Colunistas

A leveza da maternidade

Desafiador é se sentir verdadeiramente livre para fazer as escolhas que seu coração manda

Rafa Donini com a filha Donatella (Foto: arquivo pessoal)

Ser mãe, muitas vezes, é ouvir mais do que a gente gostaria. Todo mundo tem um conselho ou uma recomendação para oferecer mesmo que você não peça, é ou não é? Às vezes é chato, noutras chega a ser engraçado. Mas isso vai depender do estado de espírito de cada mulher (que pode mudar bastante quando a gente está grávida).

Acho que a gente deveria reforçar sempre o que chamo de lado solar da maternidade: aquele que se apoia mais na intuição e nas descobertas do que nos manuais e nos conselhos.

É um caminho cheio de dúvidas, novidades e mistérios – mas não precisa ser tenso.

Recentemente, recebi uma avalanche de conselhos sobre ter ou não o segundo filho. Terei tempo? O momento é ideal? E o trabalho? Já é tarde demais? Enquanto filtrava as opiniões para tomar uma decisão só minha e da minha família, descobri que já estava grávida. Donatella vai ter um irmãozinho, o Vicente.

A vida é mais criativa do que nós.

E me encheu de felicidade – e de leveza.

Muitas vezes, todo o planejamento e todos os conselhos caem por terra e você se vê diante de você mesma. Esse momento é fortalecedor, porque a gente se dá conta que a maternidade é, fundamentalmente, experimentar o inesperado e tomar decisões com o coração batendo forte.

Eu sei que a gente está a todo momento diante de uma enxurrada de informações sobre maternidade, coisas que devemos fazer, comprar, organizar, ajustar, priorizar. Parte disso é essencial, mas não é tudo nem nos torna obrigadas a cumprir roteiros.

Desafiador é se sentir verdadeiramente livre para fazer as escolhas que seu coração manda. Mesmo errando, porque vamos, sim, errar muito.

Manter a leveza da maternidade é ouvir mais o que vem de dentro e filtrar melhor o que está lá fora. É colocar o amor em primeiro plano.

Como diz a canção: tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo.

Um beijo e até a próxima,

Rafa Donini

Leia também:

A “matemática” da maternidade

O momento de ser mãe: quem tem a resposta somos nós

Lisboa com bebês