Bebê de dois meses tem convulsão após trocarem vacina da pentavalente por Pfizer

A técnica de enfermagem que cometeu o erro já foi afastada

Resumo da Notícia

  • Dois bebês na cidade de Sorocaba receberam a vacina errada
  • Eles deveriam tomar a da pentavalente mas foi aplicado a da Pfizer
  • A técnica que cometeu o erro já foi afastada

Dois bebês na cidade de Sorocaba, em São Paulo, receberam a vacina contra a covid-19 por engano. Os dois deveriam ter tomado a vacina da pentavalente que protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra uma bactéria responsável por infecções no nariz, meninge e garganta, mas acabaram sendo vacinadas com a Pfizer.

-Publicidade-

Um dos bebês teve convulsão, e passará por exames para descobrirem a causa da crise. Já o bebê de 4 meses teve febre alta e deve ficar internado por mais 7 dias, fazendo o uso de antibióticos via cateter. As famílias estão recebendo suporte psicológico e serviço social do hospital.

A técnica de enfermagem que confundiu as doses por serem parecidas na embalagem, foi afastada da sala de procedimentos injetáveis até a apuração e verificação das medidas que serão tomadas. A Secretaria da Saúde informou que também entrou em contato com o Centro de Vigilância Epidemiológica do estado de São Paulo, o Ministério da Saúde e a fabricante da vacina, que relataram casos semelhantes ocorridos em outros locais, com sintoma de febre apresentado.

Hospital do Gpaci em Sorocaba em São Paulo
Hospital do Gpaci em Sorocaba em São Paulo (Foto: Divulgação)

A recomendação baseada em outros casos que ocorreram, é de que as crianças fiquem em observação por 15 dias. Os bebês conseguiram tomar leite normalmente, e não precisaram ser medicados, apenas receberam soro. Os bebês passarão por um teste de sorologia e, em seguida, receberão a dose correta da pentavalente.

As mães dos dois bebês relataram o momento de desespero que viveram quando receberam a notícia do erro. Ana Cláudia Mugnos Riello contou que, horas após a vacinação, a filha teve febre e parou de tomar leite. “O secretário de Saúde chegou e falou: ‘olha, mãe, três crianças foram vacinadas com a penta aqui ontem. Duas delas receberam a da Covid. Nós não temos como saber quais destas crianças foram as que receberam’. Pediram desculpa, só que é uma vida. E se matasse a minha filha?”, contou.

Para Kathillyn Monteiro da Silva, o susto foi ainda maior. Ela estava em casa quando recebeu a visita do secretário municipal de Saúde. O filho dela, de quatro meses, deveria ter recebido o reforço da vacina pentavalente, mas também foi aplicado o imunizante da Pfizer. “Como uma pessoa pode dar uma coisa errada para uma criança? É um neném ainda. Chorei muito, porque se acontece algo com meu filho?”, diz.