Planejar a vida online do seu filho é o primeiro passo para uma experiência saudável no mundo digital

Saber o que queremos e onde queremos chegar facilita e melhora qualquer experiência, principalmente a digital

 

(Foto: Reprodução/Getty image)

Esse ano, aqui na coluna, nós focamos em construir uma trilha para melhorar a vida online nas nossas famílias: o planejamento de uso de tecnologias. Falamos sobre a importância de planejar o tempo, o repertório, sobre a importância da linguagem do mundo digital e como conviver no ciberespaço. E como último ponto deixei, de propósito, o primeiro passo do planejamento: a intencionalidade. Esse é o ponto de partida e, ao mesmo tempo, o ponto de chegada.

Uma pesquisa publicada anualmente pela We Social apontou que os brasileiros ficam mais de 9 horas diante de telas todos os dias. E muitas vezes ficamos ali perdendo tempo justamente porque não refletimos antes de entrar em ambientes online. Dentro do hábito de uso de telas, principalmente para crianças, é questão de sobrevivência entender qual a intenção em estar naquele “espaço”. Assim como fazemos quando vamos ao shopping ou andamos na rua. Ficar simplesmente perambulando sem rumo cria oportunidades de aprendizado e desenvolvimento. E nenhuma mãe ou pai quer que os filhos se percam nessa fase tão crucial da vida.

Mas se investirmos um tempinho planejando intencionalmente uma rotina de uso de tecnologias, eu garanto que a experiência dentro da vida virtual será muito melhor. Saberemos para onde ir. E as nossas crianças também saberão, aumentando o nível de confiança e parceria entre todos. Assim fizemos aqui em casa. Tracei uma meta de menos tempo de televisão, a “mãe de todas as telas”. Depois de semanas oferecendo para as meninas alternativas na rotina, baixamos pra mais da metade do tempo.

Leitura, brincadeiras livres, um tempo de soneca nas tardes e colaboração nas atividades da casa e atividades dirigidas ganharam mais espaço, respeitando a fase de vida delas. As meninas planejaram junto e registrei esse dia no meu perfil do Instagram para lembrar que sim, é possível! Mas as telas não foram abandonadas completamente. Adequamos o tempo do tablet também e criamos um repertório para ser acessado. Agora elas usam por pouco
tempo e já se sentem satisfeitas.

Uma conquista que encheu meu coração de alegria. Um processo conjunto em que elas criaram autonomia, se conscientizaram da importância das tecnologias enquanto priorizaram as experiências offline e se tornaram mais tranquilas e felizes. Essa era a intenção. Traçamos um objetivo e ele foi alcançado em família. Crescemos todos e agora estamos prontos para mais desafios. Sempre juntos!

Leia também:

Papai Noel que se comunica em Libras e ajudante do Noel com síndrome de Down fazem sucesso com crianças

Deixa com eles! Pesquisa mostra que avós preferem viajar com os netos

Não basta dizer “não” para as crianças, é importante explicar os motivos na hora da bronca