Síndrome de Asperger ou Autismo Leve: saiba mais sobre o assunto

Esta condição possui alguns tipos de diagnóstico

Recentemente o empresário Elon Musk, fundador da Tesla Motors e da SpaceX, declarou publicamente ter Síndrome de Asperger. O mesmo transtorno que outra famosa, a ativista ambiental, Greta Thunberg, também possui. Mas, qual é a relação dessa síndrome com o autismo? Asperger é um tipo de autismo manifestado de forma leve, ou seja, com poucos prejuízos no desenvolvimento.

Entenda alguns sinais da Síndrome de Asperger (Foto: Shutterstock)

Até 2013, o principal manual de diagnóstico e estatística dos Transtornos Mentais, o DSM, trazia esse diagnóstico separado do autismo clássico. Depois, a partir da sua 5ª edição, uniu os dois como TEA – Transtorno do Espectro Autista.  Algumas diferenças e semelhanças entre os dois tipos de diagnóstico são:

Deficiência intelectual associada

Essa característica, que pode estar presente em outros níveis de autismo, não costuma aparecer nos Aspergers. Deficiência Intelectual é caracterizada por dificuldade em aprender, o que causa limitações nas funções cognitivas gerais. Costuma aparecer inicialmente com sintomas de “atrasos”.

Atrasos da fala

Uma das maiores dificuldades dos pequenos no espectro é a habilidade da fala. Então, uma das principais diferenças entre autismo médio ou severo para os casos leves é, justamente, a fala preservada. As crianças consideradas Aspergers possuem prejuízos menos significativos na comunicação social. Podem se dar com dificuldade de entender “entrelinhas”, duplo sentido ou sinais sutis da expressão não verbal, como sentimento das outras pessoas, quando não ditos claramente.

Tendem a ser bastante concretos e levar tudo “ao pé da letra”. Quando alguém diz a essa pessoa, por exemplo, “depois te ligo para combinar”, ela ficará esperando ao lado do telefone. Se você disser a essa pessoa que ontem à noite você ‘capotou’ de cansaço, ela pode entender que você está falando de um acidente de carro, e não de ter dormido pesadamente. Esse exemplo é real que ouvi num bate papo com uma querida que está no espectro.

Interesses restritos

Pessoas com esse diagnóstico podem ter interesses bastante específicos e parecerem desinteressadas em outros assuntos. Elas podem até ter facilidade com as interações sociais, mas, por não demonstrarem interesse pelo assunto do outro, parecerem deselegantes. Isso não acontece por insensibilidade, apenas porque sabem tanto sobre um tema e adoraram tanto falar sobre ele, que nem percebem que as outras pessoas não estão envolvidas da mesma maneira. Esse fator, muitas vezes, pode fazer com que crianças na idade escolar sejam isoladas ou sofram bullying. O convívio social é o maior desafio das pessoas com Autismo leve, ou Aspergers.

Flexibilidade mental

As pessoas com autismo de qualquer nível de suporte podem ter dificuldade e se desorganizar com  mudanças de rotina ou de planejamento. Em função disso, uma rotina bem planejada para esses pequenos ajuda muito na diminuição da ansiedade, ou até de crises. Quando o grau de autismo é leve, precisam de pouco apoio e mediação para realizar as atividades esperadas nos ambientes sociais, escolares e familiares. Mesmo assim, se beneficiam muito e ganham mais facilidade de adaptação às situações quando recebem acompanhamento médico e de outros profissionais da saúde.

Independente se é autismo leve, moderado ou severo, essas pessoas buscam ajuda por outros transtornos, como depressão ou ansiedade. Isso acontece justamente porque as dificuldades sociais fazem com que não consigam se encaixar no que é esperado deles nos grupos sociais. Por isso, começar as intervenções cedo para evitar atrasos no desenvolvimento e, também, trabalhar a confiança desses pequenos, de serem quem eles quiserem independente de amarras sociais, é o segredo! Com o apoio da família, da escola e de profissionais capacitados, essa criança terá mais facilidades na vida social, além de mais autonomia e independência ao longo do seu crescimento.