Bebês

Carnaval: a partir de qual idade o bebê pode frequentar os bloquinhos?

Separamos 10 dicas para cair na folia com o seu filho sem preocupação

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

As crianças vão aproveitar muito! (Foto: Getty Images)

Não existe época mais animada do ano do que o Carnaval! E, para curtir ainda mais, os bloquinhos de rua não podem ficar de fora, nem mesmo os bebês. Existem muitas opções para eles curtirem o feriado junto com a família.

Mas é claro que os pais precisam estar atentos com as crianças. A Pom Pom deu algumas dicas de cuidados com troca de fralda, alimentação e hidratação das crianças durante esse período.

Idade

O bebê pode frequentar blocos de rua a partir dos 6 meses de idade. De acordo com a pediatra Dra. Ana Larissa Melo, do Hapvida Saúde, é quando as primeiras doses das principais vacinas já foram ministradas. A doutora Ana também recomenda blocos que sejam infantis e que tenham perfil familiar, durante o dia e em locais que tenham sombra.

Tempo para a diversão

Lactantes não devem permanecer muito tempo nos bloquinhos pelo risco de desidratação”, diz a doutora Ana. Ela acrescenta que expor as crianças às altas temperaturas pode ser prejudicial, então, crianças de até 2 anos não devem ficar mais de 2 horas nesses ambientes.

“Crianças maiores de 3 anos podem permanecer até 4 horas. Sempre respeitando os limites da criança e evitando exageros”, conclui a pediatra.

Alimentação: o que levar e como levar?

A dica mais recomendada é seguir a alimentação normal da criança. Frutas, sanduíches feitos em casa, sucos, água, biscoitos… São alimentos que podem ser facilmente transportados e armazenados em recipientes térmicos.

“Evite comidas de rua, pois não se sabe como esses alimentos foram manipulados”, diz a doutora Ana.

Faça lanches em casa e leve para os blocos (Foto: Getty Images)

Troca de fralda

“Durante esse tipo de evento, é preciso prestar bastante atenção e não deixar que a fralda fique muito cheia para evitar assaduras. Não deve ultrapassar 4 horas”, recomenda a pediatra.

Caso o bebê faça cocô, a troca precisa ser feita o mais rápido possível. Levar lenços umedecidos na bolsa vai facilitar tudo e você também pode levar uma boa quantidade de fraldas descartáveis.

Hidratação do bebê

O ideal é levar uma garrafa bem abastecida e oferecer água para o bebê durante todo o trajeto do bloco. “Se preferir, água de coco ou sucos de frutas também são boas opções”, recomenda a doutora Ana.

Mantenha seu filho hidratado durante o percurso do bloco (Foto: Getty Images)

Audição e pele do bebê

Geralmente, você não precisa colocar protetores de ouvido. Mas, caso seu filho se incomode com o barulho, tenha sempre um protetor auricular adequado para a idade dele. “A atenção redobrada vai para crianças menores de 1 ano. Nesta idade, evite ficar muito próxima às caixas de som”, diz a pediatra.

Quanto a pele do bebê, o ideal é utilizar uma proteção solar que tenha um fator mínimo de 30FPS, a cada 2 horas, também é recomendado utilizar chapéus e bonés para um cuidado extra.

Vale usar roupas com fator de proteção solar e óculos escuros?

Essas roupas não são obrigatórias, mas são muito bem-vindas! “Quanto mais acessórios para evitar a exposição solar e garantir a proteção do bebê, melhor”, a doutora Ana enfatiza.

Melhor horário para o sol e quais fantasias os bebês podem usar

O melhor horário para expor as crianças ao sol é até as 10h da manhã e após as 16h. As fantasias precisam ser de tecido leve, como algodão, e não podem apertar o corpo do bebê. “Quanto menos adereços, melhor”, recomenda a pediatra.

“Após os 2 anos de idade, já pode usar alguma pintura antialérgica, atóxica e hipoalergênica, indicada para crianças”. Não é aconselhável usar maquiagem, glitter e spray no corpo ou nos cabelos de crianças menores de 2 anos de idade.

Tintas e purpurinas podem causar reações alérgicas (Foto: Getty Images)

Spray de espuma: pode causar alergia ou prejudicar a visão?

As espumas podem causar alergias e ardência nos olhos das crianças. A melhor opção para se divertir é usar os tradicionais confetes de papel.

“Além disso, é extremamente importante respeitar o limite da criança. Sinais de sono e irritação indicam que está na hora de voltar para casa”, completa a doutora Ana.

Segurança

A diversão é garantida, mas a segurança com as crianças precisa ser redobrada! Coloque pulseiras de identificação em seu filho ou um crachá com o nome dele, seu nome e telefones para contato.

Leia também:

Carnaval: 6 opções de fantasias para o seu filho curtir a melhor época de folia do ano

Carnaval: como entrar na folia sem prejudicar a pele do seu filho

5 brincadeiras para você fazer com seu filho que são a cara do Carnaval