Crosta láctea: saiba prevenir e eliminar as casquinhas no couro cabeludo do bebê

Embora possa ser alvo de preocupação de muitos pais de primeira viagem, a crosta láctea geralmente não apresenta riscos para o bebê e pode ser facilmente eliminada

Resumo da Notícia

  • Desde os primeiros dias de vida, a pele do bebê passa por diversas transformações para se adaptar à vida fora do útero
  • Uma condição bastante comum que pode aparecer é a crosta láctea
  • Te explicamos o que é essa dermatite e como cuidar da pele do seu filho se ela acontecer

Desde os primeiros dias de vida, a pele do bebê, sensível e delicada, passa por diversas transformações para se adaptar à vida fora do útero. Uma condição bastante comum que pode aparecer já nas primeiras semanas após o nascimento do bebê é a crosta láctea. Também conhecida como dermatite seborreica, esta condição não é grave, mas ainda traz muitas dúvidas aos pais sobre o que fazer quando o couro cabeludo do pequeno começa a descamar.

-Publicidade-
A pele do bebê passa por várias transformações para se adaptar à vida fora do útero

O que é a crosta láctea e quais são as suas causas?

A crosta láctea é uma das condições comuns da pele dos bebês. De fato, cerca de dois terços dos bebês são afetados pelo problema. Ela pode ser identificada quando o couro cabeludo do bebê começa a descascar, formando placas (ou casquinhas) que podem ser acompanhadas por uma vermelhidão leve e, ainda, aparecer em outras regiões do corpo, como atrás das orelhas, virilha, sobrancelhas e axilas.*

(Foto: Shutterstock)

“A crosta láctea é benigna, transitória e muito frequente; em geral, inicia-se nos primeiros quinze dias de vida e pode persistir até o sexto ou oitavo mês”, afirma a pediatra Dra. Vânia Carvalho, mãe de Marina e Roberto. Apesar do nome da condição, a formação das crostas não está relacionada com o leite. Portanto, os pais não devem se preocupar em mudar a dieta do seu bebê, a menos que seja orientado por um médico. A crosta láctea também não tem ligação com a falta de higiene. “Essa condição se dá por estímulos hormonais que passam pela placenta durante a gestação e, também, por produção do próprio bebê”, explica a especialista.

-Publicidade-
A crosta láctea é uma condição comum nos bebês (Foto: Getty Images)

É possível prevenir a crosta láctea?

Não é necessário lavar a cabeça do recém-nascido diariamente: uma dica é usar um shampoo preventivo a cada dois ou três dias. Utilizar somente água nos cabelos do bebê pode ser eficiente – em especial nos dias de calor intenso. O Mustela® Shampoo Espuma Recém-Nascido, tem 99% de ingredientes de origem natural e biodegradável, lavando o couro cabeludo com suavidade e ajudando a prevenir e eliminar a crosta láctea, desde o nascimento. Sua textura em espuma é de fácil utilização e particularmente adequada à delicadeza do couro cabeludo do bebê.

(Foto: Divulgação/Mustela)

Como eliminar a crosta láctea?

Os pais não devem tentar retirar as casquinhas com as unhas para não machucar a pele do bebê. A Dra. Vânia Carvalho reforça também que as crostas não devem ser removidas com uma escova, já que isso pode irritar o couro cabeludo: “Podem ser utilizados produtos específicos para remover as crostas delicadamente”. Em casos mais graves, com grandes escamas, o pediatra deverá ser consultado.

O Mustela® Stelaker é o primeiro dermocosmético  feito especialmente para tratar a crosta láctea, desde o nascimento. Formulado com 95% de ingredientes de origem natural, entre eles Polifenóis de Abacate, que protegem e suavizam o couro cabeludo, e um complexo de ativos  reequilibrantes. O tratamento possui eficácia clinicamente comprovada na eliminação da crosta láctea e prevenção do seu reaparecimento.

(Foto: Divulgação/Mustela)

A partir desses passos simples, a crosta láctea será removida com eficiência. Além disso, é importante secar bem o cabelo e o corpo do pequeno após o banho e evitar hábitos que podem prejudicar a pele do bebê, como o uso de roupas quentes, por exemplo, já que a umidade e o suor podem colaborar para o aparecimento de problemas de pele.

*Para um diagnóstico mais preciso da crosta láctea, é importante buscar a opinião de um dermatologista e/ou pediatra. O especialista poderá fazer uma avaliação mais detalhada e recomendar o tratamento mais adequado em cada caso.

-Publicidade-