Bebês

E a hora do desfralde, quando chega?

Cada criança tem o momento certo para tirar a fralda, por isso, relaxa: o dia do seu filho vai chegar

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

closeup-of-legs-of-little-asian-2-years-old-toddler-baby-boy-child-picture-id981842908

(Foto: iStock)

Seu filho está crescendo e descobrindo seu corpo. Percebendo mãos, pés e também as suas necessidades. No momento do desfralde, a criança passa a entender que aquilo que está na fralda é ela quem faz, é dela. E essa é uma mudança grande na capacidade de autopercepção, diferente de tudo o que a criança já passou antes.

O período natural de acontecer o desfralde do bebê é entre 18 meses e 4 anos, segundo a fase de desenvolvimento anal especificada por Freud. Nesse momento, o sistema nervoso da criança vai se desenvolvendo da parte central até a região mais baixa do tronco, chegando ao assoalho pélvico da criança. Parece complicado, mas significa que os sinais nervosos chegam com mais rapidez ao esfíncter. “Esse processo faz com que o bebê ande com coordenação e tenha controle sobre a bexiga, porque a sensação de estar apertado ele já tem”, explica Fabiana Catanzaro, mestre em Psicologia Escolar e Psicopedagoga, filha de Marlene.

Algumas atitudes podem colaborar nesse momento, dentre elas deixar a porta do banheiro entreaberta para que elas possam ver seus pais indo ao banheiro. Outra ideia é apresentar o penico à criança: deixe que ela explore o objeto, respeite seu tempo. O uso do penico é recomendado por muitos pediatras pela facilidade de usar, o bebê consegue sentar e sair sem problemas e levá-lo aonde quiser. “Os pais devem ter paciência, tolerância, não exagerar para nenhum lado. Por exemplo, parabenizar a criança quando usou o penico na primeira ou segunda vez tudo bem, mas depois, aos poucos, isso deve se tornar natural. E nem o contrário, exagerar no que é ruim, reclamar muito do cheiro, falar olha só o que você fez, quanto cocô, que nojo. Claro que a criança tem que aprender que as fezes são algo que ela descarta, não é porque foi produzida por ela que tem que ficar. Aos poucos ela perceberá que controla suas necessidades, mas que também é uma coisa diferente dela. Portanto é válido se despedir do cocô e xixi e estimular o desejo dela de crescer igual ao pai, à mãe, aos irmãos”, completa a psicóloga.

Ao tirar a fralda, é comum haver escapes e a criança sujar a roupa. “Esses escapes são normais, temos que ter atitude positiva, sem cobrar demais para que ela não tenha traumas e encare esse processo como natural”, diz Teresa. O que acontece no momento do desfralde é que o bebê está começando a ter controle, mas ainda não total. “Falar para a criança que tem que fazer cocô em tal hora, ou perguntar demais se fez cocô hoje quando estava na escola, ou ficar focando demais nesse assunto é ir contra a natureza. É claro que é importante saber, mas esse tema virar o da vida da criança não é legal”, afirma Catanzaro.

Tudo ao seu tempo

Alguns bebês desfraldam mais rápido e outros têm o desenvolvimento mais lento; essa variação de tempo é normal. Para saber o melhor momento de começar o desfralde, você deve ficar atenta aos sinais da criança. “Para abandonar a fralda, o bebê precisa se sentir seguro e tranquilo para perceber as necessidades fisiológicas, dar atenção à elas e calcular o tempo que necessita para chegar ao banheiro. Geralmente a partir de 2 anos e meio, em média, é quando a criança já comanda o esfíncter, que são as estruturas que controlam a abertura e o fechamento da uretra e do ânus. Ela aponta a região das fraldas e fala “xixi” ou “cocô”, e tem capacidade de ficar sentada de 5 a 10 minutos. E a escola e professores devem incentivar o início da retirada da fralda ao perceberem que o pequeno demonstra estar preparado, conversando com os pais a respeito”, diz Teresa Uras, pediatra do Hospital Samaritano de São Paulo, mãe de André e Amanda.

Esse processo é o momento em que seu filho perceberá que não é mais um bebê. Isso pode ser muito angustiante para ele dependendo de como essa fase é entendida. É importante que todos percebam o desfralde como algo bom e mostrem para a criança que é um crescimento, um ganho.

Para ela, o ideal é começar o desfralde diurno e depois fazer o noturno. Isso porque o organismo da criança pode ter dificuldade de segurar o xixi durante as fases do sono profundo. “Depois que ela ficar sem fralda o dia inteiro, os pais podem começar a pensar em tirar durante a noite também”, explica.

Em algumas situações pode ser necessário retroceder o processo de desfralde. “É um período de aprendizado. E quando a criança está muito assustada ou acontecem casos de doenças agudas, devemos interromper o processo”, afirma Uras. E continua: “Se a criança não está reagindo de uma maneira produtiva para aquela relação, começa a fazer cocô em todos os lugares ou a segurar muito as fezes, alguma coisa não está bem. Ela está dizendo que o processo precisa de tempo ou de maturidade. E dar um passo atrás não é um erro. Errado está em percebermos que não era o momento e não voltarmos atrás. Com isso a criança vai se sentir respeitada e saber que tudo bem ela ter o tempo dela. E isso é um ganho”, conclui a psicóloga.

Por: Gelse Montesse, mãe do Martim

Leia também

Desabafo de pai: “Estou ficando cansado de ter que trocar a fralda da minha filha em um chão nojento”

Por que não é legal cobrir o carrinho do bebê com fralda?

Tem noção de quantas fraldas o bebê vai usar? Temos uma ferramenta que te ajuda nisso

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não