Golfo do bebê: o que você precisa saber sobre ele

Seu bebê está regurgitando muito depois das mamadas? Normalmente não há necessidade de se estressar. Entenda mais sobre esse hábito

Resumo da Notícia

  • O golfo é muito comum entre os bebês
  • Antes de se desesperar com a frequência que ele aparece, procure entender mais sobre o hábito
  • Veja o que você precisa saber sobre o golfo do seu bebê

Seu bebê está regurgitando muito depois das mamadas? Normalmente não há necessidade de se estressar. “70% dos bebês com menos de 3 meses vão regurgitar pelo menos três vezes ao dia, e é até perfeitamente normal que o golfo apareça cerca de 10 ou 12 vezes”, disse William Byrne, MD, chefe de gastroenterologia pediátrica do Hospital Infantil Doernbecher, em Portland, Oregon. Para você não se desesperar sem necessidade, aqui vai o que você precisa saber sobre o golfo do seu bebê.

-Publicidade-
Aprenta a lidar com o golfo (Foto: reprodução / Getty Images)

Por que os golfos acontecem?

Se seu bebê continua regurgitando duas horas após a mamada e ainda assim parece perfeitamente bem, ele provavelmente tem refluxo gastroesofágico (DREG). A condição atinge o pico por volta dos 4 meses de idade, quando dois terços dos bebês apresentam os sintomas, de acordo com o National Institutes of Health dos Estados Unidos. Entre o esôfago e o estômago existe um esfíncter, que é uma espécie de estrutura muscular em forma de anel e é o que controla a entrada de alimentos no estômago e o retorno deles para o esôfago. Esse anel de músculo em um bebê ainda está se desenvolvendo, permitindo que o conteúdo do estômago volte.

Os bebês precisam consumir muitas calorias para sustentar o rápido crescimento – três a quatro vezes mais que um adulto por quilo de peso corporal. Além disso, eles têm uma tendência a engolir ar enquanto sugam. Como resultado, o estômago fica muito cheio e eles têm tendência a cuspir o que comem (também podem regurgitar depois de chorar ou tossir com força, por exemplo).

-Publicidade-

Meu bebê está mamando o suficiente?

Mesmo que o golfo apareça depois de cada mamada, seu bebê provavelmente está comendo o suficiente. O pediatra irá avaliar o ganho de peso do bebê durante os exames e as visitas de rotina ao consultório. Se tudo estiver certo, ele estará recebendo as calorias de que precisa. Pode parecer que a refeição inteira está voltando, mas provavelmente é menos do que uma colher de sopa, diz o Dr. Byrne. Portanto, não “complete” o bebê com mais leite se ele regurgitar depois de comer. Na verdade, a superalimentação pode levar a ainda mais refluxo.

É possível evitar a ingestão (Foto: reprodução/ Getty Images)

Quando os bebês param de regurgitar?

Não se preocupe, chegará o dia em que você não precisará mais lavar roupa após cada mamada. Os sintomas tendem a diminuir por volta dos 6 meses, uma vez que o sistema digestivo do bebê amadurece e ele começa a sentar-se ereto e comer alimentos sólidos. O problema geralmente desaparece perto do primeiro aniversário do bebê, quando os músculos na parte inferior do esôfago ficam mais fortes (alguns bebês podem continuar com os sintomas até 24 meses). Não se surpreenda se a frequência de golfos do seu bebê piorar antes de melhorar. Os sintomas de algumas crianças reaparecem quando aprendem a engatinhar e o conteúdo do estômago muda, fazendo com que o bebê regurgite mais do que o normal. Mas, lembre-se: apenas o médico pode avaliar e dizer a condição extada do seu filho.

(Foto: reprodução Pinterest / Parents)

Lidando com o golfo do bebê

Mesmo que você realmente não possa prevenir, você pode minimizar a bagunça investindo em babadores extras e seguindo estas dicas:

– Evite superalimentação. Uma barriga excessivamente cheia é uma das principais causas de refluxo, portanto, evite superalimentar seu bebê, aconselha Aeri Moon, M.D., gastroenterologista pediátrica na cidade de Nova York.

– Coloque-o para arrotar. Engolir muito ar ao mamar ou comer pode causar bolhas de gás no estômago que podem prender alguns alimentos. Quando o ar volta a subir como um arroto, o mesmo acontece com o leite materno ou com a fórmula. Garantir que seu bebê esteja com a pega correta e arrote antes, durante e depois de cada mamada pode ajudar a reduzir esse problema.

– Use produtos para bebês alimentados com fórmula. Se o seu bebê está regurgitando a fórmula, considere usar um produto que reduza os gases induzidos pela mamadeira. Se seu bebê tiver 4 meses ou mais e seu pediatra aprovar, você pode tentar engrossar a fórmula para ajudá-lo a assentar o estômago. Não faça nada sem a aprovação médica.

– Mantenha seu bebê de pé após as mamadas. A gravidade está do seu lado quando se trata de refluxo e pode fazer uma grande diferença para ajudar a manter os alimentos. Após a amamentação, mantenha o bebê em pé por pelo menos 20 minutos, nos braços ou em um transportador, para que o alimento possa ir do estômago para o intestino delgado.

Meu bebê tem refluxo gastroesofágico?

O refluxo gastroesofágico não é algo com que se preocupar – mesmo os bebês mais saudáveis ​​têm. Mas para cerca de 2% dos bebês nascidos e uma porcentagem maior de prematuros, o refluxo causa dor e problemas médicos. Nesses casos, o médico pode diagnosticar a doença do refluxo gastroesofágico (conhecido também pela sigla em inglês DRGE). Os sinais indicadores incluem falta de interesse em comer, extrema agitação durante a alimentação, respiração ofegante, tosse, rouquidão e incapacidade de ganhar peso.

A DRGE é o refluxo extremo: tanto ácido respinga do estômago que irrita o revestimento do esôfago do bebê. Seu filho pode tentar aliviar o desconforto tossindo, arqueando as costas ou puxando as pernas até a barriga. Se seu bebê apresentar esses sintomas, entre em contato com o pediatra. O médico pode recomendar refeições menores e mais frequentes ou arrotos adicionais.