Gêmeos prematuros surpreendem ao nascerem em dias e estados diferentes

Miguel nasceu no Rio de Janeiro, no dia 28 de janeiro, e Davi nasceu em São Paulo no dia 29. A mãe contou em detalhes como aconteceu o parto raro dos dois meninos

Resumo da Notícia

  • Miguel nasceu no Rio de Janeiro, no dia 28 de janeiro, e Davi nasceu em São Paulo no dia 29
  • A mãe contou em detalhes como aconteceu o parto raro dos dois meninos
  • Hoje os bebês tem 3 meses e estão saudáveis e bem com os pais

Imagina ter um irmão gêmeo mas que nasceu em um dia diferente e em estados diferentes, doido né? Pois Mariana Kirzner Malagueta, 34, contou ao portal Viva Bem da Uol, como isso aconteceu com os filhos Miguel e Davi, o caso é raro e felizmente todos estão bem.

-Publicidade-

Com 27 semanas de gestação, Marina deu à luz Miguel, que nasceu no dia 28 de janeiro de 2022, às 5h36, em Resende (RJ). Já Davi veio ao mundo em 29 de janeiro de 2022, às 18h10 em São Paulo (SP), ou seja, um dia depois —mais precisamente 36 horas e 34 minutos após o nascimento do irmão.

No dia 26 Marina sentiu muitas contrações e pediu para a diarista levá-la ao hospital. Ao chegar lá, fez exames, descobriu que estava com 3 cm de dilatação e que Miguel já estava encaixado, prontinho para nascer: “Fiquei desesperada, tinha muito medo dos meus filhos nascerem tão prematuros e morrerem”.

Transferida para a Maternidade Apmir (Associação de Proteção à Maternidade e à Infância de Resende), Marina tomou medicação para tentar inibir o trabalho de parto, pois já tinha contrações a cada 10 minutos. No meio de tudo isso, conseguiu falar com a família e pedir que viessem ficar com ela. A mãe, que é pediatra neonatologista, morava em Recife e a irmã, médica intensivista trabalhando em São Paulo. O marido estava viajando a trabalho em Belo Horizonte, ou seja, cada um em um canto do país enquanto Mariana estava prestes a dar à luz.

Os gêmeos nasceram em dias e estados diferentes
Os gêmeos nasceram em dias e estados diferentes (Foto: Reprodução/Viva Bem UOL)

Todos torceram para que os bebês ficassem por pelo menos mais uma semana na barriga de Marina, mas com 27 semanas e 4 dias, Miguel nasceu de parto normal e a placenta dele ficou retida no útero de Marina. “Miguel nasceu roxo, pesando 1,100 kg, muito magrinho. Logo foi entubado e levado para a UTI neonatal”, lembrou a arquiteta, que se preparava para receber Davi, mas que para sua surpresa, não chegou no tempo que ela imaginava.

Após o nascimento de Miguel, Marina parou de ter contrações, segundo Camila Fernandes, ginecologista e obstetra que fez o parto da empresária na maternidade Apmir, no Rio, a mãe teve um período de latência no trabalho de parto. “Em geral, e na maioria dos casos, acontece espontaneamente alguns minutos ou horas depois. No caso da Marina, esse intervalo foi prolongado e atípico, mas existem relatos de situações semelhantes na literatura”, contou a médica.

Embora Marina e Miguel estivessem sendo atendidos na Apmir, a empresária e a família se sentiriam mais seguros se Davi nascesse num hospital com mais estrutura e recursos, onde os gêmeos teriam uma assistência especializada em prematuridade extrema, por isso a mãe decidiu ir para São Paulo.

A os bebês precisaram ficar internados por terem nascido prematuros
A os bebês precisaram ficar internados por terem nascido prematuros (Foto: Reprodução/Viva Bem UOL)

“Começamos uma corrida contra o tempo ligando para as principais maternidades de São Paulo para ver quem aceitava o meu caso, mas recebemos três negativas. Foi um caos. Minha mãe ligou para uma prima perguntando se a obstetra dela não aceitaria fazer o meu parto. Ela aceitou e ligou para o diretor do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, da Rede D’Or São Luiz, que conseguiu as três vagas”, lembrou Marina.

Verônica, mãe de Marina, cogitou levar todo mundo em seu carro e pegar a estrada para São Paulo, mas a ideia era inviável devido ao risco do nascimento de Davi e porque Miguel estava intubado. O transporte por helicóptero também não era recomendado por causa da altitude e trepidações do voo. A avó dos gêmeos conseguiu então duas ambulâncias com UTIs pelo convênio.

Após quase 300 km de distância e quatro horas de viagem, Marina chegou na maternidade em São Paulo por volta das 14h já com algumas contrações. A placenta de Miguel, que estava retida no útero de Marina, também saiu durante o parto de Davi. O bebê nasceu de forma natural, pesando 1,3 kg, às 18h10, 36 horas e 34 minutos depois do irmão. Davi foi levado para a UTI neonatal, mas não precisou ser entubado.

Os gêmeos receberam alta do hospital no último dia 19 de abril: o fluminense Miguel, pesando 2,490 kg; e o paulista Davi, com 2,760 kg. Hoje com três meses de vida, os bebês estão bem, saudáveis e não tiveram nenhuma sequela.