Bebês

A importância do vínculo de amor no começo da vida das crianças

Ele ainda traz muitos benefícios para o desenvolvimento do seu filho, que vão além do carinho

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Natura Mamãe e Bebê)

Você pode ajudar seu filho a ser mais feliz, confiante, seguro e independente (Foto: Natura Mamãe e Bebê)

Vocês ainda não se conhecem, mas a conexão com seu filho surge quando ele ainda está no útero. O bebê se movimenta ao sentir seu leve toque na barriga, o coração dispara ao ouvir sua voz e o laço se fortalece cada vez mais à medida que os estímulos são transmitidos.

Antes mesmo do nascimento do bebê, são muitas as oportunidades que você tem para ajudar seu filho se desenvolver da melhor forma como um ser humano feliz e socialmente realizado, através de ações e gestos que fortalecem o vínculo de amor e afeto. Existem diversas formas de ajudar o bebê a ser mais feliz, confiante, seguro e independente para estabelecer uma boa relação com a família e o mundo como um todo.

A importância dos primeiros mil dias

Desde o momento da concepção até o aniversário de dois anos do seu filho, terão se passado mil dias. E acredite: essa fase faz toda diferença. Diversas pesquisas comprovam que crianças com apoio emocional durante esse período desenvolvem melhor e mais rapidamente a capacidade de aprendizagem, memória e autocontrole.

E toda essa construção começa na relação entre mãe e bebê, que se estabelece ainda na gestação. É comprovado cientificamente que, a partir da 18ª semana de gravidez, o bebê já é capaz de reagir ao toque das mãos da mãe. O toque não é apenas físico, mas também transmitido por meio da respiração, pensamentos e fala da gestante. Por isso, a importância de a mãe ficar atenta à sua respiração, ao ritmo de andar, sentar e falar. O fato de estar relaxada contribui para o vínculo e bem-estar do bebê.

O toque, por meio da automassagem, também é capaz de fortalecer o vínculo entre mãe e bebê e ainda traz benefícios para o desenvolvimento da criança. Além de colaborar para a autoestima e relaxamento da mãe, a automassagem ajuda a superar ou minimizar as ansiedades da gravidez, o que pode colaborar para um parto mais tranquilo. Estudos indicam que bebês que recebem carinho da mãe desde a barriga nascem se sentindo mais seguros, amados, sabem se relacionar melhor com o mundo e são capazes de lidar com as pressões da vida. E essas capacidades não influenciam somente a infância, mas refletem também na adolescência, fase adulta e podem contribuir para a formação de uma sociedade mais equilibrada e feliz.

Ao longo da gestação, esse vínculo se fortalece ainda mais e dura para toda vida. Por volta do quinto mês, os movimentos do bebê começam a ser sentidos pela mãe. E essa percepção permite reações, como brincar, passar a mão na barriga, cantar – a força dessa relação e afeto inicial influenciará a qualidade de todos os laços futuros do indivíduo com os outros.