A importância da brincadeira para o desenvolvimento de crianças autistas

Por meio das atividades, o seu filho entra em contato com você e também se diverte

Um dos principais mitos relacionados ao autismo diz respeito ao brincar desses pequenos. É comum que muitas pessoas ainda associem o Transtorno do Espectro Autista a uma criança que fica totalmente isolada, sem nenhuma interação com outras pessoas ou objetos, apenas fazendo movimentos repetitivos com o corpo.

As brincadeiras estimulam diferentes habilidades nas crianças
As brincadeiras estimulam diferentes habilidades nas crianças (Foto: Shutterstock)

O TEA é um espectro amplo e diverso, com múltiplas características e possibilidades, que não restringem a pessoa de se conectar com o outro. Pelo contrário, o que mais queremos é encontrar maneiras prazerosas e saudáveis de encorajar que ela se interesse pelo compartilhar. E, quando ainda são novinhos, não há nada melhor do que aproveitar jogos e atividades lúdicas para esses estímulos sociais e comportamentais.

As brincadeiras são uma excelente forma de acessar e ativar novas áreas do cérebro que a criança ainda não está habituada a trabalhar. Essa prática é importante para pequenos de qualquer idade e independentemente do desenvolvimento típico ou atípico! Todos se beneficiam pelos estímulos que essas atividades proporcionam.

Um fator que pode ser bastante trabalhado é a relação social. Os pequenos passam a compreender que a sua presença é motivo de diversão e começam a achar muito legal quando você chega. Aos poucos todas as relações sociais vão sendo facilitadas por esse trabalho diário de mostrar como é gostoso dividir coisas e momentos.

Sugestão: Faça atividades sensório motoras e que sejam compartilhadas. Procure por atividades que a criança precisa de você e não vai conseguir fazer sozinha. Isso é ótimo para voltar a se conectar com o outro e desligar dos eletrônicos!

  • Cócegas: associar com um contato da criança. Você começa, faz pausa, espera um contato visual ou som dela e volta a fazer novamente.
  • Balão e bexiga: precisa que você encha para ela! Espere ela te olhar e solte ou entregue. Também pode brincar de pedir pra ela buscar o balão vazio ou jogar balão cheio pra você.
  • Bolha de sabão: simples e barata, porém preciosa! Solte um pouco de bolhas, espere ela olhar ou sorrir e solte mais. Você também pode brincar agachado na altura da criança, assoprar devagar e mostrar os movimentos. Também irá incentivar a imitação oral.
  • Serra Serra Serrador: consegue ficar com rosto próximo da criança e favorece que ela mantenha o contato visual. Novamente, faça pausas incitatórias, continue e volte. Associe o olhar pra você com a sensação agradável.

Essas são apenas algumas ideias para trabalhar com os seus pequenos! Você também pode usar outros brinquedos de formas diferentes, aproveitar os interesses que a criança tem para ir, aos poucos, se incluindo no que ela gosta de fazer.

O mais importante é ter criatividade e jogo de cintura para compreender quais são as atividades preferidas dela. Os pequenos com TEA podem ter mais dificuldade de interagir, mas com paciência e muito respeito ao espaço deles, as brincadeiras farão toda a diferença no desenvolvimento! Ah, e não esqueça, o mais importante de tudo é: divirtam-se e aproveitem esse momento juntos. Será valioso para o resto da vida.