Pesquisa mostra que adultos ao redor do mundo mudam a voz ao falar com bebês

O estudo abrange mais de 21 culturas, comprovando a grande presença do ‘baby talk’

Resumo da Notícia

  • Um estudo mostrou que adultos no mundo todo alteram a voz ao falar com bebês
  • A pesquisa usou uma máquina com a intenção de analisar o tom e o volume das vozes, adivinhando se uma gravação era direcionada para os mais velhos ou para os mais novos
  • Diversos locais e culturas entraram no estudo

Todo mundo sabe como é incontrolável aquela vontade de falar com a voz mais fina quando um bebê está por perto. Por isso, acredite se quiser, mas o costume – este chamado de ‘baby talk’ – é totalmente popular ao redor do mundo! Um estudo que focou em seis continentes, postado na revista científica Nature Human Behavior, mostrou que os adultos afinam a voz de maneira automática ao tentar imitar os mais novos quando estão em comunicação com eles. Se identificou?

-Publicidade-
Os pesquisadores usaram uma máquina para analisar o tom e o volume das vozes (Foto: Getty Images)

Por um período de três anos, as pessoas responsáveis pela pesquisar coordenaram o recebimento de 1.615 gravações de diálogos de 21 culturas com diversos graus de conexão com o resto do mundo, indo das áreas mais rurais da África até os locais super urbanos dos Estados Unidos; quase todos os adultos alteram os seus padrões de fala se um bebê está por perto.

Essa é a primeira vez que a pesquisa sobre o assunto é realizada com uma diversidade tão grande de culturas. “Devido a essa grande colaboração internacional, pudemos testar essa questão rigorosamente em muitos locais diferentes ao redor do mundo, contou Samuel Mehr, o qual liderou o projeto como diretor e pesquisador associado de Harvard.

O estudo disse que o objetivo era descobrir partes ocultas de nossas mentes que moldam nosso comportamento e experiências cotidianas (Foto: Getty Images)

As consistências globais na fala dirigida ao bebê incluíram um tom mais alto e uma amplitude também aumentada. Mais características que acabaram aparecendo muitas vezes nas gravações foram vogais contrastantes, dando ênfase em específicas letras; quando os pesquisadores analisaram o canto, perceberam algumas mudanças consistentes no ritmo e no timbre.

Os responsáveis pela pesquisa utilizaram uma máquina com a intenção de analisar o tom e o volume das vozes, adivinhando se uma gravação era direcionada para um adulto ou para um bebê; o estudo teve como base análises anteriores que mostraram que canções de ninar e alterações de padrões de fala podem ter um efeito de ‘calmante’ nos mais novos (assim como em animais!). Vocalizar é uma característica relevante para sinalizar que há algo perigoso por perto ou para demonstrar afeto.

“Essas descobertas mostram que as características acústicas da fala e da música dirigidas ao bebê são fortemente estereotipadas nas 21 sociedades estudadas aqui” – Autores do estudo

Assista agora ao POD&tudo com Marcos Piangers e Ana Cardoso! Em um bate papo muito divertido, eles falam da estreia do filme “O Papai é Pop”, inspirado no best-seller de Piangers, interpretado por Lázaro Ramos e Paolla Oliveira, que estreia no próximo dia 11 de agosto.