Colunistas

Cada filho é um filho. E cada mãe também

Demorou uns dois dias para as coisas entrarem no eixo? Sim

two-little-sisters-run-picture-id639981092

(Foto: iStock)

Tenho prestado muita atenção na forma como os pais criam seus filhos. Não apenas porque esse campo comportamental me interessa muito. Mas, com tanta mudança na minha vida nos últimos meses, eu observo, sim! Não para julgar ou questionar, apenas para aprender e tentar pegar para mim o que pode ser importante no nosso modo de criar os meninos.

No último feriado, a gente viajou para um hotel bem legal e familiar. E nem preciso dizer que foi um laboratório em tempo real. Tinha família que almoçava no horário certinho, a do “almojanta”, tinham os pais que colocavam o eletrônico para dar de comer à criança, tinha quem deixasse ela curtir a monitoria, os sorvetes e tudo bem, era feriado. Tem de tudo, cada um no seu jeito.

E tá valendo, afinal cada família é única. O melhor jeito é o jeito que você faz.

Pode melhorar? Talvez, se você achar que isso realmente vale a pena para a vida de vocês –e não para se adequar a padrões ou moda. Eu sou aquela chata com o horáriodas refeições, porque sei que meus filhos ficam birrentos quando sentem fome (quem nunca?). Mas nos dias de feriado eu relaxei. Tomaram picolé antes do almoço, trocaram as frutas por uma porção de fritas e brincaram na hora da soneca. E acho que eles nunca foram tão donos do próprio tempo.

A carinha de felicidade define!

Demorou uns dois dias para as coisas entrarem no eixo? Sim. Deu uma bagunçada na agenda? Sim. Mas o que valeu foi deixar livre. E saber que a gente tem um princípio de criação e educação nosso –e isso é importante- mas que nada está escrito na pedra.

E toda mudança é bem-vinda, vai!

No fim desse mês a Pais&Filhos fará um seminário e o tema é justamente esse: cada um do seu jeito. Cada filho é único, cada pai é um pai, cada mãe é uma mãe. Não tem mágica nem fórmula. Não tem receita nem passo a passo.

Uma certa vez, lá nos meus primórdios como mãe, uma amiga me disse: Não se culpe. Você é a melhor mãe que o seu filho pode ter. E você é única.

É isso. Como fiz a minha mãe: cada um com seu cada qual. E viva a diversidade!

PS: se inscreve no seminário pelo link: http://seminariopaisefilhos.uol.com.br para podermos conversar mais e refletirmos sobre este tema! Eu estarei lá!

Nanna Pretto é mãe de Gabriel e Rafael, embaixadora da Pais&Filhos e editora do blog Dica de Mãe.

Leia também:

“Vivemos na ponte aérea, mas não existe distância quando existe amor”, afirma Cintia

Sheron Menezzes abre álbum de fotografia do parto de Benjamin

Gustavo Lima posta foto com o filho e ilumina o nosso instagram

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não