Criança

5 coisas que você nunca deve dizer para uma criança ansiosa

Pare de dizer: "Vai ficar tudo bem. Confie em mim"

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(As crianças não sabem que aquele medo é desnecessário. Coloque-se no lugar do seu filho. Foto: iStock)

Renee Jain é coach de vida e escreve para o site PopSugar, em um de seus textos a americana falou sobre a sua experiência na infância com ansiedade. A especialista aproveitou para compartilhar 5 coisas que você NUNCA deve dizer para uma criança ansiosa. Se o seu filho se enquadra no perfil, leia:

“Eu tinha 5 anos e acreditava que a cada noite, quando eu ia dormir, um ladrão invadiria a casa. Eu precisava de algo para me defender durante a noite (e talvez minha família), e o bastão de beisebol amarelo do meu irmão parecia ideal. Infelizmente, meus pais nunca atenderam ao meu pedido.

Eles não entendiam por que eu estava tão preocupada. Afinal, não havia evidências lógicas que sustentassem minha ansiedade: nossa vizinhança estava segura, nunca havíamos experimentado uma invasão e tínhamos um alarme de segurança para nos alertar sobre qualquer perigo. Mas quem disse que a ansiedade era lógica? Geralmente não é. Na verdade, vamos voltar. Quem disse que eu estava passando por “ansiedade”?

Ansiedade é uma palavra que eu uso agora, com base na retrospectiva pessoal e profissional. Naquela época, tanto eu quanto meus pais estávamos preocupados, eu estava simplesmente tendo um pouco de preocupação extra. Nenhum de nós entendeu que meus pensamentos temerosos estavam realmente provocando uma resposta real do sistema nervoso.

Então, como meus pais amorosos lidaram com minhas incontáveis perguntas do tipo “e se”? “E se formos roubados?” “E se esquecermos de ligar o alarme?” “E se deixarmos a porta destrancada?” “E se o ladrão encontrar meu quarto?” Como eles lidaram com isso quando eu bati na porta deles às duas horas da manhã, pedindo para descer para verificar a fechadura mais uma vez?

A primeira linha de defesa estava sempre em pé: pedir para eu ser lógica. Por favor, saiba que meus pais são incríveis. Sempre me apoiaram, mas eles realmente não entendiam o que eu estava passando na época. Levei algumas décadas para descobrir e encontrar maneiras de ajudar a aliviar minhas preocupações.

Para ajudar outras famílias que passam por algo semelhante, quero destacar cinco frases que me foram ditas com grande amor, mas que não conseguiram ajudar em nada quando estava no auge da ansiedade. Sabendo o que sei agora, também lhe direi o que gostaria de receber como resposta dos meus pais.

1. “Vai ficar tudo bem. Confie em mim”

(Foto: iStock)

(Peça para o seu filho respirar fundo antes de dar algum conselho. Foto: iStock)

Eu gostaria de ter dito: “Mãe, eu sei que você está tentando me fazer se sentir melhor, mas minha mente está me dizendo o contrário: ‘NÃO vai ficar bem’. E meu corpo parece estar respondendo à minha mente. Meu coração está acelerado, minhas palmas estão suando, e minha barriga parece engraçada. É difícil para suas palavras amorosas acabarem com esse sentimento dentro de mim”.

Aqui está o que sabemos: a resposta ao estresse está ligada ao nosso sistema nervoso como um mecanismo de proteção. Ansiedade é essa resposta. Quando o seu filho está com a ansiedade pulsando, um fluxo rápido de química é despejada no corpo para a sobrevivência. Isso torna difícil pensar com clareza.

Tente isto: responda primeiro ao sistema nervoso do seu filho. Faça ele respirar profundamente. Isso pode levar a mente e o corpo a parar de lutar ou fugir e ir para o modo de descanso.

2. “Você não precisa ficar com medo”

(Foto: iStock)

(Diga: “Eu também já tive medo. Sei como é isso”. Foto: iStock)

Eu gostaria de poder ter dito: “Pai, lembra a primeira vez que você convidou a mãe para sair? Se lembra do seu primeiro dia em um novo emprego? Ou lembra da vez em que você sofreu aquele acidente de bicicleta? Talvez seus pais soubessem que tudo estava OK também, mas você não sabia disso. Você experimentou um medo real. Meu medo é real também”.

Aqui está o que sabemos: uma pesquisa mostra que a ansiedade inicia um alarme de medo dentro da mente e do corpo do seu filho. É um alarme falso, mas mesmo assim parece muito real. Esse alarme é para proteção; seu filho sente “stress” ou “medo” para sobreviver. Para ter certeza de que alguém está realmente prestando atenção, a mente pode até mesmo exagerar o objeto da preocupação (por exemplo, confundir um bastão com uma cobra).

Tente isto: valide as emoções do seu filho. Você pode dizer: “Eu vejo que você está com medo. Eu também já tive medo e sei como é isso.”

3. “Me deixe explicar porque você não precisa se preocupar”

(Foto: iStock)

(Peça para o seu filho imaginar um lugar calmo e quieto. Foto: iStock)

Eu gostaria de ter dito: “Mãe, eu sei que o que você está dizendo faz sentido. É só que é difícil pensar clara e logicamente neste momento. Eu tenho muitos sentimentos agora e estou apenas focando no medo. É realmente muito difícil pensar com clareza “.

Aqui está o que sabemos: estudos mostram que uma parte da resposta à ansiedade é que o córtex pré-frontal – a parte mais lógica do cérebro – é colocado em espera enquanto o a parte mais emocional assume o controle.

Tente isto: acalme o sistema nervoso com um exercício de visualização. Peça ao seu filho para imaginar um lugar calmo e quieto. Peça para ele inspirar e expirar de uma maneira confortável e descrever esse lugar para você. Quando seu filho estiver calmo, discuta a ideia de que os sentimentos não são necessariamente fatos. Sentimentos podem ser desafiados dizendo: “Ei, eu não acho que você seja realmente verdadeiro!”

4. “PARA DE SURTAR”

(Foto: iStock)

(Não rotule seu filho. Foto: iStock)

Eu gostaria de ter dito: “Pai, eu sei que você está frustrado e até zangado. Isso me faz se sentir tão mal porque eu quero parar de ser uma pessoa preocupada; eu realmente sinto muito. Eu quero que isso pare, mas eu simplesmente não não sei como. Eu gostaria de saber como”.

Aqui está o que sabemos: crianças que se preocupam sabem que elas se preocupam mais do que outras, porque são rotuladas como “preocupadas” desde pequenas. Elas também se comparam a outros que têm menos reações ansiosas aos mesmos medos. De fato, muitas crianças desenvolvem ansiedade em relação à ansiedade. Adicione uma dose de culpa dos pais e as crianças podem se sentir completamente infelizes. Lembre-se, seu filho muitas vezes se sente tão impotente quanto você quando se trata de ansiedade.

Tente isto: não rotule seu filho. Em vez disso explique que até você se sente preocupado às vezes. As crianças adoram saber que a preocupação tem um propósito e que todos se preocupam até certo ponto.

5. “A gente não entende porque você é tão preocupado”

(Foto: iStock)

(Deixe seu filho saber que você realmente o vê. Foto: iStock)

Eu gostaria de poder ter dito: “Eu sei que você não entende, mas eu preciso que você tente. Eu preciso que você tente entender o que eu estou passando. Coloque sua mão no meu coração acelerado, ouça minha respiração, olhe para mim… Isso é real. Eu quero que você entenda. Eu preciso que você entenda. Por favor, me diga que você entende. Por favor”.

Eis o que sabemos: quando uma criança está ansiosa, ela se sente assustada e indefesa. Se você também se sente desamparado como pai ou mãe, a empatia pode ajudar a orientar suas ações. Ao entrar no lugar de seu filho e entender seus sentimentos e perspectivas, sua reação às necessidades deles será mais autêntica.

Tente isto: quando seu filho se sentir ansioso, tente recordar um momento em que você sentiu o verdadeiro medo. Em seguida, conecte-se com seu filho usando estas três palavras: “Eu entendi”. Deixe seu filho saber que você vê que eles estão passando por algo desafiador. Deixe seu filho saber que você realmente o vê”.

Em uma nota final, eu queria dizer algo para meus pais e para todos os pais em nome dos filhos ansiosos: “Nós também entendemos isso. Entendemos o que você sacrifica por nós. Sabemos que nossa dor e nossa luta se tornam suas. Sabemos que mesmo nos dias em que você se sente completamente desamparado, você ainda tenta nos apoiar – e o faz. Nunca perder a fé e nunca desistir, você é nosso modelo de determinação e perseverança.

Leia também:

Muito stress durante a gravidez? Cuidado com a ansiedade pós-parto

Relato emocionante: mãe conta como foi passar por crise de ansiedade extrema

Agitação ou transtorno de ansiedade: Você sabe a diferença?