9 coisas que você ensina ao seu bebê todos os dias e nem imaginava

Você pode até pensar que os primeiros meses do seu bebê são apenas sobre amamentar, dormir e trocar fraldas. Mas vocês têm inúmeras interações todos os dias que ensinam sobre o amor, apego, segurança, confiança, empatia, linguagem e até matemática

Resumo da Notícia

  • Os primeiros meses do seu bebê podem até parecer apenas sobre amamentar, dormir e trocar fraldas, mas não é somente isso
  • Vocês têm inúmeras interações todos os dias que ensinam sobre o amor, apego, segurança, confiança, empatia, linguagem e até matemática
  • E são nessas relações diárias que você tem a oportunidade de aprimorar o desenvolvimento dele

Você pode até pensar que os primeiros meses do seu bebê são apenas sobre amamentar, dormir e trocar fraldas. Mas vocês têm inúmeras interações todos os dias que ensinam sobre o amor, apego, segurança, confiança, empatia, linguagem e até matemática. “Os bebês são como pequenas máquinas aprendizes, pegando no ar tudo o que tem ao seu redor”, diz Gail Gross, Ph.D, e especialista em família e desenvolvimento infantil em Houston, nos Estados Unidos.

-Publicidade-

Se isso soa como muita pressão para cumprir, relaxa. Você não precisa sobrecarregar a rotina do seu filho com um monte de atividades. Provavelmente você já está proporcionando uma série de experiências incríveis a ele, mesmo sem perceber. Confira todas as oportunidades que ele tem de aprender com você e o que você pode fazer para tornar esses momentos ainda mais significativos.

Amamentação

Amamentar no seio ou na mamadeira é a forma principal de criar laços com o seu bebê. Ao envolvê-lo nos seus braços e amamentá-lo, você está mostrando a ele o quanto é amado e protegido. Sua presença tranquiliza e o ajuda a entender o mundo desconhecido fora do útero. Na realidade, a conexão que você cria durante esse momento da amamentação é tão vital para o bem-estar do seu bebê quanto os nutrientes que ele recebe pelo leite. “Pesquisas mostram que a criança que cria uma ligação íntima com os pais é mais propícia a aprender como processar melhor as informações”, diz Dr. Gross.

Amamentar (ou dar a mamadeira) é a forma principal de criar laços com o seu bebê (Foto: Getty Images)

Tente o seguinte: Durante o momento da amamentação, sente em um lugar silencioso e foque apenas no seu bebê. Segure-o perto de você (um recém-nascido, por exemplo, só consegue enxergar claramente coisas que estão no máximo a 25 centímetros de distância). Acaricie-o, converse com ele ou até mesmo cante para o seu filho. Peça para que outras pessoas que participam dos cuidados do bebê façam o mesmo, garantindo que ele esteja sempre em um ambiente de amor e carinho.

Papo em dia com o seu bebê

O cérebro do seu bebê vai aprender melhor quando você disser as palavras de maneira real, articulando-as claramente e falando-as em um tom de voz agudo e melódico, segundo Renate Zangl, Ph.D, autor do livro ‘Criando um falante: atividades simples para recém-nascidos até os 3 anos’. Ao ouvir o que os americanos chamam de linguagem ‘parentese’, que é esse método de falar mais devagar, tom mais agudo e dando intervalos para que a criança possa processar o que foi dito, pode aumentar o cérebro dele de uma maneira que não acontece com bebês que ouvem falas ‘normais’.

Inclusive, um estudo feito pelo Instituto de Aprendizagem e Ciências do Cérebro da Universidade de Washington, em Seattle, nos Estados Unidos, descobriu que as crianças que são expostas a esse tipo de linguagem tendem a saber o dobro de palavras aos 2 anos de idade comparadas àquelas em que os pais não usaram o método. E, claro, uma vez que o seu filho comece a entender as palavras e repeti-las, você não precisa mais falar com ele desse jeito.

Converse com o seu bebê, é por meio das suas falas e expressões que ele vai se desenvolver (Foto: Getty Images)

Tente o seguinte: Você provavelmente fala com o seu bebê usando o método ‘parentese’ naturalmente, sem saber. Mas existem algumas maneiras de tornar isso ainda mais eficaz. Opte por palavras simples e frases completas com maior frequência possível para ajudá-lo a aprender sobre as palavras e as estruturas das frases. Repita frases devagar e claramente, pois é preciso muita repetição para construir as primeiras memórias de palavras. “Bebês aprendem a entender e falar ao observar e ouvir você”, diz Dr. Zangl. “Aproxime-se do seu filho e exagere nos movimentos bucais quando for alongar os seus ‘oos’ e os seus ‘ees’. Assim, ele pode ouvir o som e ver como ele é formado”, completa.

Procure maneiras de incluir o nome do seu filho em histórias e músicas. Depois que ele entender isso, será mais fácil de chamar a atenção dele. Além disso, sempre faça pausas para dar a chance de que seu bebê ‘responda’, mesmo que seja com um grunhido, um chute ou um sorriso. Depois, responda-o de volta – você vai notar a animação dele por estar envolvido numa ‘conversa’.

Ajudando na higiene

Colocar uma fralda limpa no seu bebê proporciona a ele a sensação de ordem, segurança e rotina. A mesma coisa funciona quando falamos sobre banhos e escovar os dentes (ou melhor, gengivas). Essas são oportunidades de ensiná-lo precocemente a cuidar e ter orgulho do próprio corpo. “Cada tarefa que envolve toque e que gere vínculo também melhora o desenvolvimento emocional do seu filho”, diz Dr. Gross.

Tente o seguinte: Quando estiver trocando ou limpando o seu bebê, tire um tempo para narrar o que você está fazendo. Uma canção cantada no momento do trocador também pode tornar a tarefa mais interativa e divertida.

Tenha calma

Fazer o seu melhor para manter o tom de voz em situações estressantes mostra ao seu bebê uma grande lição sobre como controlar as próprias emoções. “Bebês são sensíveis às expressões faciais dos seus pais. Se eles virem que você está com medo ou chateado, eles podem imitar esse comportamento”, explica Kirsten Cullen Sharma, psicóloga e co-diretora dos Serviços Clínicos da Primeira Infância no Centro de Estudos Infantis da Universidade Nova York.

Tente o seguinte: Seu filho aprende a expressão ‘ops’ desde cedo e a relaciona com um erro, diz Dr. Sharma. Então, segundo ela, use isso para reconhecer um acidente e rir dele – você pode dizer: ‘Ops! Que bobeira eu ter deixado aquele copo cair. Mas eu posso limpar tudo isso numa boa!’.

Façam refeições juntos, em família

“Quando você inclui seu bebê nos momentos das refeições, você reforça que ele é parte da família”, diz Kristen Yarker, uma nutricionista registrada e especializada em alimentação infantil de Vancouver. Assim que seu filho começar a comer sólidos, deixe-o explorar com as mãos e não apenas alimente-o usando talheres. Isso ensina que a comida não precisa ser sempre controlada por um adulto e que você confia nele para ouvir os próprios instintos em relação a fome, diz a especialista. Ao fazer isso, você também está ajudando que seu bebê explore e descubra multi sentidos – toque, cheiro, sabor e som – o que faz com que o ato de comer seja ainda mais divertido e agradável e pode ajudar a compensar hábitos de alimentação seletiva e exigente – os conhecidos como picky-eaters.

Tente o seguinte: Mesmo que seu filho ainda não esteja pronto para ficar no cadeirão, você pode tentar segurá-lo no colo durante refeições em família. Resista ao impulso de querer ajudá-lo quando ele estiver comendo sozinho (mesmo que ele esteja fazendo uma bagunça). Ao descobrir como colocar diferentes alimentos e texturas dentro da boca suas habilidades motoras finas serão aprimoradas.

Quando ele estiver pronto para usar um cadeirão, insira-o na mesa com toda a família. Evite forçá-lo a comer ‘só mais uma colherada’, já que isso pode acabar ensinando a criança a comer para agradar aos outros. Em vez disso, proporcione  opções saudáveis e deixe-o escolher o que ele quer e quando estiver satisfeito a ponto de parar de comer. Não se esqueça de conversar com ele à mesa – você pode falar o nome de diferentes alimentos e descrever o sabor de cada um deles, ou papear sobre qualquer outro assunto que queira. O foco é seu bebê aprenda que o momento da refeição é também uma experiência social.

Fazendo caminhadas

Seja um passeio com seu bebê dentro do carrinho, ou uma caminhada mais séria com ele no canguru ou sling, a maneira como você se comporta nessas situações influencia como o seu filho vai se sentir sobre o ar livre e as atividades físicas, diz Dra. Shama. Se você bufa ou parece irritado durante as caminhadas, seu bebê vai aprender que isso não é algo prazeroso. Mas se você se mostra revigorada pelo ar fresco, ele vai internalizar que estar na natureza e se exercitar é algo divertido.

Tente o seguinte: Quando você estiver ao ar livre, tente nomear as coisas que você vê, como folhas e pedras, e deixe seu bebê tocar nelas. Se você não tem tempo para parar e observar, fale com ele sobre como você gosta das cores e dos cheiros das flores. Isso vai ajudá-lo a apreciar esse tipo de coisa também.

Abrace seu parceiro

Mostrar carinho e afeto na frente do seu bebê faz com que ele saiba que os membros da família dele se tratam com ternura e gentileza. Quanto mais ele vê vocês abraçados, fazendo um carinho no irmão ou no cachorro, mais provável é que esses comportamentos passem a fazer parte da rotina dele também.

Quanto mais seu bebê presencia afeto entre a família, melhor ele entende que o lar é um ambiente seguro, de amor e carinho (Foto: Getty Images)

Tente o seguinte: Não tenha vergonha de deixar que seu filho veja vocês se beijando ou abraçando. Diga ‘eu te amo’ regularmente dentro de casa e evitem brigas na frente das crianças, assim elas aprendem que o lar é um ambiente seguro e de cuidado. “Você está ensinando valores ao seu filho a partir da maneira que você se comporta na frente dele”, diz Dr. Gross.

Toque músicas

Pesquisas mostram que músicas podem melhorar o humor do seu filho (e não só o dele, vamos combinar), além de aumentar a concentração. E também pode ajudar na compreensão da matemática: elementos como melodia e batida oferecem oportunidades para internalizar padrões, sequências e contagens.

Tente o seguinte: Dance uma música enquanto carrega o seu bebê, ou toque nas costas dele conforme o ritmo da melodia, para reforçar o ritmo. Escolha alguns instrumentos infantis como xilofone, chocalhos e tambor, e toque-os juntos – assim, ele aprimora o desenvolvimento motor.

Diga tchau ao seu bebê

Ver você saindo pode ser difícil para o seu bebê, particularmente quando a ansiedade da separação começa, por volta dos 6 meses e pode atingir o pico por volta de 1 ano e meio, segundo Richard So, médico pediatra em uma clínica infantil em Cleveland, em Ohio.

Aproveite cada oportunidade diária para aprimorar o desenvolvimento do seu bebê! (Foto: Getty Images)

Tente o seguinte: Quando você precisar sair ou deixar seu filho na casa da avó, por exemplo, não saia escondida ou ‘fugida’, pois assim seu bebê pode se sentir abandonado. Em vez disso, diga: ‘Tchau, filho. Logo estarei de volta em casa’, sugere Dr. Richard. Mantenha suas despedidas breves, e quando chegar de volta, dê um abraço nele e diga: ‘Viu só, eu disse que eu voltaria. Eu senti saudades! Eu sempre vou voltar para você’. Comece essa rotina de comportamento cedo, mesmo que o seu bebê ainda não entenda exatamente as suas palavras. Assim, ele vai pegando o jeito da rotina, e por mais que isso não elimine a ansiedade da separação de imediato, com o tempo ele vai perceber que essa despedida não é um adeus para sempre.

5 maneiras de criar vínculos com seu bebê mesmo que você não esteja em casa

  1. Deixe uma foto sua em um lugar que ele veja frequentemente, como, por exemplo, na parede perto do berço
  2. Deixe uma camiseta sua em algum lugar seguro da casa – como, por exemplo, no espaço em que ele brinca – assim, ele se sentirá confortado por sentir o seu cheiro
  3. Explique a rotina da família para os ajudantes ou babá que você tiver e peça-os que siga como vocês estão acostumados. Assim, mesmo que você não possa dar banho no seu filho, a sequência de eventos familiar vai tranquilizá-lo
  4. Grave você mesma cantando ou contando uma história para que seu filho possa se acalmar ouvindo a sua voz quando necessário
  5. Ligue para verificar de vez em quando. Seu bebê vai amar poder interagir com você por telefone ou chamada de vídeo, mesmo que não entenda muito bem onde você está ou ainda não fale