Bebê tem recuperação surpreendente após pais não deixarem desligar os aparelhos: “Milagres acontecem”

Jodie nasceu de 24 semanas, pesando 771 gramas

Jordie, recém-nascido, com os pais (Foto: Reprodução/Evening Gazette)

Há pouco tempo, falamos aqui na Pais&Filhos sobre um estudo que mostra que bebês prematuros abaixo de 30 semanas têm sobrevivido cada vez mais, apesar de ser algo considerado quase impossível 40 anos atrás.

-Publicidade-

Um exemplo disso é Jordie-Jay, um bebê britânico de 4 meses que nasceu em novembro de 2018 com apenas 24 semanas de gestação, pesando 771 gramas.

Apesar de ter nascido extremamente prematuro, o bebê estava estável até que desenvolveu uma doença pulmonar crônica e piorou. Jordie teve que ser colocado em aparelhos de respiração porque não conseguia respirar por conta própria e, após algum tempo, os médicos revelaram aos pais, Ryan Pearce e Kirsty Byass, que o filho não resistiria.

-Publicidade-

“Ele simplesmente não estava melhorando, os médicos continuavam nos colocando em um quarto e nos dizendo que não havia mais nada que pudessem fazer por ele”, a mãe lembrou em entrevista é emissora local Teesside News.

O bebê nasceu pesando 771 gramas (Foto: Reprodução/Evening Gazette/Daily Mail)

O casal, então, se preparou e aos filhos mais velhos Justin, de 11 anos, e Junior de 7, para se despedir do caçula. No entanto, na hora H, eles não conseguiram ir em frente.

“Eu não acreditava que ele sobreviveria, mas depois pensei – você nunca sabe – milagres acontecem. E decidimos não desligar o ventilador”, continuou Kirsty.

Então Jordie-Jay ficou ligado às máquinas por mais algumas semanas e começou a melhorar. Com a melhora notável, todos os órgãos do menino apareceram bem no exame, mesmo com os danos no pulmão causados pela doença.

Jordie ganhou peso e ficou mais saudável (Foto: Reprodução/Evening Gazette)

Agora pesando 4 kg, o bebê foi transferido para outro hospital e os pais esperam poder levar o filho para casa nos próximos dias. Jordie vai precisar do auxílio de um tanque de oxigênio para respirar, mas a família sabe que o percurso que ele vai percorrer agora é para garantir que ele fique cada vez melhor.

Leia também:

O afeto faz toda a diferença na recuperação do bebê prematuro

Menina finge catapora para faltar à aula e tem “recuperação milagrosa” após ameaça de ir ao médico

Câmara aprova Projeto de Lei que quer aumentar a licença-maternidade para mães de bebês prematuros

-Publicidade-