Família fica devastada ao encontrar recém-nascido no chão da sala sem vida

Jake Oakley estava cuidando da pequena Cassidy pouco depois de fazer uma cirurgia pós-coluna vertebral em setembro de 2021 e disse que uma ‘força maior’ o acordou para verificar o bebê

Resumo da Notícia

  • Um recém-nascido não resistiu ao cair de um banco
  • O pai havia colocado o bebê em volta de travesseiros mas não foi o suficiente
  • Quando estava dormindo o pai foi acordado por 'uma força maior' e viu a filha no chão da sala

Uma mãe e um pai ficaram devastados depois que seu bebê de seis semanas foi encontrado sem vida no chão da sala de estar. Jake Oakley estava cuidando da pequena Cassidy pouco depois de fazer uma cirurgia pós-coluna em setembro de 2021. Jake disse que Cassidy foi colocada em um travesseiro de bebê em um banquinho cercado por travesseiros e cobertores antes de adormecer por volta das 23h.

-Publicidade-

Ele disse que foi acordado meia hora depois por uma “força maior”, pois Cassidy não estava mais lá. Jake disse ao LiverpoolECHO: “Só posso descrevê-lo como uma força maior porque não houve choro ou barulho, ela simplesmente não estava lá. Eu me perguntei se Meg a tinha levado para cima, mas então eu vi o macacão rosa e ela caiu. Ela não estava respirando ou respondendo.”

“Eu estava dormindo no andar de baixo porque não consegui subir depois da cirurgia, mas corri para o quarto e imediatamente liguei para o 999 (número de emergência) enquanto fazia a ressuscitação cardiopulmonar”. Jake disse acreditar que Cassidy havia sofrido um ataque cardíaco que a levou a cair do banco no chão, e ela foi levada às pressas para o Hospital Warrington, onde seus pais dizem que ela ficou estável.

O pai havia deixado a bebê em um banco com travesseiros ao redor
O pai havia deixado a bebê em um banco com travesseiros ao redor (Foto: Reprodução/Meg Oakley/The Mirror)

Jake disse que um exame mostrou que ela sofreu um segundo ataque cardíaco, resultando em danos cerebrais. Ele acrescentou: “Não fomos autorizados a estar com ela porque havia uma investigação policial, mas ficamos na sala de espera por cinco horas antes de nos dizerem que ela estava estável o suficiente para ser transferida para Alder Hey, onde ela morreu.”

Jake disse que não tinha permissão para ver a outra filha do casal, Esme, de dois anos, enquanto a investigação estava em andamento, o que foi “um dos piores sentimentos do planeta”. Ele disse: “Nós não sabíamos o que havia acontecido corretamente em nossas mentes. Quando em Alder Hey nos disseram que ela tinha danos cerebrais e foi dada a decisão de desligar o suporte de vida, disseram que ela não teria essa qualidade de vida . Ela morreu às 14h40 de 9 de setembro.”

O casal não pôde ver a outra filha por vários dias, o que foi “difícil para todos”. Jake disse que recebeu um relatório escrito e assinado por um consultor da Alder Hey, cujas notas o incomodaram ao sugerir “sobreposição” como provável causa da morte. Jake disse: “Neste relatório, ele afirmou que ele não pode dar uma causa definitiva da morte e deu uma sobreposição acidental. Ele disse que não havia nenhum sinal de asfixia que seria esperado”.

A família ficou devastada com a morte do bebê
A família ficou devastada com a morte do bebê (Foto: Reprodução/Meg Oakley/The Mirror)

Jake acrescentou: “A polícia me levou para casa e me interrogou com uma boneca e me fez representar o que aconteceu tantas vezes e foi filmado. Ele teria visto essa evidência”. Ele disse: “Ela não é apenas um número em um hospital, ela era uma pessoa. Ela era nosso bebê. É como se o pesadelo estivesse em andamento”.

O relatório, visto pelo ECHO, disse que a provável possibilidade de sobreposição acidental “não pode ser excluída com grande certeza”. Acrescentou: “No entanto, levando em consideração as circunstâncias em que ela foi encontrada sem vida, no equilíbrio das probabilidades, acredito que Cassidy morreu como resultado de uma sobreposição acidental enquanto estava em uma posição perigosa para dormir (de escabelo)”.