Colunistas

#QuemNunca

Divido com vocês algumas situações sobre mulheres que equilibram família e trabalho

(Foto: Shutterstock)

Uma das belezas da maternidade é sabermos que, nas coisas mais inéditas, estapafúrdias e inimagináveis, quase sempre há uma outra mãe que já passou pela mesma situação. É um pouco essa mãe arquetípica e coletiva que está um pouco dentro de todas nós. É nesse sentido que a expressão que hoje virou popular e até hashtag, #quemnunca, é absolutamente pertinente para falar de nossas vidas de equilibristas.

Dei-me conta disso pois nestes dias estava relendo um pequeno livro americano, “1001 things it means to be a mom”, escrito por Harry H. Harrison Jr, um homem! Observando e entrevistando várias mulheres, ele criou uma lista das mil e uma coisas que mães vivem, sejam boas ou ruins. Mas o que permeia todas elas são situações que mães entenderão, afinal, quem nunca… Divido com vocês algumas dessas situações trazidas no livro e outras de minha própria vivência ou observação de outras mães sobre suas vivências equilibrando família e trabalho.

  1. Quem nunca explicou o que alguns anos em branco no seu curriculum significam.

 

  1. Quem nunca esteve preocupada se você ainda é a pessoa mais importante para seu filho/a depois que você volta ao trabalho depois da licença-maternidade.

 

  1. Quem nunca torceu para que seu/sua chefe seja também pai ou mãe, afinal, pais/mães se entendem.

 

  1. Quem nunca teve foto dos filhos no porta-retrato em cima da mesa ou no descanso de tela do computador do trabalho.

 

  1. Quem nunca achou que filho vai começar a falar ou andar no exato momento em que você está fora de casa trabalhando.

 

  1. Quem nunca achou natural responder e-mails, falar ao telefone e empurrar o carrinho do bebê tudo ao mesmo tempo.

 

  1. Quem nunca acordou no meio da noite preocupada com a mesma intensidade sobre sua apresentação na empresa e sobre a prova de matemática do filho/a.

 

  1. Quem nunca abriu espaço na agenda de trabalho, numa quarta-feira às 3 da tarde para ir à apresentação de teatro do filho/a.

 

  1. Quem nunca ficou agradecida pela sala de espera do pediatra ter wi-fi aberto para que você possa responder e-mails do trabalho.

 

  1. Quem nunca abafou o som do telefone com a mão para o choro do bebê não ser notado quando você está fechando um negócio ao telefone, no dia do home-office.

 

Entre esses 10 situações algumas são divertidas, outras nem tanto. Mas, de todo jeito, quem nunca…

Leia também

Mãe merece férias

O corpo e a equilibrista

Creché, babá ou avó? Tem melhor?