Um novo mundo nos espera

Terceira gestação e é uma menina! A sétima neta de uma avó de meninos, tudo é novidade e isso é demais

Falei na semana passada que as emoções aqui não foram poucas, não é? Gravidez aos 40, em meio a pandemia, dois meninos emocionados com a chegada de mais uma criança, uma família meio em choque, meio eufórica e o mundo se questionando: com tudo isso acontecendo, como vocês terão um filho? Olha, como teremos, eu não sei. Mas sei que será uma FILHA!

Novamente mãe, mas agora de menina (Foto: Getty Images)

Sim, sempre falo que mar calmo nunca fez bom marinheiro E meu negócio é confusão! Então bora colocar emoção e cor nessa vida, pois depois de dois meninos eu estou grávida de uma menina! Gente, quem diria? Uma pituca, uma Nanninha Prettinha Pires para ser meu chaveirinho! Logo eu, que sempre falei que não tenho paciência para dramas de adolescentes, para TPM, que menino é isso, menina é aquilo. Que sempre tive irmãs, então queria um monte de filhos meninos. A mãe e a sua consciente ignorância de cuspir pra cima. Olha aí. Vem, Luísa!

Foi uma euforia. Eu estava completamente perdida, sem palpite sobre o sexo. Queria menino por já ter as manha dos paranauê com dois em casa. Mas queria viver o mundo de vestidinhos, sapatinhos e lacinhos de fita (é, socorro!, que mundo é esse?!). Minha sogra tem seis netos, o sonho da vida dessa mulher era uma netinha para ela pintar e bordar, literalmente. Jarbas sempre quis uma menina também, vira e mexe falava (acho que tem aquela coisa do grude da menina ser mais com o pai, né?).

Eu, cada dia acordava com um sentimento. Sentei no garfo e na colher para ver o sexo que dava, olhei todas as simpatias do Instagram, fiz os cálculos de mês, dia, números e tais, mas meu palpite mudava de acordo com o vento.

Obviamente, fiz um exame de sexagem fetal (obrigada, medicina!) e com dez semana soubemos que eu não serei mais a única rainha da casa (piada interna, claro!). Depois do marido, dois filhos e um gato, agora uma menininha viria dividir o poder comigo. #GRLPWR!

De lá para cá a vida é outra. Estou enlouquecida nos pantones tom pastel, olhando como mesclar um quarto de menino com menina, já tenho uma coleção de sapatinhos e lacinhos e me tranco no banheiro em busca de poá, estampas chevron, referências moderninhas e fofinhas desse universo que, como muito bem define, é o mundo de Nárnia das mães de meninas. A gente entra e nunca mais sai.

A real é que a gente é abduzida pelo novo, pelo desconhecido e pelo diferente do que vivemos há tanto tempo. Para quem já se achava escolada no MBA maternidade (oi, clichê materno!), agora tem um novo pela frente. Um cenário em branco, sem referências, sem experiências, sem prática. Mãe de menina. Já tô com ela há tanto tempo aqui e ainda me custa a acreditar. 2020, seu danado!