Como fica a amamentação após a introdução alimentar?

É fundamental manter o aleitamento nesse período, já que o leite fornece nutrientes importantes para o bebê

A introdução alimentar é uma fase muito esperada pelos pais, porém quando ela chega, as dúvidas também surgem. Como fica a amamentação nesse período? Esclarecemos essa pergunta aqui.

A introdução alimentar é uma importante fase de desenvolvimento, mas durante a adaptação, o leite materno continua sendo importante
A introdução alimentar é uma importante fase de desenvolvimento, mas durante a adaptação, o leite materno continua sendo importante (Foto: Shutterstock)

A Organização Mundial de Saúde recomenda que a introdução alimentar tenha início a partir dos seis meses de idade, e até esse marco preconizase que a amamentação seja exclusiva e em livre demanda. Outros fatores como a sustentação da cabeça e pescoço, sentar sem ou com o mínimo apoio, e ter interesse na alimentação ao ver os familiares também são importantes para iniciar a alimentação.

A amamentação contribui indiretamente para uma boa aceitação dos alimentos, uma vez que os diferentes sabores ingeridos pela lactante trazem alterações ao leite materno. É comum acharmos que o bebê não gostou do alimento, ao vermos algo semelhante ao cuspir, mas esse é o reflexo de extrusão de língua, que consiste em colocar a língua para fora (o que acontece na amamentação).

A amamentação continua trazendo muitos benefícios para mãe e bebê após os seis meses, podemos ressaltar os imunológicos e nutricionais. Por isso, a introdução dos alimentos deve ser de forma lenta e gradual, com o objetivo de complementar a amamentação, e não substituir.

É um engano imaginar que ao começar com os diferentes grupos de alimentos, o leite materno não é mais necessário, pois ele se modifica para atender as necessidades do bebê a cada dia, além de garantir o pleno desenvolvimento.

A introdução alimentar deve ser vista como uma importante fase de transição, em que alguns bebês aceitam muito bem, outros nem tanto, e por isso a amamentação em livre demanda ainda está presente. Atenção às mamas que podem ficar mais cheias, ou até avermelhadas e endurecidas, pois os intervalos entre as mamadas podem aumentar. Mas também pode ser que isso não aconteça! Por isso a dica de sempre “olhe para seu bebê e não para o relógio” ainda é válida.