Congelamento de óvulos: entenda tudo sobre o processo

Com os avanços da tecnologia, congelar óvulos virou um processo mais seguro e com uma taxa de sucesso maior. Mas é preciso ficar de olho na idade feminina, que altera as chances da mulher engravidar espontaneamente

(Foto: iStock)

O congelamento de óvulos, assunto do último vídeo da série sobre fertilidade feminina, está em alta e muitas pessoas vem falando sobre isso – principalmente porque as tecnologias para realizar esse tipo de procedimento avançou muito nos últimos anos, há pouco mais de uma década.

A nova técnica, chamada vitrificação, aumentou a taxa de sucesso de congelamento: ou seja, quando chega o momento de descongelar os óvulos, eles permanecem com a mesma qualidade que tinham quando foram coletados.

Na prática, o congelamento é como se fosse o início de um processo de fertilização: a mulher recebe hormônios que estimulam seus ovários a produzir muitos óvulos, que são captados e “guardados” congelados.

Entretanto, é preciso ficar atenta: conforme a mulher envelhece, é normal que fique mais difícil de engravidar naturalmente e as chances de ter alguns problemas ou dificuldades com a gestação são maiores.

No último vídeo da série sobre fertilidade feminina, dr. Igor Padovesi aborda o assunto congelamento de óvulos no novo vídeo de sua coluna Gravidez Sem Neura. Confira abaixo o conteúdo completo:

Leia também:

Paolla Oliveira comenta decisão de congelar óvulos aos 37 anos: “Tratei de me cuidar”

Estudo mostra (de uma vez por todas) qual é a idade ideal para ter um bebê

Endometriose: o que é, sintomas, diagnóstico e tratamento