Refluxo: o que é, quando acontece, sintomas e como tratar

O refluxo é muito comum em bebês de até seis meses, mas pessoas de qualquer idade podem ter. Ele é causado pela imaturidade da “válvula” cárdia, que amadurece com o desenvolvimento do bebê

Resumo da Notícia

  • O refluxo gastresofagiano é a volta dos alimentos do estômago para a boca através do esôfago
  • Ele é muito comum em bebês e tende a diminuir a partir dos seis meses de vida
  • Ele é causado pela imaturidade da "válvula" cárdia, localizada entre o esôfago e o estômago

O refluxo gastresofagiano é a volta dos alimentos do estômago para a boca (ou até mesmo para o nariz), através do esôfago. Popularmente chamado de regurgitação, ele é causado pela imaturidade de uma “válvula” chamada cárdia. Essa condição é muito comum em bebês, principalmente antes dos seis meses de idade.

-Publicidade-

Ele pode acontecer logo após a mamada ou algumas horas depois que o bebê foi amamentada. O refluxo acontece em cerca de 50% dos casos. Conforme o volume de leite que a criança ingere aumenta, é comum que o problema piore um pouco. Mas, após o quarto mês de vida, a regurgitação melhora.

É necessário ficar atento ao refluxo e buscar um especialista caso o bebê tenha quatro meses de vida e chore várias vezes ao dia, além de apresentar sinais de que está sentindo dor. Por trás do problema, pode existir um caso de esofagite ou outra condição, o que pede uma investigação médica para iniciar o tratamento correto.

O refluxo é uma condição muito comum em bebês (Foto: Shutterstock)

Sintomas de refluxo

Quem pode ter refluxo?

Apesar de ser mais comum em bebês, o refluxo pode acontecer com qualquer pessoa, em qualquer fase da vida. A “válvula” cárdia, que causa o problema, tende a amadurecer a partir dos seis meses de vida e impedir que haja regurgitação. Além disso, a inserção de alimentos mais consistentes durante a introdução alimentar também colabora para a melhora do quadro.

Tipos de refluxo

  • Oculto: acontece quando o alimento não volta para a boca ou nariz
  • Fisiológico: caracterizado pela ausência de sintomas, metade das crianças pode ter esse problema.
  • Patológico: está associado ao baixo ganho de peso, engasgos e esofagite. Nesse caso, o problema causa fortes dores

Refluxo fisiológico x refluxo patológico

O refluxo fisiológico é mais comum e geralmente não necessita de um tratamento, já que não traz riscos para a saúde da criança. No entanto, o refluxo patológico pede uma maior atenção dos pais e do pediatra, e requer cuidados médicos específicos. Seus principais sintomas são engasgos fortes e frequentes, seguidos de dor intensa e prolongada causada por esofagite. Atenção: ao contrário das dores de cólica, que melhoram a partir do segundo mês de vida do bebê, a dor no esôfago tende a piorar a partir desse momento.

Caso seu filho tenha refluxo patológico, o ideal é usar um colchão anti-refluxo e esperar uma média de vinte a trinta minutos após a amamentação para deitar o bebê. Sempre busque um especialista para realizar os exames e iniciar o tratamento correto. Nos quadros de Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE), a criança pode apresentar sintomas como:

Crianças com quadros de DRGE precisam de acompanhamento médico ao longo de toda a infância. Em alguns pacientes, o sintoma de refluxo podem amenizar ou desaparecer, mas outras pessoas podem começar a apresentar algumas alterações clínicas associadas ao problema.

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!

Existem três tipos de refluxo: o oculto, o fisiológico e o patológico

Tratamento para refluxo

O tratamento para o refluxo consiste no uso de medicamentos antiácidos (de acordo com a prescrição médica), posicionar corretamente o bebê para ser amamentado e colocar colchões anti-refluxo no berço. Além disso, é importante reforçar que o leite materno é o melhor alimento para combater o problema: ele é de fácil digestão e diminui as chances do conteúdo do estômago voltar pelo esôfago.

Refluxo é sinal de alergia ou intolerância alimentar?

Na maior parte dos casos, o refluxo é fisiológico e melhora ao longo dos primeiros seis meses de vida do bebê. Alguns pacientes podem apresentar quadros mais prolongados, que duram até o primeiro ano ou um pouco mais. Em uma pequena parte dos casos, o refluxo pode ser sinal de alergia a algum alimento, principalmente o leite de vaca. Nesses casos, ele costuma ser bem intenso e acompanhado de dor várias vezes ao dia, de intensidade variável, e por outras manifestações, como, por exemplo, fezes com sangue ou muco e dermatite atópica, entre outras.

A alimentação da mãe influencia o refluxo do bebê?

Não há relação entre o refluxo e os alimentos que a mãe consome. É importante que ela tenha uma dieta balanceada e rica em nutrientes, principalmente durante o período de amamentação, para garantir uma boa produção de leite. Veja quais são os alimentos que estimulam a produção de leite.

Fontes: dr. Jorge Huberman, pediatra e neonatologista e filho de David e Rachel e dr. Claudio Len, médico do departamento Materno-Infantil do Hospital Albert Einstein, nosso colunista e pai de Silvia, Beatriz e Fernando.