Feliz ano novo, com convicção!

Depois de todas as surpresas e desafios de 2020, é hora de refletir sobre o que passou e pensar no que virá

Tenho uma amiga que me disse que queimou e jogou fora todas as roupas que a família dela inteira usou para passar o réveillon de 19/20. Não queria correr o risco de repetir nada nem a pau! Piada, claro, meio que querendo aliviar um pouco a barra deste ano tão puxado. Puxado? Para dizer o mínimo, né. Ano difícil, louco, surpreendente, que exigiu MUITO da gente. Aliás, está exigindo.

É preciso seguir sonhando (Foto: reprodução)

Ano da pandemia. Não é preciso me estender, explicando. Todo mundo sabe o que foi. Você me conhece: não sou, por definição, baixo astral ou melancólica. Procuro tirar aprendizado das coisas que me acontecem porque acho seeempre que tem um lado bom em absolutamente tudo. Mas, vamos combinar que este ano foi mesmo para os fortes, caramba…

Agora, se teve uma coisa que foi dureza-durezíssima-durezérrima neste ano maluco foi essa história das crianças ficarem sem escola. Geeeente…. S o c o r r o! Vivemos na pele e foi punk, ninguém vai discutir. Mas é aí que vem minha reflexão. Dentro do caos surgiram histórias bonitas que foram sendo contadas dentro das imensas e surpreendentes situações inesperadas, que foram surgindo e surgindo.

Pais&Filhos foi veículo para muuuitas delas e isso é maravilhoso, porque pudemos – pela troca de experiências – aprender, pensar diferente e mais uma vez provar como é absolutamente verdadeiro o nosso lema. Me refiro a “junto é possível formar famílias mais felizes”. A palavra chave do ano foi essa: junto.

Foi no coração da nossa familinha nuclear, sem apoio de escola presencial, de avós, de nada, que tivemos que criar um novo cotidiano e fazer os dias minimamente gostosos e viáveis. Inesquecível, maravilhoso mesmo, é dentro de tudo isso de repente nos pegarmos dando risada e brincando, apesar das dúvidas, das máscaras e das toneladas de álcool gel.

Não sei se gosto dessa expressão “novo normal”. Não sei exatamente o que é isso. Mas adoro ver como a gente vai se adaptando e vamos criando saídas. Se há um ano alguém me falasse que eu ia estar dependente destes novos podcasts, por exemplo, eu não ia acreditar. Isso para citar só uma coisinha: os Seminários online da Pais&Filhos este ano são outra prova do que estou falando.

Seguir em frente é necessário (Foto: Shutterstock)

Fico comovida de ver como o talento vai superando as barreiras e atendendo às nossas necessidades e fico mais comovida ainda de ver como a boa informação e arte nos salvam sempre. Mas, o que me comove no grau máximo é ver o trabalho dos professores este ano. No mundo todo! Estes caras, como os médicos, foram verdadeiros heróis. Minha homenagem a todos eles aqui representados pela Roberta e Tais Bento, essas duas queridas da gente, a quem dedico esta coluna.

Elas simplesmente arrasaram com o conteúdo que fizeram (e fazem) e que tenho certeza, ajudou muita gente nessa quarentena. O SOS Educação nunca foi tão certeiro, preciso, fundamental. Parabéns, meninas, e obrigada pela inspiração. Para mim, vocês representaram toda a luta de todos os professores, pais e alunos que tentaram segurar a onda e olhar para frente, mesmo apanhando pra caramba, mas com força e fé no coração. O Carlos Drummond tem um verso que eu amo: “Chega um tempo em que a vida é uma ordem”. É isso. Viver, e não apenas sobreviver. Juntos.