Colunistas

As emoções dos pais entram na escola

Sim, não é apenas a criança que vai à escola

As emoções são contagiosas (Foto: Getty Images)

Sim, não é apenas a criança que vai à escola. As emoções dos pais entram junto. Como assim?

As emoções são contagiosas, já reparou? Se estamos com pessoas alegres tendemos a nos alegrar. Mas basta um do grupo ter um acesso de choro, para que a nossa alegria se dissipe e tendemos a nos entristecer. Se dirigimos cantando em alegria o mundo parece feliz.

Mas basta alguém te fechar no trânsito e te xingar para a raiva subir à cabeça. Não é assim? Isto deve-se a elas, as emoções, que contaminam. Mas graças ao nosso pré-frontal, área cerebral onde se processa o muito de nós,  podemos gerí-la e escolher se queremos ou não nos manter nesta contaminação.

Podemos eleger que movimento iremos proporcionar a nós e ao meio, afinal, etimologicamente, é isto o que emoção quer dizer: movimento para fora. Mas se não é fácil para nós adultos, eu diria que é quase impossível à criança pequena tomar tal decisão. Pois seu cérebro, ainda em grande desenvolvimento, não tem condições estruturais e nem fisiológicas de bem gerir este contágio.

Será preciso muita experiência de aprendizagem e desenvolvimentos para conseguir tal feito. E então vou à porta da escola de educação infantil. Vejo pais ansiosos, alguns chorando, agarrando a criança sem deixá-la ir. Vejo também pais alegres, amorosos, entregando a criança com segurança e desejando-lhe um dia feliz.

O fato é que o que o pai ou a mãe sentem contagiará a criança. E por isso as suas emoções já serão também as dela. Sim, as emoções dos pais entram na escola. Sendo assim, fica a dica: cuide bem de suas emoções e tenha consciência do que contamina. Escolha o movimento que você quer a você e ao seu filho ou filha. Pois, a criança que entra feliz na escola tende a se sentir mais segura e mais aberta às tantas aprendizagens que estarão por vir. Feliz volta às aulas!

Leia também:

Por que assistir “Divertida Mente”

Dicas para ajudar na lição de casa

Não diga não! Por que?