Bebê com tumor gigante no pescoço é salva por cesárea inovadora e mãe desabafa: “Eles fizeram acontecer”

Ela foi diagnosticada ainda com 13 semanas de gestação, mas os pais não desistiram dela

Os pais não desistiram de nenhuma das filhas e receber a ajudo do Dr. Shaaban (Foto: Reprodução/Lurie Children’s Hospital)

Theodora e Epimenio, pais das gêmeas Jenessa e Genesis, passaram por um momento muito marcante e tenso. Eles receberam a notícia de que uma das meninas tinha um tumor no pescoço, ainda na gestação. Os médicos avisaram que isso poderia matar a menina assim que ela nascesse. A massa estava pressionando a traqueia da bebê. Além de que, Genesis poderia desenvolver o mesmo problema.

-Publicidade-

Mas os pais não desistiram da filha e seguiram com gravidez até o último minuto possível. E graças uma cesárea inovadora feita no Lurie Children’s Hospital of Chicago em parceria com The Chicago Institute for Fetal Health, nos Estados Enidos. As meninas nasceram e estão ótimas.

O parto foi realizado no dia 19 de dezembro de 2018 e mesmo assim Jenessa só recebeu alta essa semana. Ela estava em tratamento e em observação. Genesis ficou internada por três meses na UTI, apenas para ganhar massa e se fortalecer.

-Publicidade-
A bebê, agora está bem (Foto: Reprodução/Lurie Children’s Hospital)

 

O procedimento 

Dr. Shaaban e toda a sua equipe de anestesistas, cardiologistas, pediatras, obstetras, otorrinolaringologistas e médicos especializados em medicina fetal se reuniram para desenvolver a melhor solução. Eles queriam manter a mãe e as duas meninas a salvo.

Foi então que eles resolveram fazer um procedimento antes de realizar, de fato, a cesárea. Os médicos fizeram uma incisão no útero de Theodora. O tamanho era o suficiente para colocaram um tubo de traqueostomia na boca de Janessa. Assim ela respiraria sem a intervenção do tumor.

Depois da certeza de que tudo estava no local onde deveria, eles prosseguiram com o corte e fizeram o parto das gêmeas. Quando o cordão umbilical foi cortado e as meninas começaram a respirar por conta própria, Janessa já tinha o tubo.

Theodora recebeu muito apoio de toda a equipe (Foto: Reprodução/Lurie Children’s Hospital)

O tumor 

A massa no pescoço da bebê não era maligno, mas era um teratoma. O que fazia com que ele crescesse muito rápido. Então, assim que saiu da sala de parto e passou por todos os exames, Janessa foi encaminhada para outra sala de cirurgia. Era a hora de retirar o tumor.

O procedimento foi um sucesso, os médicos conseguiam retirar todas as células do teratoma sem provocar nenhuma grande sequela em Janessa. Por mais que ela ainda esteja usando um tubo de traqueostomia, os médicos disseram que em breve ele já poderá ser retirado.

Preocupação de mãe 

“Quando recebemos o diagnóstico foi muito assustador, mas nós estávamos dispostos a fazer o que fosse preciso pela nossa filha. Quando conheci o Dr. Shaaban e sua equipe eu finalmente senti que minha filha estava em boas mãos. Eu estou muito feliz em poder ter minhas duas filhas em casa agora!”, contou a mãe ao blog do The Chicago Institute for Fetal Health.

Theodora ainda disse que não fazia ideia de que esses tipos de cirurgia fetais poderiam acontecer. “Antes de vir para cá, fiquei imaginando o que aconteceria com minhas garotas, mas a equipe do instituto fetal tinha o plano deles, sabiam o que fazer e fizeram acontecer”, termina. 

Agora as irmãs estão juntas novamente (Foto: Reprodução/Lurie Children’s Hospital)

Leia também: 

Mãe descobre que está grávida de quíntuplos após suspeita de tumor: “Fiquei um pouco assustada”

Sonho realizado! Menina com osteossarcoma vira chef de cozinha por um dia e conhece Claude Troisgros 

Menino de 3 anos é diagnosticado com câncer raro após mãe reparar detalhe estranho no rosto 

-Publicidade-