Bebês

Mãe recusa pedido de médico para abortar filho que nasceu com lábio leporino

Hoje, Brody está com 2 anos e saudável

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: Reprodução/Instagram)

(Foto: Reprodução/Instagram)

“Eu gostaria que eles pudessem ver o quão bravo e forte Brody tem sido nos últimos dois anos e quanta esperança nós temos para o futuro dele”. É essa forma que Sara Heller,  uma americana de Nebraska, define seu filho, Brody, que acaba de completar 2 anos.

O menino nasceu com fenda labial e palatina — malformações que acontecem durante o desenvolvimento do embrião. Em entrevista ao site Kidspot, Sarah revelou que ficou surpresa ao descobrir sobre a fissura do filho. Mas a mãe ficou ainda mais chocada ao escutar dos médicos que sua gravidez deveria ser interrompida. “Eu sabia que mesmo que o bebê tivesse algumas complicações, ele também ainda era um filho, com um coração palpitante. Embora eu estivesse com medo do futuro de Brody e das coisas que perderíamos como pais de primeira viagem, eu não hesitei em continuar a gravidez”, afirmou.

Desde que descobriram sobre o diagnóstico, Sara e o marido, Chris, compartilharam a história do filho nas redes sociais: “Eu queria que as pessoas tratassem Brody como uma vida digna de comemoração. Um verdadeiro milagre”.

(Foto: Reprodução/Instagram)

(Foto: Reprodução/Instagram)

Sara contou também que vem recebendo diversas mensagens positivas e de apoio a sua família, vinda de outros pais. “Quando recebo um comentário grosseiro, normalmente eu o deleto e envio para essa pessoa uma mensagem particular explicando que Brody nasceu com um defeito congênito muito comum que exigia uma cirurgia para corrigir. Eu escolho educar em vez de reprimi-los”, diz.

“Há mais coisas boas do que ruins acontecendo ao redor do mundo, nós apenas não ouvimos sobre elas com tanta frequência”. E Sara viu exatamente isso quando um membro do “fã-clube” de Brody fez uma doação anônima de US $ 2 mil para a cirurgia do menino. “Fiquei muito impressionada com a bondade de um completo estranho”, diz ela.

(Foto: Reprodução/Instagram)

Hoje, Brody está com 2 anos (Foto: Reprodução/Instagram)

Quando o doador anônimo finalmente se apresentou, Sara ficou muito feliz e sem palavras para agradecê-lo. “Eu envio fotos de Brody todos os anos para ele. Nunca nos esqueceremos de como eles nos fizeram sentir naquela noite”, revelou. Sobre os médicos que sugeriram o aborto, Sara deseja poder voltar e contar para eles “como Brody tem sido forte nos últimos dois anos e quanta esperança temos para o futuro dele”.

Lábio leporino

Um a cada 650 bebês nascidos no Brasil tem fissura labiopalatina. Geralmente, a fenda atinge somente o lábio (conhecido como lábio leporino), apenas o palato (céu da boca) ou o lábio e palato juntos. Hoje, as causas da má formação são consideradas multifatoriais, envolvendo aspectos ambientais e genéticos.

“A condição não implica risco de vida ao bebê, então não há necessidade de correr para fazer a cirurgia”, explica o cirurgião plástico Diógenes Laércio Rocha, pai de Daniella e Camilla e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. De acordo com o Dr. Diógenes, para realizar a primeira cirurgia a criança deve estar mais desenvolvida, com maior peso, estruturas ósseas faciais mais rígidas e fendas mais estreitas, possibilitando melhores resultados a longo prazo. O indicado é que o primeiro procedimento ocorra entre o terceiro e sexto mês de vida do bebê.

Para garantir uma vida mais tranquila, é importante ter o acompanhamento multiprofissional com especialistas em fissuras desde o nascimento até o final da adolescência. Ou seja, ter sempre a orientação de um cirurgião plástico, fonoaudiólogo e um ortodontista Atualmente, o Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC), da Universidade de São Paulo, é referência no tratamento de fissuras e oferece auxílio gratuito à população.

Leia também:

Lábio leporino: entenda o que é e quais os tratamentos

Vítima de bullying por causa da aparência, criança adota gato com a “mesma cara”!

As Fissuradas: ONG de apoio à crianças com labiopalatina realiza primeira edição de congresso em São Paulo