Bebês

Estudo revela que uso de celular pelos pais interfere no nível de atenção dos bebês

Uma nova pesquisa te dá um novo motivo para sair do seu telefone quando estiver perto do seu bebê

Giovanna de Boer

Giovanna de Boer ,filha de Karen e Christiano

Brincar com o seu bebê é uma experiência alegre, mas as vezes pode ser entediante, né? É muito fácil fazer a sua mente vagar enquanto você vê o bebê brincar, por isso é muito normal os pais mexerem no celular. Todo mundo faz isso. Mas a ciência encontro um motivo para deixar o telefone de lado.

Um estudo publicado na revista Current Biology mostra que o quanto de tempo que os pais prestam atenção, ou não, afeta diretamente a atenção da criança. Na pesquisa, os estudiosos usaram rastreamento ocular de alta tecnologia para obter informações de 36 pais e  bebês de um ano de idade. Eles testaram o tempo de atenção dos bebês em um objeto quando os pais também estavam olhando para ele e quando não estavam.

“Se os pais prestarem atenção junto com o filho em um brinquedo, é mais provável que as crianças demonstrem mais interesse no objeto, em comparação aos casos em que os pais não demonstraram atenção ou interesse”, disse Chen Yu, da Universidade de Indiana. Quanto mais os pais prestavam atenção, mais tempo os bebês continuavam a olhar para o brinquedo mesmo depois que os pais se afastavam.

Isso significa que os pais têm uma influência direta no desenvolvimento do tempo de atenção dos bebês. “À medida que as crianças se desenvolvem, elas melhoram e demonstram maior atenção às tarefas em andamento”, diz Yu. “Essa habilidade cognitiva é tradicionalmente vista como uma propriedade que já nasceu com cada um. Nosso estudo mostra que ela pode ser alterada por comportamentos em tempo real dos pais.” Assim, a atenção de uma criança não é desenvolvida sozinha, mas que é afetada por fatores sociais.

Como o seu comportamento influencia a atenção do bebê

“Imagine uma conversa, se quem está ouvindo mostra interesse – prestando atenção e fazendo perguntas – quem está falando está mais interessado em se envolver mais e falar mais”, explicou Yu. “Se o ouvinte não demonstrar interesse, o orador pode mudar para outro assunto, já que é difícil continuar falando sobre um assunto sem o apoio do público!”.  Quando o pai ou a mãe prestam atenção, também ajuda a orientar o bebê a manter o foco, caso contrário, cabe ao bebê decidir. “Se uma criança demonstra  interesse em um objeto, depende totalmente da criança determinar quando parar e mudar para o próximo alvo”, falou Yu. “Mas se a mãe dele ou dela se unir, é mais provável que a criança mostre mais atenção e interesse pelo alvo.”

Por que a atenção do bebê é importante?

A duração do período de atenção de uma criança é importante porque tem impacto no desenvolvimento do cérebro. Um período de atenção mais longo ajuda as crianças a se autorregularem e permanecer na tarefa por mais tempo, enquanto déficits precoces de atenção são marcadores para diagnósticos posteriores de transtornos de atenção. “É como se você tivesse um longo sono sem ser interrompido, em vez de ter vários cochilos curtos”, relata Yu.

“Mesmo com a quantidade de tempo igual, a qualidade é muito melhor com mais atenção.” A habilidade de prestar atenção também será importante mais tarde na escola. “As crianças pequenas sempre têm alguma dificuldade em demonstrar atenção constante, e provavelmente trocam as atenções frequentemente por tarefas diferentes”, diz Yu. À medida que crescem, ficam melhores em se concentrar. “A atenção sustentada está ligada ao processamento mais profundo de informações, e estudos demonstraram que a atenção sustentada em idades mais jovens é preditiva de desenvolvimento cognitivo posterior, por exemplo, solução de problemas.”

Portanto, cabe aos pais encontrar uma maneira de prestar mais atenção nos filhos e não se distraírem com os telefones. “Há uma enorme diferença entre interagir com seus filhos e estar na mesma sala com seus filhos sem interação ativa”, explicou Yu. “Encontramos um efeito dramático em nossos estudos em uma interação de seis minutos – se tal efeito se mantiver no mundo real, haverá enormes diferenças entre [filhos de] pais que acompanham e juntam a atenção de seus filhos versus aqueles que não preste atenção. “

Leia também:

Luana Piovani vai sozinha à escola dos filhos em Portugal e desabafa: “Quem educa sou eu”

Menino arrecada mais de R$ 16 mil vendendo limonada e cria ONG: “Queria deixar Deus orgulhoso”

Imprevisto faz mãe se virar nos trinta para comprar roupa da filha em casamento