Bebês

Relato de mãe: “Minha vizinha me persegue e me obriga a amamentar a filha dela”

A mãe estressada pediu conselhos sobre o que fazer com uma vizinha que não aceita "não" como resposta.

Giovanna de Boer

Giovanna de Boer ,filha de Karen e Christiano

Mãe aparece ao fundo amamentando e na frente mamadeiras com leite (Foto: Getty Images)

Toda mãe que amamenta enfrenta os próprios desafios e, às vezes, isso envolve uma questão de oferta e demanda. Mas, em geral, essa “demanda” vem de um bebê. Mas para uma mãe que amamenta, uma outra mãe virou fonte de estresse. Uma mãe frustrada explicou na coluna de conselhos “Dear Prudence”, que está lutando para estabelecer limites com a vizinha que precisa de doações de leite materno.

A escritora  explicou: “Minha vizinha se sente no direito de ter meu leite materno. Eu moro no mesmo prédio de apartamentos que Tara há dois anos, mas nunca fomos mais do que conhecidas. Começamos a conversar mais, ainda que casualmente, quando nós duas engravidamos na mesma época”. Ela explicou que viu Tara alguns dias depois de dar à luz e perguntou como estava indo. Tara “explodiu em lágrimas e me disse que não achava que seria capaz de amamentar. Ela parecia tão desolada por não ter amamentado (com comentários como ‘meu bebê não tem sorte de ter uma mãe’) que me ofereci para dar ela alguns dos meus sacos armazenados de leite materno para pelo menos aliviar sua mente “, explicou a mãe.

Tara aceitou a oferta “extasiada”, e a escritora deu quatro sacos de leite naquele dia. Foi apenas uma questão de horas até o comportamento de Tara mudar para o agressivo. “Na manhã seguinte, eu tinha mais de uma dúzia de textos de Tara, querendo estabelecer um horário para eu deixar mais leite”, escreveu ela. “Os textos deixaram claro que ela esperava que eu lhe desse leite materno suficiente para alimentar a filha dela exclusivamente, e eu não tinha leite para amamentar duas crianças.”

Essa expectativa estava fora dos limites, nos quais a escritora não estava disposta a ultrapassar. “Eu tentei oferecer desculpas, mas ela não aceitava nenhuma”, ela compartilhou. “Se eu dissesse que não achava que poderia produzir leite suficiente para dois bebês, ela respondeu que mães de gêmeos fazem isso o tempo todo. Se eu dissesse que não queria gastar mais tempo bombeando ou amamentando, ela disse que eu poderia bombear um seio enquanto alimentava meu filho do outro. ”

A mãe frustrada ainda disse que Tara logo recorreu para as táticas de culpa, enviando “fotos de sua filha chorando com legendas como ‘Faye é tão triste porque a mamadeira tem fórmula nojenta! Ela sente falta do leite materno gostoso!’ A escritora lamentou: “Tara não vai parar de me mandar mensagens, e eu estou preocupada que se eu bloquear o seu número, ela vai começar a ir ao meu apartamento para me confrontar pessoalmente. e eu a minha família não temos o desejo de mudar, mas eu não posso viver com isso “. Ela esperava que o colunista de conselhos, Daniel Mallory Ortberg, pudesse oferecer algumas palavras de sabedoria.

Ele respondeu tranquilizando a mãe logo de cara que o comportamento da vizinha estava “absolutamente além dos limites”. Ele aconselhou: “Antes de bloquear o número, você precisa deixar claro para Tara o quão desagradável é o comportamento dela: ‘Essas mensagens são totalmente inapropriadas e precisam parar. Não vou falar com você sobre isso novamente'”.

Ele também recomendou que o locador “se ela começasse a aparecer à sua porta”, escrevendo: “Meu palpite é que o senhorio não quer que alguém assedie seus inquilinos por leite materno solto mais do que você. Você não precisa se mudar, mas você precisa fazer as pazes com a ideia de que Tara não vai ser feliz contanto que você consiga o que precisa (paz e sossego), não importa se Tara acha que você é a mais cruel, a mais insensível mãe no mundo. Ela é uma pessoa irracional com expectativas perturbadas “.

O aconselhador continuou a tranquilizar e instruiu a mãe a dizer que “qualquer um que ouça me desculpe, mas eu não posso lhe dar mais do meu leite materno “. Ele encorajou a mãe a dizer para Tara a “nunca mandar nela de novo” e depois bloquear o número. “Se ela tentar fazer você se sentir culpada quando a vir pessoalmente, não se sinta culpada”, Ortberg compartilhou. “O bebê dela está bem (pelo menos na fórmula); você não está machucando ela de maneira nenhuma. Diga à sua família e aos amigos que você está preocupada que Tara  comece a importuná-los. Se você a vir a caminho da sua porta da frente e ela tentar te acenar, não fale com ela. ”

Em última análise, ele disse que a mãe deve se lembrar de “parar de entrar em negociações com Tara, onde ela acha que vocês duas estão tendo uma troca de idéias fluente sobre pais. Vocês duas não são amigas sofrendo um desentendimento; vocês são vizinhas.  Na maior parte, os comentaristas do Slate estavam do lado da “doadora” de leite, mas também queriam oferecer a vizinha o recursos mais apropriados. Um incentivou a mãe “procurar pelos  programas de compartilhamento de leite materno que podem estar na área e compartilhar essa informação com a vizinha”.

Outro acreditava que era um comportamento completamente inadequado, escrevendo: “Por que há tantas pessoas que acham que não há problema em simplesmente EXIGIR as coisas dos outros?” Um terceiro apontou que “uma combinação de depressão pós-parto e frustração” poderia estar ligada ao comportamento de Tara pelo menos “parcialmente”.

Dito isto, a avaliação de Ortberg parece ser o ponto mais importante de todos. Nenhuma mãe deve se sentir pressionada a dar mais do que ela se sente confortável. Toda mãe deve se sentir capacitada a estabelecer limites que exijam que os outros respeitem seu bem-estar físico, mental e emocional.

Leia também:

Relato de mãe: “É mais fácil educar meu filho sozinha do que com um parceiro complicado”

Relato de mãe: “O coração de uma mãe foi feito para quebrar e curar várias vezes. Não desista”

Sim, cansa mesmo! Mãe faz relato sobre dificuldades do pós-parto