Catapora em bebê e criança: saiba o que fazer caso seu filho pegue a doença

Infecciosa e muito transmissível, a catapora é uma doença que atinge principalmente crianças e é causada pelo vírus varicela-zoster

Resumo da Notícia

  • A catapora é uma doença infecciosa e facilmente transmissível
  • Geralmente, as pessoas que costumam pegar essa doença são crianças de até 10 anos
  • Saiba o que fazer e como cuidar da saúde do seu filho

A saúde do bebê é um assunto muito delicado que pode deixar vários pais e mães de primeira viagem com o cabelo em pé. Só de pensar no filho adoecendo, mesmo que seja algo leve, a gente já arrepia inteira pensando se ele vai sofrer muito com as febres noturnas, os espirros, as tosses… tudo isso faz parte, inclusive da maturação do sistema imunológico da criança, mas existem casos que pedem um pouco mais de atenção. Com a catapora não é diferente.

-Publicidade-

Doença infecciosa, catapora é o nome popular de um problema causada pelo vírus varicela-zoster, que é facilmente transmitido pelo líquido das erupções cutâneas, pela tosse, espirro, saliva ou por objetos contaminados pelo vírus. As épocas do ano em que encontramos um maior número de crianças contaminadas com a doença são no fim do inverno, se estendendo até o início da primavera. Na maioria das vezes não provoca sequelas, mas pode ser intensa e grave, com comprometimento de órgãos internos, como sistema nervoso central e pulmões – por isso, é extremamente importante realizar o acompanhamento com um médico.

A catapora é uma doença infecciosa que é transmissível muito facilmente
A catapora é uma doença infecciosa que é transmissível muito facilmente (Foto: Reprodução Freepik)

Sintomas da catapora

Em qual idade a catapora é mais comum?

É mais comum na infância, já que as crianças frequentam creches e escolas e estão mais expostas. Normalmente, temos contato com a catapora na primeira década de vida, sendo mais comum até o quinto ano de vida. As crianças menores, principalmente abaixo de 2 anos, assim como idosos e gestantes, são consideradas grupos de risco para complicações pela varicela. É nesta faixa etária que temos mais complicação e óbitos.  Todas as pessoas que não tiveram a doença ou a vacina, têm risco de serem infectadas.

Graças à imunização, que possui alto grau de proteção e reduz a chance de contrair a doença, quem foi vacinado até pode pegar catapora, mas bem mais leve e com pouquíssimas bolhas. O principal objetivo da vacinação é proteger das formas mais graves da doença, com acometimento de órgãos internos e até com risco de morte em situações muito raras.

A principal maneira de combater os surtos de catapora é através da vacinação
A principal maneira de combater os surtos de catapora é através da vacinação (Foto: GettyImage)

Qual o tratamento para a catapora?

No tratamento, em geral, são utilizados medicamentos específicos recomendados pelo médico para aliviar a coceira, a dor de cabeça e diminuir a febre. Os cuidados de higiene são muito importantes e devem ser feitos apenas com água e sabão. Para diminuir a coceira, o ideal é fazer compressa de água fria. As vesículas não devem ser coçadas e as crostas não devem ser retiradas.

Vote na Pais&Filhos para o Troféu Mulher Imprensa!

Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos, está concorrendo ao prêmio da categoria Pertencimento e Inovação da 16ª edição do Troféu Mulher Imprensa! Para votar, é muito simples: CLIQUE AQUI e aperte o botão ao lado da foto da Andressa para que ele fique azul. Em seguida, preencha o campo com seus dados e vá até seu email: será preciso confirmar o seu voto clicando em um link. Depois disso, sucesso! Seu voto já foi contabilizado. Obrigada!

Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos está concorrendo ao Troféu Mulher Imprensa
Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos está concorrendo ao Troféu Mulher Imprensa (Foto: Divulgação/Pais&Filhos)

Vacina para prevenir a catapora

A principal forma de evitar a doença é com a vacinação. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomendam duas doses da vacina contra a varicela: a primeira aos 12 meses e a seguinte a partir dos 15 meses de idade, com um intervalo de 3 meses da primeira dose. Outra medida que pode diminuir o risco de adquirir a doença é evitar contato com uma pessoa que tenha catapora, enquanto ela apresentar vesículas na pele.

“Não tenho dúvidas em afirmar que as vacinas estão entre as principais descobertas da medicina em toda a história. Este pensamento é compartilhado pela maioria dos médicos, tendo em vista o número de pessoas que adoeciam ou morriam de doenças infecciosas que são cada vez mais raras nos dias de hoje. Lembro que atendia muitas crianças com catapora nos meus primeiros anos como médico, na década de 1990. No entanto, depois da implantação da vacinação ao longo do segundo ano de vida, houve uma redução significativa do número de casos de catapora, especialmente os mais complicados”, conta o médico do departamento Materno-Infantil do Hospital Albert Einstein, Claudio Len, colunista da Pais&Filhos e pai de Fernando, Beatriz e Silvia.

A partir do momento que você entra em contato com a catapora, você adquire imunidade para a vida inteira
A partir do momento que você entra em contato com a catapora, você adquire imunidade para a vida inteira (Foto: Shutterstock)

Tive catapora quando era criança. Se meu filho pegar, posso me contaminar novamente?

O contato com o vírus confere uma imunidade para toda a vida. Com isso, um adulto que já teve a doença não pega de novo, mesmo que tenha contato bem próximo com uma pessoa infectada. Sendo assim, a vacina contra varicela também não é necessária nesses casos.

Posso continuar amamentando ou preciso interromper caso eu pegue catapora?

As situações devem ser analisadas individualmente, mas nos casos de mulheres sem imunidade, a chance de transmissão é alta. Se a mãe fica doente 5 dias antes ou 2 dias depois do parto, o caso pode ser grave e são necessários cuidados, que incluem a interrupção da amamentação. Depois de 3 dias do parto, a contaminação tende a ser mais leve e o aleitamento pode ocorrer, desde que se tome cuidados como lavar as mãos e tampar as lesões. A única limitação é a presença de bolhas no mamilo ou próximo dele, o que aumenta a chance de transmissão.

CONSULTORIA: Claudio Len, médico do departamento Materno-Infantil do Hospital Albert Einstein, colunista da Pais&Filhos e pai de Fernando, Beatriz e Silvia; Dra. Bárbara Furtado, pediatra e gerente médica de vacinas da GSK

Para continuar lendo a matéria

Coloque seu e-mail aqui. Boa leitura!