Mãe dá à luz trigêmeos em décadas diferentes após filhos nascerem com intervalo de 5 dias

Kaylie DeShane, de 33 anos, que vive em Nova York, nos Estados Unidos, bateu recorde de maior intervalo entre nascimento de trigêmeos após gravidez de alto risco

Resumo da Notícia

  • Kaylie DeShane, de 33 anos, que vive em Nova York, nos Estados Unidos, bateu recorde de maior intervalo entre nascimento de trigêmeos
  • Ela deu à luz aos filhos em décadas diferentes, a partir de que os bebês nasceram com 5 dias de diferença um do outro
  • A mulher passou por uma gravidez de alto risco, com o primeiro filho nascendo com 22 semanas

É recorde! Kaylie DeShane, de 33 anos, que vive em Nova York, nos Estados Unidos, tem o prêmio de maior intervalo entre nascimento de trigêmeos depois de bater o recorde de 2 dias. Ela deu à luz aos filhos em décadas diferentes, a partir de que os bebês nasceram com 5 dias de diferença um do outro.

-Publicidade-

O primeiro bebê nasceu no dia 28 de dezembro de 2019, e os dois trigêmeos seguintes chegaram 2 de janeiro de 2020. O primogênito tinha nove por cento de chance de sobreviver depois vir ao mundo prematuramente. Mas, apesar das probabilidades incrivelmente baixas, os três bebês, Rowan, Declan e Cian, sobreviveram e estão agora com 17 meses de idade.

Os dois trigêmeos restantes, segundo o Mirror UK, não seguiram o primeiro bebê, que saiu do útero na 22ª semana de gestação. Pelo fato do nascimento de Cian ter sido tão prematuro, os médicos queriam manter os outros bebês dentro da barriga de Kaylie pela maior quantidade de tempo possível.

Mãe dá à luz trigêmeos em décadas diferentes após filhos  nascerem com intervalo de 5 dias (Foto: Getty Images)

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!

Sobre o processo de engravidar, Kaylie disse: “Depois de tentar engravidar por quatro anos com meu marido Brandon,  de 35 anos, decidimos tentar a fertilização in vitro. Já temos um filho adotivo, Holden, de sete anos, e uma enteada, Naveah, de 12 anos, mas queríamos dar um irmão para eles”.

No entanto, a família nunca imaginou que viriam trigêmeos. “Quando descobrimos que teríamos três bebês, ficamos muito chocados, mas foi incrível. Já estávamos felizes com um bebê, e agora tínhamos três”.

No início da gestação Kaylie ainda foi informada de que a sua gravidez era de alto risco, e foi aconselhada a interromper os dois bebês idênticos dos trigêmeos para dar ao filho remanescente uma chance melhor de sobreviver. Ela decidiu contra isso e continuou batalhando para manter os três filhos vivos.

Ela teve gravidez de alto risco e o primeiro filho nasceu com apenas 22 semanas (Foto: Reprodução/ Mirror)

Ao descobrir que o colo do útero estava falhando, Kaylie contou que teve que realizar uma cirurgia de emergência para suturá-lo, já que já estava com 1 a 2 cm de dilatação. “Foi absolutamente assustador porque pensamos que poderíamos perder Cian já que ele era o bebê que estava mais perto da saída e havia o risco de a cirurgia romper a bolsa.

Felizmente, isso não aconteceu e a cirurgia funcionou. Nas semanas seguintes de gravidez, ela teve que se concentrar em descansar na cama para manter os bebês protegidos. Com 22 semanas e 5 dias, a mãe fez um exame de rotina e foi informada que estava tudo bem, mas no mesmo dia a bolsa estourou.

Começou o parto de Cian e Kaylie se lembra do caos da cena. Finalmente os médicos conseguiram estabilizá-lo. “Ele pesava menos de 1 kg”, relembra a mãe.

“Com 22 semanas e cinco dias, fiz um exame de anatomia onde me disseram que estava tudo bem. Depois de passar cinco dias em trabalho de parto com 10 cm de dilatação, os próximos dois bebês, Declan e Rowan, nasceram. Por mais que os filhos tenham passado cerca de 4 meses na UTI neonatal a família não perdeu as esperanças: “Não perdemos a fé e continuamos lutando por nossos bebês”. Hoje todos eles estão saudáveis e em casa com a família tão carinhosa.