmar”. Este roteiro ajudará seu filho a chegar ao seu lugar feliz:

-Publicidade-

Considere o ponto de vista do bebê

Os especialistas das gerações anteriores não perceberam que os recém-nascidos ainda não são astutos o suficiente para manipular seus pais. “Essa é uma habilidade que adquirimos à medida que envelhecemos”, observa Jane Morton, M.D., professora clínica de pediatria na Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia. Em vez disso, o recém-nascido chora e se esforça para ter suas necessidades básicas satisfeitas e se ajustar à vida fora do útero.

Até agora, seu bebê passou a maior parte do tempo sendo segurado firmemente dentro de um útero aconchegante. “De repente, ele explodiu em um mundo barulhento, brilhante e agitado, e é tão diferente do que ele conhece”, diz o Dr. Morton. Quando ele ficar sobrecarregado, você pode acalmá-lo colocando uma leve pressão em sua barriga, segurando-o e balançando-o, fazendo barulho e oferecendo uma chupeta ou um dedo limpo para chupar – todas as coisas que o lembram do útero.

Afago e carícia

Numerosos estudos descobriram que o toque positivo – especialmente carícias lentas e suaves – faz com que o bebê se sinta seguro e confortável, reduzindo seu nível de cortisol, um hormônio do estresse, e estimulando a produção de oxitocina, um hormônio de bem-estar que acalma e promove a união . “É importante ter muito contato físico nos primeiros meses”, diz o Dr. Gartstein. “Observe o que o seu filho parece gostar e não gostar e depois siga o seu exemplo”. O contato pele a pele faz parte da amamentação. Se estiver dando mamadeira, você pode puxar a camisa e segurar o corpo nu do bebê contra a sua barriga enquanto o alimenta. Na hora do banho, massageie suavemente o couro cabeludo, a barriga, os braços, as pernas, as mãos e os pés, se desejar. Bônus: esses carinhos doces estimulam os neurotransmissores de “sensação boa” também nos pais.

Plano para muito sono

Quando seu filho está cansado, seu humor dificilmente será de arco-íris e unicórnios. Para aumentar as chances de um bebê tranquilo e afetuoso durante as horas de vigília, deixe que o sono tenha precedência sobre quase todo o resto. O Dr. Gartstein co-autor de um estudo comparando bebês holandeses com bebês americanos que descobriu que os bebês da Holanda pareciam geralmente mais felizes e fáceis de acalmar. Uma das razões prováveis ​​para isso é que os holandeses enfatizam o sono. “Por exemplo, quando os pais holandeses trazem seu bebê do hospital para casa, eles costumam enviar cartões convidando amigos para visitá-los em horários específicos, para que eles não interrompam o horário de sono do bebê”, observa o Dr. Gartstein.

Se o seu filho começar a esfregar os olhos e estiver acordado por duas ou três horas, essa é a sua deixa para colocá-lo no berço. Use uma máquina de ruído branco ou app para abafar os ruídos domésticos. Mantenha o volume baixo e longe do bebê o máximo que puder, para proteger sua audição. Programe seus recados para depois que ele acordar, não antes de uma soneca, quando provavelmente vai cochilar no carro. “O sono é uma das principais atividades do bebê e temos que estar prontos para lidar com isso”, diz o Dr. Gartstein.

Sim, haverá momentos em que você não terá escolha a não ser acordar seu filho, mas procure ser consistente. Se ele ficar mal-humorado mais tarde, veja se consegue colocá-lo para tirar outra soneca antes de dormir para compensar.

Sintonize-se com o seu bebê

Entendemos. Você está ocupado. Não há horas suficientes no dia para cuidar de uma casa, ganhar a vida, responder às mensagens de texto e e-mails, além de postar fotos fofas no Instagram. No entanto, uma das coisas mais importantes que você pode fazer para ter um bebê feliz é observar e interagir com ele para aprender suas dicas.

“O que as crianças mais precisam é de um zelador atento”, diz Jenn Mann, Psy.D., de Los Angeles, autora de SuperBaby. “Estar presente, por meio de contato visual, sorrisos e gestos amorosos, dá ao seu bebê o respeito que ele merece”. Cante canções enquanto faz o café da manhã. Olhe nos olhos dela enquanto você troca a fralda e converse com ela como se ela estivesse se agarrando a cada palavra sua (provavelmente ela está, mesmo que não saiba o que você está dizendo). Remova as tentações como o seu telefone ou laptop do berçário. Se você estiver ocupado com a casa, conte para o seu bebê o que você está fazendo enquanto ele observa.

Isso não significa que você deve se pressionar para passar cada momento interagindo com seu bebê. Ela também precisará de algum tempo de descanso, e a maioria dos bebês não deseja estimulação contínua. “Preste atenção nela. Se ela começar a bocejar, arquear as costas ou se afastar de você, é hora de fazer uma pausa”, diz o Dr. Gartstein. Não continue até que ela fique tão agitada a ponto de chorar.

Ofereça opções, mas não muitas

“Nunca entenderemos o que é ser um bebê”, observa o Dr. Morton. Imagina que terá alguém decidindo tudo por você 24h por dia, 7 dias por semana: desde o que irá comer à música que toca no seu carro. Esta é a vida do seu filho – sempre à sua mercê e nunca no controle de nada. Manter esse pensamento no fundo da sua mente pode tornar suas explosões agitadas mais compreensíveis.

Conforme o bebê fica mais velho, você pode promover seu desenvolvimento e também aumentar sua felicidade, levando-o para a mesa de decisão. “Sou fã de duas opções aceitáveis”, diz o Dr. Mann. Isso fortalece seu bebê sem sobrecarregá-lo. Portanto, deixe-a escolher entre o brócolis cozido no vapor e as ervilhas. Ela está feliz. Você está feliz.

Saia de casa

Às vezes, um bebê mal-humorado só precisa de uma mudança de cenário. Dê um passeio no parque e empurre-o nos balanços (se ele tiver pelo menos 6 meses). Deixe-o sentir o sol no rosto, ouvir o farfalhar das árvores, sentir o cheiro do ar fresco e observar as pessoas. Especificamente, outros bebês. “Os bebês são viciados em outros bebês”, diz o Dr. Morton, que recomenda que seu filho se socialize com os mesmos colegas repetidamente – em encontros, na biblioteca ou em uma aula de música – então ele começa a formar relacionamentos.

Vamos ser honestos: sair é bom para o seu humor também. Cuidar de um bebê é um trabalho árduo e isolador, e você não deve se sentir culpado por querer dar um tempo. Se você está entediado ou infeliz, faça algo a respeito. Junte-se a um grupo de mães, pare de perder aquele clube do livro que você ama e converse mais abertamente com seu parceiro. “Crianças com mães deprimidas são mais vulneráveis ​​a ficarem deprimidas”, adverte o Dr. Morton. Se você começar a se sentir sobrecarregado, a chorar excessivamente, a experimentar mudanças nos hábitos de sono ou alimentação, ou a não conseguir pensar com clareza ou tomar decisões, esses são sinais de que você deve consultar seu médico imediatamente

Faça uma verificação corporal

Infelizmente, os bebês não falam, então às vezes você tem que ser um detetive sobre o que pode estar deixando-os irritados. Se ela dormiu bem, se alimentou, expeliu gases e não está com a fralda suja ou com febre, faça uma verificação corporal. Certifique-se de que as roupas não irritem a pele sensível e verifique os dedos das mãos e dos pés, caso haja algum cabelo enrolado em um deles. O Dr. Morton também recomenda fazer algo com seu bebê que normalmente o deixa feliz, para ver se você consegue distraí-lo. Talvez lhe dê uma massagem, coloque-a em um banho quente ou embale-a em seu balanço favorito.

Saiba quando está tudo bem deixá-la chorar um pouco

Conforme seu filho cresce, é inevitável que ele fique frustrado ou chateado ao tentar se sentar, engatinhar, andar e se alimentar. Nesses casos, algumas lágrimas podem ser apropriadas para o desenvolvimento. “É uma dança entre um pai e um bebê”, diz o Dr. Morton. Uma das coisas mais importantes para as crianças sentirem é capacidade, e a expressão de orgulho no rosto do seu filho quando ele caminha pelo chão pela primeira vez sozinho diz tudo. A luta valeu a pena. Como você terá mostrado que estará ao seu lado tanto nos momentos difíceis quanto nos bons, ele se sentirá confiante o suficiente para tentar novos desafios. E esse é o objetivo!

O 9º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Tal da Felicidade está aí! Ele vai acontecer no dia 19 de agosto, completamente online e grátis. Serão oito horas de transmissão ao vivo e você pode acompanhar tudo neste link aqui. Esperamos por você!

-Publicidade-