Colunistas

Check-up da fertilidade: passo a passo para planejar a gravidez

Os exames são recomendados logo na sua primeira consulta

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Como expliquei no primeiro capítulo, as causas de infertilidade são bem distribuídas entre o casal, sendo que em 30% dos casos o fator é masculino, 30% é feminino. Nos outros 30% os problemas ocorrem tanto no homem quanto na mulher, e 10% são desconhecidos.

O casal que sonha em ter filhos precisa fazer uma série de exames específicos para ter certeza de que a saúde está adequada para a gravidez e que nenhuma doença poderá interferir nesse processo.

Para se precaver de fatores que podem influenciar no andamento da gestação, o chamado check-up da fertilidade é recomendado logo na primeira consulta da mulher. São solicitados exames básicos, como de sangue (sorologias, glicemia, tipagem sanguínea, exames hormonais e vitaminas), Papanicolau e exames de imagem.

No planejamento da gestação, a casal deve abandonar vícios como tabagismo e diminuir o consumo de bebidas alcoólicas, iniciar a prática de atividades físicas, receber algumas vacinas e ter uma alimentação saudável e equilibrada. Deve-se evitar o consumo excessivo de cafeína, açúcar, refrigerantes e termogênicos, pois podem dificultar a gestação e aumentar o risco de aborto.

A fertilidade não está ligada somente a fatores que podem ser indicados em exames clínicos e laboratoriais. A idade da mulher e do homem é o principal fator a ser avaliado. A fertilidade cai drasticamente após os 35 anos, na mulher, conforme contei no capítulo anterior. E os homens acima de 50 anos têm mais chances de infertilidade.

Para os homens, essa complicação pode aparecer principalmente após os 50 anos por conta do alto nível de espermatozoide alterado, fragmentação do DNA, alteração química dos gametas masculinos e perda da qualidade e a motilidade dos espermatozoides. No caso das mulheres, o envelhecimento aumenta os riscos de abortos e malformações, já que os óvulos podem acumular efeitos oxidativos do ambiente, como poluição, radiação, medicamentos e outros.

Para prever essas condições, o exame de dosagem sérica do hormônio Anti-Mulleriano (HAM) deve fazer parte do check-up da fertilidade. Ele serve para identificar se a quantidade de óvulos ainda no estoque é compatível com a idade e um excelente parâmetro para planejar se é possível adiar a gravidez ou antecipar os planos.

A investigação do perfil genético e imunológico do casal também é um fator a se considerar, já que problemas imunológicos detectados por exames clínicos e com tratamento simples ainda são responsáveis por cerca de 20% dos casos de abortos espontâneos.

Vale lembrar que como a fertilidade entra em declínio progressivo ao passar dos anos, é importante que as mulheres que desejam ter filhos em algum momento, mantenham os exames em dia e fiquem atentas às suas reservas ovarianas.

Cuidados prévios para planejar a gravidez

Antes da realização dos exames e investigações específicas, a mulher pode tomar alguns cuidados (com acompanhamento médico) e começar a mudar hábitos adquiridos antes de desejar engravidar:

1) Sem vícios: qualquer coisa em excesso faz mal, mas principalmente o álcool e cigarro são extremamente prejudiciais para a sua saúde e do seu futuro filho.

2) Suplementos: a mulher deve fazer suplementação de diversas vitaminas do complexo, como ácido fólico – uma importante vitamina que ajuda a diminuir as chances de má formação fetal e problemas no tubo neural do bebê. A suplementação de vitamina D nas mulheres com deficiência também podem ajudar a engravidar e diminuir os riscos da gestação.

3) Período Fértil: a mulher deve monitorar seu ciclo menstrual para saber o momento mais adequado para engravidar.

4) Controle o peso: é normal que a mulher ganhe peso durante a gestação, mas em excesso pode prejudicar a sua saúde e trazer complicações para o parto. O ideal é engravidar com o peso adequado.

Leia também:

Tempo é óvulo 

E quando a gestação não vem?

Fertilização deve ser paga pelo plano de saúde

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não