Como tornar leve a adaptação escolar? – Parte 2!

Hoje vou te contar o que faço para ser mais leve para as crianças

Meus filhos estão em fase de adaptação escolar. Estão se adaptando bem, na medida do possível. No texto da semana passada, dividi com vocês o que me ajuda a passar por isso de uma forma mais leve. Hoje vou te contar o que faço para ser mais leve para as crianças.

Naturalmente, se é mais leve para a mãe, é mais leve para as crianças. Por isso falei primeiro sobre a minha postura. As crianças, especialmente até os 2 anos, estão em conexão profunda, em estado de fusão emocional (como definiu a autora Laura Gutman). Assim, suas emoções estarão totalmente vinculadas à da mãe.

Pela ótica da criança, dois pontos são cruciais: a separação da mãe e a descoberta de um novo lugar, com a oportunidade de novos vínculos. Um contrapõe o outro e, portanto, devem estar equilibrados.

Ainda em casa, antes mesmo do primeiro dia ou durante a primeira semana antes de ir para a escola, uma boa conversa, clara e sincera, com a criança, independente da idade, explicando o que está acontecendo é fundamental. Possivelmente essa conversa age mais na mente e na emoção da mãe (ou do adulto responsável) e passa, através da fusão emocional, para a criança. Todavia, a criança já consegue entender, senão pelo olhar e gestos de sua mãe, suas palavras. Neste diálogo é importante dizer que vocês sentirão, sim, saudades um do outro. Um abraço apertado com palavras que também expressem seu amor pelo seu filho o deixará mais seguro quanto ao primeiro quesito (separação da mãe). Reforce que você virá buscá-lo ao fim daquele período e que, enquanto isso, ele fará coisas bastante divertidas e poderá te ensinar depois. É imprescindível continuar essa conversa trazendo o segundo quesito (a descoberta de um novo lugar, com a oportunidade de novos vínculos). Para tanto, diga que você está curiosa para descobrir a escola e vai adorar que ele te conte todas as coisas legais que têm por lá. Diga que você já conheceu a professora e gostou muito dela, que sabe que ele também vai adorá-la. Faz muita diferença para a criança ouvir que sua mãe confia neste novo adulto que ficará com ela. Mostre sua animação para conhecer novos amigos, descobrir seus nomes e suas brincadeiras preferidas. Finalize dizendo que você está muito feliz com esta nova oportunidade para ele.

Elisa, de 2 anos, e Filipe, 1 ano, filho da colunista Bianca Solléro em seu primeiro dia de aula (Foto: Equipe uP School)

Na escola, ao deixá-lo, você pode repetir a conversa mas capriche nos seus gestos. Sorrisos, olhos arregalados e brilhantes demonstrando que você está realmente empolgada com o que será descoberto. Este é mesmo um exercício fundamental para você, já que fará toda diferença para como a criança vai encarar este novo desafio. Apresente pessoalmente a professora dele. Diga o nome dela para ele complete com algo como “Ela é o adulto que ficará com você por aqui. Nós somos amigas e a mamãe confia muito nela. Tenho certeza que você vai adorar sua companhia”. Assim, você transfere a sua referência para a professora e, portanto, seu filho ficará melhor com ela.

Nos primeiros dias é interessante fazer essa “entrada” com mais calma e, até mesmo, aguardar na portaria caso a criança resista muito. Na uP school a adaptação é feita por períodos, o que funcionou muito bem para as crianças. No primeiro dia eles ficaram por uma hora e meia, no segundo dia, duas horas e meia e no terceiro, três horas. A partir do quarto dia eles conseguiram ficar as quatros horas inteiras conforme estão matriculados.

A despedida tem sempre um abraço apertado porém assertivo. “Tchau é para ser dito só uma vez” – sugeriu a coordenadora da uP School Maria Cristina Tofoli, que me foi muito útil. “Não precisa ter pressa. Converse, brinque um pouco, mas a hora do tchau é tchau” – completa. Percebi que para mim isso fez muito sentido. Transmitiu mais segurança às crianças e saio mais leve. Um dia choram quando eu saio, noutros não. O que importa é que são sempre acolhidos com respeito e carinho e sempre estão sorrindo quando eu os busco.

“Confio, entrego, aceito, agradeço”.

No meu perfil do Instagram (@biancasollero) você pode acompanhar os detalhes da adaptação dos meus filhos e outras dicas para educar com mais leveza e criatividade.

Leia também

Quando as crianças devem ir para a escola?

Entenda a importância de estar presente na vida do seu filho

Casamento não é família