Precisar X querer: ensine a diferença para o seu filho

Esses verbos não são sinônimos e é preciso deixar isso claro para as crianças. O exemplo parte de você

Outro dia caí em minha própria armadilha. Atrasada para ficar pronta, sem saber o que vestir, tirando tudo do armário, no desespero falei: “Estou precisando de um vestido novo!”. Antonio, meu marido e cúmplice na educação financeira dos nossos filhos, parou do meu lado e me perguntou: “Hahahah precisando?”. Na hora me dei conta da besteira que falei.

Seja o exemplo nesse caso (Foto: Getty Images)

Explico, era meio que uma piada nossa, sempre que um dos nossos filhos dizia “estou precisando” a gente perguntava: “Precisando?”. Quantas vezes repetimos sobre a diferença enorme que existe entre precisar e querer. E, como geralmente eles, exatamente como eu naquele momento, não precisavam do que haviam dito, apenas queriam.

É muito importante esclarecer para os filhos o significado de “precisar” e de “querer”. Eles realmente não são sinônimos e cabe aos pais mostrar isso a eles. Vamos lá. Explique ao seu filho o que ele realmente precisa. Tem aqueles básicos para todo mundo. Precisa de comida para trazer energia para o nosso corpo funcionar. Precisa de ar para respirar. Água para matar a sede. E de um lugar para morar. Tem gente que precisa de óculos para ler. Seus filhos vão precisar de roupas para se cobrir — mas não precisam do vigésimo vestido, é claro. E assim por diante.

E o que ele quer? Bom se ele for como o Tiago, meu caçula, vai querer muita coisa. Até hoje, já adulto, em novembro ele tem uma lista com os presentes que gostaria de ganhar de Natal das avós, madrinha, tios… De quem topar presenteá-lo. O Tiago é um ‘queredor’ profissional.

Mostre para seu filho que brinquedos, balas, mais um tênis são coisas que ele quer, mas, provavelmente não precisa. Eles podem trazer mais alegria para a vida, como um joguinho; podem facilitar a comunicação, como um celular; e até embelezar, como uma roupa, mas que eles não são essenciais para a sobrevivência, ah isso não são.

É preciso saber pesar a balança (Foto: Getty Images)

Parece um detalhe, mas é um ótimo exercício para colocar as coisas e os desejos dentro das suas verdadeiras proporções. Em algumas situações vai até surgir a dúvida se uma coisa é indispensável ou só desejo. Por exemplo, um carro é um desejo? Se for essencial para ir para a escola, o trabalho, ele é uma necessidade. Já o último modelo recém-lançado não, esse é um desejo. O lanche da escola é uma necessidade, porém o refrigerante com hambúrguer é desejo – e gulodice (rs).

É essa a ideia: antes de formular a frase se pergunte qual das duas sensações é a daquele caso e use o verbo adequado. Porque desejos todos vamos continuar tendo, e serão gostosos de ser alcançados em alguns casos. Mas a consciência de que não são necessidades pode servir para refrear alguns — ou pelo menos ficar com vergonha de dizer em voz alta.