Que tal um direcionamento astrológico para a família?

Nosso relacionamento com os pais irá refletir fortemente no nosso movimento na vida, definindo a forma que nos colocaremos no mundo, como vamos nos relacionar conosco e com nossos filhos também. Isso é o que Sol e Lua simbolizam

Você se sente pulando entre opostos nos seus comportamentos? Sem autoridade ou sendo impositivo demais, por exemplo? Quando nascemos, os signos, planetas e astros estão dispostos no céu numa determinada configuração formada pelas suas posições e pelas interações que fazem uns com os outros.

O Mapa Astral pode dizer muito sobre as relações familiares (Foto: Getty Images)

O que chamamos de Mapa Astral é a representação dessa disposição no céu, que forma um sistema e ele é único para cada indivíduo, mesmo para aqueles que nasceram no mesmo dia, hora e local. Esse sistema astrológico será uma representação também da interação com toda a nossa história familiar, ou seja, com nosso sistema familiar.

Expressado em arquétipos, como um idioma a ser interpretado, poderemos acessar nele informações incríveis para nosso desenvolvimento em nossa jornada. Dentre esses arquétipos no mapa astrológico, os chamados de luminares, Sol e Lua, são fundamentais na nossa relação com feminino e masculino, nas funções Mãe e Pai. Quer ver?

A Lua é a representação do arquétipo da Mãe, ou seja, a função Mãe em nós, o que nos liga à vida, à prosperidade, ao sucesso, aos prazeres. Aspectos desafiadores aqui podem, por exemplo, trazer dificuldades emocionais. Você sabia que até os 7 anos estamos na esfera da Lua, ou seja, estamos ligados na relação com nossa Mãe e absorvendo essa função? Por isso, o primeiro setênio simboliza nossas primeiras experiências emocionais, o ninho e é tão significativo como absorvemos a figura materna.

Agora o Sol, é a representação do arquétipo do Pai, ou seja, a função Pai em nós, o que nos liga ao mundo, ao propósito, às conquistas. Aspectos desafiadores aqui podem trazer dificuldades na forma com que iremos nos posicionar ou nos apropriar da nossa autoridade. Você sabia que dos 7 aos 14 anos estamos na esfera do Sol, ou seja, estamos ligados na relação com nosso Pai e absorvendo essa função? Por isso o segundo setênio simboliza nossas primeiras experiências com o mundo, o sentido de si e a autoridade do outro, e é tão significativo como absorvemos a figura paterna.

Na vida adulta, observamos na Astrologia que por um amor cego muitas vezes, trazido por desafios, saímos da nossa função na intenção de ajudar a quem amamos. Por exemplo: saímos do papel de filhos ou parceiros que somos, para nos tornarmos Pai ou Mãe dos nossos pais e parceiros. Essa desordem familiar nos impede de atingirmos o potencial que viemos desenvolver, e pode nos levar à sombra daquele signo ou função, trazendo muito mais conflitos do que soluções.

Nosso relacionamento com nossos pais irá refletir fortemente no nosso movimento na vida. A forma como nos relacionamos com eles irá definir a forma que nos colocaremos no mundo, como vamos nos relacionar conosco e com nossos filhos também. É o que Sol e Lua simbolizam. Quer ver um exemplo simples para notar se está fora de lugar? Na energia Solar em desordem podemos ficar muito tempo no desafio daquele signo. Dá uma olhada nessas palavras-chaves de potencial x desafio, e te convido a refletir: qual delas você está hoje?

Áries – Assertividade x Agressividade

Touro – Estabilidade x Estagnação

Gêmeos – Inteligência x Dispersão

Câncer – Apoio x Dramaticidade

Leão – Liderança x Egocentrismo

Virgem – Naturalidade x Crítica

Libra – Empatia x Submissão

Escorpião – Transformação x Apego

Sagitário – Sabedoria x Dogmatismo

Capricórnio – Autoridade x Rigidez

Aquário – Autenticidade x Exclusão

Peixes – Compaixão x Vitimização

Compreender a nós mesmos é o primeiro passo para compreendermos nossos pais e nossos filhos.