Mulher que deu à luz dentro de avião relata os detalhes do parto e história é de tirar o fôlego

Ela terá que ficar ainda mais 10 dias no Brasil para que a filha posso viajar de avião

Ela voltará para o Chile em 10 dias (Foto: reprodução / G1)

Na noite do último domingo, 8 de dezembro, Daniela Arancíbia, uma chilena de 30 anos que deu à luz uma menina dentro de um avião, falou pela primeira vez sobre o caso. A aeronave, que havia saído do Rio de Janeiro com destino ao Chile, precisou desviar o caminho e pousar em Porto Alegra após o parto.

Nomeada de Trinidad Hernández Aranciba, Daniela falou sobre a experiência em uma entrevista ao G1: “Nasceu Trinidad em cima, nos céus. E aí depois pousaram, esperaram os bombeiros, esperaram uma ambulância de Porto Alegre e me trouxeram ao hospital”, começou.

“[Foi o intervalo de uma] hora de quando começaram as contrações até eu ter minha filha. Subimos ao avião, todos bem, depois da janta senti um mal-estar. Fui ao banheiro, voltei, e fui de novo. Quando fui de novo, me senti muito mal, aí começaram as contrações muito fortes. Meu marido também se assustou”, explicou ao site.

Depois de procurar um comissário de bordo e dizer que estava se sentindo mal, lhe pediram os documentos médicos e ela os entregou. “Me disseram que não tinha como voltar para o Rio. Perguntamos aos passageiros se tinham médicos ou paramédicos, o que fosse, enfermeiros, para me ajudar durante a viagem, e nenhum respondeu porque nenhum era chileno, não entendíamos o que falavam. Até que meu marido perguntou a uma moça que conhecemos no Rio e a menina disse que tinha uma amiga que era enfermeira“.

Ela teve contrações antes de entrar no voo, mas haviam parado por cerca de uma hora (Foto: reprodução / G1)

Quando Daniela voltou do banheiro, notou que estava sangrando e as depois as contrações vieram ainda mais fortes, seguidas pelo rompimento da bolsa. “Eu disse ‘não vou aguentar’. Assim, decidiram pousar no aeroporto mais próximo, que era em Porto Alegre”.

Ela e a filha teriam alta na tarde da última quarta-feira, 11 de dezembro, mas ficará mais alguns dias antes de retornar para o Chile. “Não podemos voltar para Santiago ainda. Temos que esperar que Trinidad tenha 10 dias para viajar de avião“, explicou. Daniela estava grávida de 8 meses e estava de férias no Brasil. “Vamos fazer a nacionalidade brasileira e chilena. Vai ter dupla nacionalidade”.

O casal tem mais dois filhos: Augustina, de 11 anos e Diego, de quatro. “A experiência é um pouco rara, um pouco extrema”, contou a mãe. “Mas fizeram um bom trabalho, aqui no hospital também, me senti muito bem, confiante a todo momento”, concluiu.

Entenda o caso

Trinidad mudou se adiantou e mudou a rota de um voo internacional (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal G1)

O voo que ia do Rio de Janeiro para o Chile tinha tudo para ser mais uma viagem rotineira para o piloto e toda equipe de tripulantes, mas Trinidad resolveu mudar essa situação. A bebê se adiantou, e decidiu que queria nascer no céu. O avião precisou pousar de emergência em Porto Alegre.

Isso mesmo, os pais de Trinidad estavam aproveitando as férias no Rio de Janeiro e jamais esperavam que fossem passar por essa situação. A mãe da menina estava grávida de oito meses e acabou entrando em trabalho de parto dentro ao avião e os comissários de bordo começaram a se organizar para um parto.

Manuel Hernandez, pai de Trinidad, conversou com o G1 e explicou como tudo aconteceu: “Ela começou a se sentir mal, o intervalo das contrações começou a ser de 30 minutos, 25 minutos, aí foi passando, até que o intervalo era de três minutos”.

A equipe de tripulantes começou a buscar por médicos no voo e o piloto começou a se preparar para um pouso de emergência. Por sorte, uma enfermeira e dois paramédicos estavam a bordo. Manuel também conta que muitos passageiros estavam preocupados com aquela situação.

Trinidad nasceu ainda enquanto o avião estava voando e agora está bem (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal G1)

E ele mesmo confessa que estava sentido um misto de emoção: “Foi entre sentir uma alegria e uma preocupação. Muita emoção naquele momento. Quando nasceu, todos aplaudiram”. Depois do pouso forçado, a família foi encaminhada para um hospital de Porto Alegre e os demais passageiros seguiram para Santiago, capital do Chile.

O G1 também conversou com a enfermeira que cuidou de Trinidad já em solo. “Nasceu uma menina, com 3.250 kg e 48cm”.

Leia também:

Sky: a história da bebê que nasceu em um aeroporto

Aeroporto Internacional de Viracopos: mãe e bebê são libertados após serem feitos de reféns

Entenda porque não é recomendado viajar de avião no último trimestre da gestação