Carta preta: para todos e todas

Um abraço a todos que prezaram pela nossa história. Estamos juntos

**Texto por Nicácio Belfort, pai de Benjamim, historiador, Bacharel em Direito, professor, escritor, ativista social e criador de conteúdo sobre paternidade e antirracismo.

Um recado de amor e luta (Foto: Shutterstock)

Olá, tudo bem?

Espero que tudo esteja bem aí? Escrevo para contar para vocês no futuro como foi difícil e doloroso para mim, esses dias que passei trancafiado dentro desse navio, o cheiro é horrível, as dores e os castigos físicos constates, você pode até se perguntar como escreve bem esse preto?

O meu irmão no futuro que está a registrar essa carta, estudou muito, e é até escritor, que orgulho! Mas vamos lá, alguns de nossos irmãos e irmãs são lançados ao mar e os tubarões são companheiros nessa triste viagem. Agora me conta, como vai as coisas aí?

Já somos “livres”, mas infelizmente não podemos fazer muitas coisas sem sermos seguidos por gôndolas de grande redes de hipermercados e muitas vezes nos levam para “quartinhos” que me remetem a algumas partes do navio que você me contou.

Nas ruas algumas pessoas brancas que não gostam da gente, escondem as bolsas por algum pré-julgamento que fazem ao se deparem conosco, alguns dos nossos ainda são devorados por tubarões: crianças, jovens, adultos, e olha que somos a maioria da população nesse país, que tenho certeza que você não queria vir, da forma forçada e brutal que veio.

Alguns dizem que não existe uma coisa que eu e você sofremos: o racismo, outros dizem que é mimimi, mas só quem sofre na pele sabe o que estamos falando. Mas, quero te falar também que muitos irmãos hoje, são: médicos, artistas, professores, escritores (tem uma sensacional que venceu o prêmio Jabuti desse ano, sei que você pode não saber, mas é uma premiação super importante para literatura brasileira), youtubers, etc.

Quero lhe dizer que o Quilombo está vencendo e a casa grande está em ruínas, ao escrever sinto-me muito emocionado e tocado, e agradecido por toda a resistência, a persistência e a resiliência que você sofreu nesse navio terrível e até a sua chegada até aqui.

Foram muitas décadas e séculos, mesmo querendo calar a nossa voz, fazemos muito barulho, e nem todos os brancos são racistas, o amor da minha vida é um exemplo e me deu os meninos mais lindos do mundo, eles têm a cor de jambo e canela e cabelos cacheados como as ondas do mar agitado.

PS: Muita luta! Que essa carta preta possa ser lida e gere reflexão por onde passar. Evitem piadas, palavras e jargões que deprecie qualquer grupo étnico, respeito sempre. Seja antirracista antes de tudo.