Bebês

A personalidade do seu bebê de 4 a 6 meses

Aprenda a reconhecer cada etapa da vida do seu filho

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

*Tradução por Ana Beatriz Gonçalves, filha de Carla e Virgílio

Desenvolvimento Emocional aos 4 meses

No quarto mês, a vida com seu novo bebê está se tornando menos caótica. Talvez você tenha conseguido estabelecer uma rotina. Apesar de possivelmente ainda haver um período agitado no final do dia, os bebês sem cólicas provavelmente são mais propensos a ficarem pacíficos, e até os bebês inquietos podem deixar seus pais dormirem por seis horas seguidas.

Agora a diversão pode começar. O pediatra Stanley Greenspan, autor do artigo “Construindo Mentes Saudáveis”, compara essa fase da vida com um bebê que “se apaixonada”, porque aos 4 meses as crianças podem começar a desenvolver tanto amor quanto elas recebem dos pais. Eles não estão mais simplesmente chorando, dormindo ou sorrindo, mas expressando emoções complexas à medida que desenvolvem relacionamentos com  as pessoas que estão a sua volta.

Durante os primeiros meses de vida, o humor do seu bebê podia ser simplificado em choros de fome e dores de barriga. Era preciso ficar atento se ele estava satisfeito ou não. Agora, com 4 meses, a vida é mais do que comer e dormir, apenas. Seu desenvolvimento cerebral (e o fato de que seus sistemas digestivo e neurológico são mais regulados) permite que o bebê se interesse mais pelo mundo e sinta emoções como frustração, medo, curiosidade e entusiasmo. (Os médicos podem detectar os primeiros sinais de ansiedade e depressão logo aos 3 ou 4 meses).

Apego emocional

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Um relacionamento estável e seguro com carinho e amor, é a melhor forma de desenvolver uma criança na infância. A essa altura, o bebê aprendeu a associar sua face a sentimento agradáveis, e ele responderá rápido. Basta você se aproximar do quarto para buscá-la no berço. “Os olhos dele irão brilhar assim que ele te ver. Ele vai sorrir bastante, e isso vai ficar claro enquanto você o toca”, relatou o Dr. Greenspan. Ele provavelmente vai demonstrar alegria por estar com você através de movimentos da boca, dos braços e pernas, e enfim, de toda parte do corpo na medida que você fala com ele – respondendo a sua voz com sons alegres.

“Você saberá que seu bebê atingiu um novo degrau na escada do desenvolvimento, quando ela reage com as suas próprias emoções”, diz Dr. Greenspan. Quando ele sorri para você respondendo o seu sorriso, ou relaxa quando você o abraça, são boas indicações de que vocês dois estão se aproximando.

Por que agora o bebê consegue se envolver mais ativamente com você, do que antes? Além de ser mais capaz de regular suas próprias funções corporais, como respirar, comer e dormir, a visão dele melhorou, logo, seu sono está mais sincronizado com o seu (ele não acorda tantas vezes no meio da noite como antigamente). Portanto, sua atenção é maior e ele descobre que pode fazer as coisas acontecerem.

Seu trabalho é apresentar seu bebê ao mundo e o mundo a ele. Você será sua companhia e guia, por isso é importante dar a ele a confiança necessária para testar sua curiosidade e, ao mesmo, assegurar sua proteção, não importa qual seja seu humor.

Desenvolvimento da linguagem aos 4 meses

Uma das realizações mais miraculosas durante esta segunda fase da infância é a capacidade do bebê de vocalizar suas emoções. Durante as suas primeiras semanas de vida, chorar era o único jeito de ganhar atenção. Com quatro meses, a maioria das crianças se tornam “comunicadores ansiosos”, segundo Dr. Greenspan. O bebê começa a reproduzir vogais abertas como, por exemplo,“ah” e “oh”. Gradualmente, ele experimenta usar os dentes, a língua e as cordas vocais – fazendo diversos barulhos engraçados. Normalmente as primeiras consoantes faladas pelos bebês são “p” e “b”, e a favorita das mamães, “m”.

Mapas de som

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Os barulhos que o seu bebê faz não são apenas uma coleção sons aleatórios, são tentativas repetidas de mover os lábios, a língua e a mandíbula para fazer os mesmos sons que ouve. Quando ele atingir meio ano de vida, terá ouvido centenas de milhares de sons de vogais, desenvolvendo uma espécie de “mapa sonoro” em seu cérebro. Isso o ajudará a ouvir e reproduzir os sons mais claramente no futuro, de acordo com a pesquisadora da Universidade de Washington, Patricia K. Kuhl. Além disso, quando uma criança ouve repetidamente sua língua nativa, acaba desenvolvendo estratégias cada vez mais dedicadas ao processamento dessa linguagem. Por exemplo, no início da infância, o seu bebê pode ouvir sons em outras línguas que não podemos detectar. Mas, à medida que os meses passam e ele sintoniza com os ritmos e padrões do seu próprio dialeto, ele para de ouvir os sons que não precisa reproduzir e se concentra melhor naqueles que realmente precisa saber.

Aprendendo a falar

Como você tem certeza que o seu bebê está aprendendo a falar, se ele na verdade não pronuncia nenhuma palavra? De novo, o relacionamento é a chave. Alguns pesquisadores descobriram que crianças de 4 a 6 meses com pais que falam diretamente com elas frequentemente, possuem mais facilidade para aprender a falar. Por isso, fale com o seu filho e escute o que ele fala para você. Não é preciso outros métodos; vocês podem olhar um livro juntos, e falar sobre as figuras. Até mesmo os planos do dia são uma boa desculpa para “puxar um papo” no momento em que você troca a fralda.

“As experiências mais estimulantes para bebês jovens vêm da interação humana”, salienta Joshua Sparrow, psiquiatra infantil da Harvard Medical School. “Nada se iguala a complexidade da voz humana ou da linguagem corporal”.

Uma personalidade em progresso

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Agora que seu bebê passou da fase de recém-nascido agitado, e está mais atento e responsivo, você pode começar a procurar pistas sobre o tipo de bebê que você tem, à medida que sua personalidade única começa a ganhar força. Especialistas em desenvolvimento infantil usam nove características básicas para descrever o temperamento; se ele tende a ter fome e dorme na mesma hora todos os dias, se ele é adaptável à mudanças, nível de sensibilidade, foco e distração. Por exemplo, se você tem um bebê sensível, é provável que ele fique superestimulado com barulhos e muitas pessoas ao seu redor. Ao contrário (uma criança menos sensível) adora festas e se relacionar com vários parentes.

Para avaliar o temperamento do seu bebê, acompanhe as reações dele às rotinas diárias. Ele relaxa em seu bebê-conforto ou chuta as pernas sem parar? Ele chora quando alarmes tocam ele se demonstra curioso? Depois, você pode adaptar seu estilo de criação de acordo com a sua personalidade, e ainda encontrar a melhor forma de se divertir com ele, aprofundando ainda mais o relacionamento.

Desenvolvimento sensorial e físico aos 4 meses

Expansão dos cinco sentidos

Um marco importante do desenvolvimento físico entre 4 e 6 meses é a capacidade da criança de ver o mundo ao seu redor. Em comparação com o tato, o paladar e o olfato, a visão é sentido relativamente “primitivo” no nascimento; é a única dos nossos cinco sentidos que não recebe estimulação no útero. Mas tudo bem. Um recém-nascido não precisa mais do que uma visão limitada para começar a aprender a reconhecer os rostos de sua família ou a ver suas próprias mãos na frente de seu rosto. No entanto, aos 6 meses de idade, a visão do bebê se desenvolverá ao ponto de ter percepção de profundidade, visão de cores e movimentos oculares bem controlados – assim como à habilidades motoras crescentes dão a capacidade dele brincar com as próprias mãos, de tocar seu corpo ou estender a mão para pegar os objetos que deseja.

Outro novo desenvolvimento: a visão aprimorada permite que ele veja o formato do seu rosto e o reconheça à distância. (Inicialmente, ele podia ver seu nariz, boca e olhos apenas como feições isoladas – agora ela está colocando tudo junto como “mamãe”.) Claro, não é apenas seu rosto que ele vê à distância. Há todo tipo de coisas interessantes para se ver, o que significa que o bebê pode se distrair.

De acordo com Joshua Sparrow, coautor da série Parentails, nesta fase é normal que os bebês interrompam a amamentação para observar o que está ao redor, por exemplo, mas isso faz com que algumas mães se preocupem e pensem que eles não estão comendo o suficiente ou estão prontos para desmamar. Não é verdade. “O que acontece aos 4 meses é que seu bebê pode agora absorver uma ampla gama de experiências visuais”, completa Joshua. A dica é amamentar em uma sala silenciosa e pouco iluminada. Se você for paciente e conversar com seu bebê sobre o que ele está vendo, e deixá-lo observar, você o ajudará a entender o mundo e a melhorar sua visão ainda mais; quando você permite que ele olhe para coisas diferentes, você está de fato encorajando a atividade elétrica entre suas células cerebrais.

Ganhando controle do corpo

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Nessa fase, a maioria dos bebês começa a tomar conta de suas próprias ações. Eles levantam a cabeça quando estão deitados, chupam os dedos, ficam encantados com a sensação de um cobertor macio em sua pele, entre outras coisas maravilhosas (no mundo deles!). A interação com os brinquedos acontece por volta dos 4 meses – embora ainda seja mais fácil segurá-los com as duas mãos –, e com 6 meses, o bebê já consegue sentir a textura exata e o sabor do brinquedo. Também aos 4 meses, ele tem o prazer de ser apoiado por travesseiros, que permitem que ele veja o mundo com um ponto de vista diferente, enquanto constrói se fortalece. Ele crescerá cada vez mais estável até que, com 6 meses de vida, ele tenha a coordenação e a força muscular para sentar sozinho!

O que o bebê está fazendo?

Quarto mês: Alcança objetos e reproduz algumas vogais.

Quinto mês: Rola da frente para trás; mostra emoções através de expressões e linguagem corporal.

Sexto mês: A visão é totalmente desenvolvida e já senta sem suporte.

Leia também:

O difícil começo

Veja 28 dicas de cuidados durante a gravidez

Banho do recém-nascido: 4 dicas para te ajudar nos primeiros meses do bebê