Bebês

Mãe dá à luz filha e descobre que bebê foi levada para abrigo após o parto

O casal foi acusado de tentar vender a recém-nascida

Giovanna de Boer

Giovanna de Boer ,filha de Karen e Christiano

Marcelly mostra as roupas da filha levada para abrigo (Foto: Reprodução/ TV Globo)

Já pensou em acordar no hospital depois de dar à luz e descobrir que a sua filha foi levada para um abrigo? Isso aconteceu com Marcelly Nascimento. Moradora da Zona Oeste do Rio de Janeiro, concebeu a terceira filha no dia 22 de junho, mas quando recebeu alta do hospital ela foi embora sem a recém-nascida.

O hospital Hospital Albert Schweitzer, recebeu Marcelly quando ela já estava em trabalho de parto. A “Quando chegou aqui ao hospital, a médica me deu o toque, já estava nascendo, e me levou direto para a sala de parto”, contou a mãe da bebê ao G1. Marcelly estava acompanhada de uma amiga chamada Giovana, foi ela quem preencheu as fichas de entrada do hospital. Foi quando a confusão começou. “Minha filha nasceu, uma médica veio me chamando de Giovana. Eu expliquei para ela que meu nome não é Giovana, não sei o que tinha acontecido aqui embaixo, pois subi direto. Ela não ligou para mim e me deixou sozinha dentro da sala”, revelou Marcelly.

A mãe da neném disse que não conseguiu revelar a própria identidade porque perdeu os documentos em um incêndio há quase dois meses atrás. Ela contou que durante a estadia no hospital ela teve visita de uma assistente social e de duas pessoas do Detran para resolver o problema da documentação para que ela pudesse registrar a filha de dentro do hospital mesmo.

Duas semanas depois, quando a documentação ficou pronta, Marcelly pôde sair de hospital. Mas o Conselho Tutelar não permitiu que ela fosse embora com a filha.“A mulher da Assistência Social chegou com uma outra, falando que é do Conselho Tutelar de Realengo, que estava recolhendo a minha filha. Tomou minha filha do colo do pai dela, dizendo que a gente não tinha condições de criar”, contou Marcelly ao G1.

A família descobriu que a menina tinha sido levada pra um abrigo em Bangu. Lá os pais descobriram outra versão dos acontecimentos: o hospital tinha recebido uma denúncia de que os pais pretendiam vender a bebê. “Falei: ‘eu, vender minha filha? Eu nunca iria vender minha filha’. Foi uma gravidez planejada! Eu planejei, as coisas da minha filha estão todas arrumadinhas”, se indignou.

Anderson Farias, um amigo da família, contou que o casal estava sem dinheiro para a passagem de volta para casa e que estavam sendo acusados de receber 50% do valor da venda da própria filha e acusou: “Ninguém parou para ouvir o casal”, contou ao G1.

A direção do Hospital Albert Schweitzer afirmou que recebeu orientações do Conselho Tutelar. A instituição teria pedido para que a criança fosse acolhida em um abrigo depois que policiais militares estiveram no hospital para investigar uma gestante que teria dado à luz no mesmo dia que Marcelly. E que a criança deixou a unidade com uma conselheira tutelar.

Já o Conselho Tutelar afirmou que atua junto às Varas da Infância e Juventude e do Ministério Público. E que a decisão de levar a criança para o abrigo se deu depois que o conselho foi notificado. Ainda de acordo com a instituição, casos que envolvem menores de idade são sigilosos.

Enquanto a família não obtém respostas, momentos de incerteza assombram os pais que sonham em recuperar a filha recém-nascida. ”Eu creio em Deus que a minha filha vai voltar para mim o mais rápido possível”, afirmou Rodrigo Oliveira, pai da bebê.

Leia também: 

Pai solteiro adota 5 irmãos de abrigo para que eles não se separassem

Estudo prova que conviver com animais de estimação faz bem para a saúde do seu bebê

Os processos de adoção devem durar no máximo 120 dias agora!