Bebês

Desabafo de pai: “Estou ficando cansado de ter que trocar a fralda da minha filha em um chão nojento”

O post no Facebook já ultrapassa 144 mil compartilhamentos

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

feet-and-legs-of-newborn-baby-with-diaper-picture-id672801890

(Foto: iStock)

O americano Chris Mau é pai de quatro crianças. Uma delas é Kali, uma bebê de oito meses. Em um passeio recente em família, ele precisou trocar a fralda da pequena e algo frustrante aconteceu: não havia fraldário no banheiro masculino. Acontece que não foi a primeira vez que ele passou por essa situação, o que é ainda mais frustrante.

Então, Chris resolveu fazer um post privado (apenas para seus amigos) em seu Facebook desabafando sobre o acontecido. Porém, um de seus colegas o incentivou a tornar o post público. A publicação ultrapassou 63 mil likes e mais de 144 mil compartilhamentos até o momento. Leia o desabafo:

“Eu estou ficando cansado de ter que trocar a fralda da minha filha em um chão nojento porque o único fraldário está no banheiro feminino. É louco imaginar, eu sei, mas há caras que podem cuidar de seus filhos também. Se é um local público com banheiros públicos, na geração de igualdade entre gêneros e raças, que tal possibilitar que pais possam trocar as fraldas de seus filhos em um fraldário, assim como as mães? Eu estou pedindo demais?

Minha noiva e eu decidimos que seria uma boa ideia ir passear no centro da cidade com as meninas. Em nossa aventura por uma das principais estradas da cidade, Kali começou a se agitar. Não demorou muito para que eu descobrisse que ela havia feito cocô na fralda. Nós sempre tentamos nos preparar bem para qualquer viagem que fazemos. Aconteceu de ter um restaurante literalmente bem na nossa frente. Imaginando que eles devem ter acomodações para os pais trocarem uma fralda, nós entramos. Minha mulher e as crianças ficaram em um playground que havia do lado de fora e eu fui com Kali para o banheiro masculino.

Ao entrar, fiquei imediatamente frustrado com a ignorância das instalações e, com Kali chorando, tive de fazer a escolha difícil entre fazê-la esperar até encontrarmos uma instalação que tivesse um fraldário, ou aliviar o desconforto dela e mudá-la no banheiro de qualquer maneira. Decidi trocá-la ali mesmo. Peguei a toalha, coloquei no chão e a troquei, tudo enquanto minha mente pensava o quão desnecessária essa situação toda é. Eu senti que eles honestamente não acham que o pai é responsável pela troca de fraldas.