Mulher coloca bebê para adoção após descobrir mentira de doador de esperma

O caso aconteceu em Tóquio, no Japão. Por lá, a mãe de primeira viagem descobriu que o doador havia mentido informações pessoais para ela e o marido

Resumo da Notícia

  • Uma mãe decidiu colocar para a adoção o bebê que teve com ajuda de doador de esperma
  • O caso aconteceu em Tóquio, no Japão
  • Por lá, a mulher e o marido tomaram a decisão baseada em mentiras que descobriram sobre o perfil do doador

Em Tóquio, no Japão, uma mulher decidiu colocar o filho para adoção após descobrir que o doador de esperma havia mentido sobre informações pessoais. Por lá, ela chegou a ter mais de 30 relações sexuais com o homem antes de descobrir a verdade.

-Publicidade-

De acordo com informações do jornal local Tóquio Shimbun, a mulher descobriu que o homem era chinês, formado pela Universidade de Kyoto e casado – informações contrária as que tinha previamente fornecido para o início do contrato.

A mãe e o marido já são pais de uma criança, porém, decidiram recorrer a um doador de esperma para que o segundo filho não nascesse com condição hereditária herdada pelo primeiro. O perfil do homem em questão foi encontrado nas redes sociais, em 2018.

A mulher decidiu que colocaria o bebê para a adoção ainda na gravidez
A mulher decidiu que colocaria o bebê para a adoção ainda na gravidez (Foto: Getty Images)

A mulher iniciou a gestação de junho de 2019 e, meses depois, descobriu a verdade e tomou a decisão de colocar o bebê para a adoção assim que ele nascesse. O recém-nascido foi encaminhado para a assistência social, e o casal ainda está pedindo uma indenização de R$ 15 milhões para o doador por dano moral e sofrimento emocional.

O advogado da família afirmou que a mulher está sofrendo de distúrbios do sono e está fisicamente afetada pela situação traumática. Principalmente porque, depois que pessoas próximas a elas descobriram que o bebê seria colocado para a adoção, ela passou a ser xingada e criticada.

A família agora afirma que a ação judicial é, para além das reparações nos danos físicos e morais da mentira, impedir que o doador minta para outras mulheres. O caso segue sendo investigado.