Relato de mãe: “Tentei desenterrar o meu filho por não aceitar que ele havia morrido”

Charlie era o primeiro filho do casal

A gravidez de Claire apresentou problemas na 26ª semana (Foto: reprodução / The Sun)

Claire Jones ficou arrasada quando perdeu o filho, Charlie, ainda no útero. O bebê, que nasceu natimorto, desenvolveu sepse no útero. Por estar sobrecarregada com tanto sofrimento, ela precisou ser impedida de desenterrar o menino, pois acreditava que poderia “trazê-lo a vida”.

-Publicidade-

“Eu odiava a ideia de Charlie ser enterrado do lado de fora e só queria levá-lo para casa, quente e seguro, com meus outros filhos”, desabafou ao The Sun. Nas semanas seguintes, Claire descobriu que estava grávida outra vez. Ela deu à luz menina, chamada Isabella, e acredita que esse foi um presente de Charlie.

“Ficar grávida realmente salvou minha vida. Isso me fez me recompor. É claro que Isabella nunca substituirá Charlie. Mas acredito que ela é um presente dele, enviado para nos fazer sorrir novamente”. Claire é casada com Barry, de 40 anos, desde 2015 e tem três meninos do relacionamento anterior.

-Publicidade-
Charlie ficou 4 dias com a família (Foto: reprodução / The Sun)

O bebê seria o primeiro filho do casal: “Foi uma surpresa, mas ficamos satisfeitos. Compramos todo tipo de equipamento e roupas de bebê. Eu tinha uma pilha de fraldas novas esperando no berçário. Decidimos chamá-lo de Charlie”. As complicações da gravidez começaram com 26 semanas, quando Claire começou a perder líquidos.

“Eu sabia que instintivamente o havia perdido. Eu podia apenas sentir isso. Eu estava com febre e me senti doente. E eu tinha um terrível senso de destruição. Senti como se meu mundo tivesse desmoronado”. Ela deu à luz Charlie no dia 9 de fevereiro de 2017. “Ele era rosa e parecia tão saudável. Eu tinha medo de vê-lo, mas no momento em que ele nasceu, eu queria abraçá-lo. Eu nunca quis deixá-lo ir”.

“Meus filhos, toda a nossa família e amigos o visitaram para se despedir. Charlie estava em uma cama fria. Meus filhos choraram quando perceberam que o irmão mais novo que eles estavam ansiosos para conhecer nunca voltaria para casa. Isso foi tão triste. Eu estava chorando muito. Mas eu não me importo comigo mesma. Eu só queria estar com meu filho”, desabafou.

Claire tem outros três filhos (Foto: reprodução / The Sun)

Durante o funeral, Claire contou que Reece, o irmão de seis anos de Charlie, havia escrito um poema para o bebê. Ela o considera uma criança muito corajosa por passar por um momento tão triste. “Eu tinha insistido em manter a cama no quarto dele. Eu simplesmente não estava pronto para derrubar; Eu não estava pronto para deixá-lo ir. Fiquei determinado a desenterrá-lo e levá-lo para casa para colocá-lo em sua cama”.

“Eu até preparei uma pá e estava prestes a ir ao cemitério. Barry teve que me convencer disso e me acalmar. Foi horrível para ele também, eu devo tê-lo assustado. Ele me convenceu a deixar Charlie descansando, em seu túmulo e me pediu para me concentrar nas crianças que já tínhamos”. Três meses após a morte de Charlie, Claire engravidou.

Isabella nasceu 4 dias após o aniversário de Charlie (Foto: reprodução / The Sun)

“Eu senti que esse bebê era um presente de Charlie; essa era a maneira dele de me ajudar a lidar. Agora, com um bebê a caminho, eu tinha que ser forte. A gravidez foi estressante, porque eu me preocupei muito com o bebê. Mas eu também podia sentir que Charlie estava olhando para mim e mantendo esse novo bebê seguro”, concluiu. Isabella nasceu no dia 13 de fevereiro de 2018, saudável, e quatro dias após o aniversário do menino.

Leia também:

Vocalista do “Biquíni Cavadão” fala sobre a morte do filho de 2 anos e faz desabafo

Lego lança brinquedos com tema de funeral para ajudar crianças a lidarem com a morte

Menino se despede de peixinho em funeral comovente

-Publicidade-