Colunistas

Como engravidar após aborto de repetição

Depois de identificar a causa, o médico especialista determina o tratamento ideal para engravidar

Depois de identificar a causa, o médico especialista determina o tratamento ideal para engravidar (Foto: Reprodução)

A perda gestacional acontece quando a gravidez é interrompida durante as primeiras 20 semanas de gestação, sendo que o risco pode se estender até a 22ª semana, e geralmente acontece em 15% dos casos. No entanto, quando o aborto ocorre várias vezes, caracterizando um aborto de repetição, a principal dúvida do casal é sobre a possibilidade de engravidar. Investigar as circunstâncias é fundamental.

Após os episódios consecutivos de perda de bebê, é preciso analisar as causas que levaram aos abortos. Podem ser elas:

–  Alterações genéticas no embrião: acontecem quando o embrião apresenta alguma malformação durante o desenvolvimento. Esta causa corresponde a 70% dos casos de aborto de repetição.

– Idade avançada da mãe: os abortos de repetição ocorrem em mulheres de qualquer idade, mas a probabilidade aumenta após os 40 anos – pode chegar a 40%.

– Estilo de vida: tabagismo, obesidade e o consumo excessivo de álcool e de cafeína são alguns hábitos que podem ocasionar aborto de repetição.

– Rejeição do organismo materno: sendo o embrião uma espécie de órgão novo no corpo feminino, o organismo pode rejeitá-lo através do sistema imunológico. As células responsáveis por desencadear a perda gestacional são chamadas de natural killer (NK). Essas células são importantes para o processo de implantação do embrião, mas quando estão em excesso, podem atacar o embrião e expulsá-lo.

– Alterações uterinas: o útero que apresenta processos inflamatórios,como endometrites e  miomas ou pólipos, que impedem a fixação do embrião na cavidade uterina.

– Causas hematológicas: é a trombofilia, que afeta a coagulação do sangue e pode impactar no desenvolvimento do feto.

– Insuficiência da fase lútea: a gravidez não evolui por conta de uma deficiência na produção de progesterona.

– Insuficiência istmo-cervical: o colo do útero não apresenta resistência a partir do momento que o órgão começa a aumentar o peso, dilatando-o antes do período previsto. É bastante frequente nos casos de aborto tardio.

Depois de identificar a causa, o médico especialista determina o tratamento ideal para engravidar.

Quando a causa do aborto de repetição é a incompatibilidade cromossômica na gravidez, a Fertilização in Vitro (FIV) é o tratamento mais indicado.

No procedimento, antes de introduzir o embrião no útero, o médico faz uma análise genética para garantir a inexistência de alteração cromossômica. Com esse método, a chance de acontecer perdas gestacionais de repetição diminui para cerca de 4% dos casos.

Para tratar aborto de repetição recorrente à alteração cromossômica, a doação de óvulos ou de espermatozoides é uma alternativa somada a técnica de Fertilização in Vitro.

Medicamentos tratam perda gestacional por repetição, quando acontece devido à trombofilia. São prescritos anticoagulantes como a enoxaparina, sendo que em algumas situações o especialista também poderá indicar o ácido acetilsalicílico.

Quando a dúvida sobre como engravidar após aborto de repetição surge devido a doenças autoimunes, o tratamento medicamentoso também pode ajudar. Nesse caso, são prescritos os corticoides e as imunoglobulinas. Vale ressaltar que a indicação de medicamentos é feita com base no caso clínico do paciente, ou seja, é individualizada. Nunca se automedique!

Engravidar após aborto de repetição: como aumentar as chances

O tempo é uma peça-chave para os casais que querem engravidar após uma perda gestacional. Quando o próximo ciclo menstrual iniciar, o que acontece entre 4 a 6 semanas depois do aborto, o casal pode tentar engravidar novamente. Se foi realizado procedimento cirúrgico no útero ou se a gestação era maior de 12 semanas, o ideal é aguardar 2 ciclos menstruais para tentar novamente.

É importante ressaltar que as chances de ter um aborto na gravidez seguinte é relativamente pequena, entretanto, os riscos aumentam a cada novo quadro de abortamento. Depois de uma perda, o risco é de aproximadamente 14%; duas perdas, o risco aumenta para 26%; depois de três perdas, é de 47%.

A perda gestacional possui um impacto psicológico muito grande no casal. Por esse motivo, é importante buscar o auxílio de um especialista para identificar as causas e descobrir como engravidar após aborto de repetição de uma maneira saudável e eficaz.

Leia também:

Análise de hormônio AMH revela que fatores ambientais podem diminuir as chances de gravidez

Infertilidade masculina: entenda o que é a fragmentação do DNA espermático

Endometrite crônica: causa importante de infertilidade e aborto de repetição