Cinco erros que você comete sem perceber na rotina escolar do seu filho

Controlar obsessivamente e usar tom ameaçador não são atitudes positivas

lazy-student-girl-at-home-picture-id862239690
A gente sabe que você faz sempre pensando no melhor para o seu filho, mas temos umas dicas (Foto: iStock)

Quando o filho está na escola é normal querer saber desesperadamente tudo que está acontecendo lá. Será que ele se adaptou? Será que está indo bem nas provas? Será que ele está gostando? É normal passar por isso, porém, na hora de ajudar no desenvolvimento escolar, tome cuidado com algumas atitudes capazes de atrapalhá-lo.

-Publicidade-

Controlar obsessivamente todos os detalhes da rotina escolar
A criança perde a confiança em sua capacidade de realizar tarefas e administrar suas responsabilidades. Também impede a construção da autonomia. Roberta Bento, nossa embaixadora, colunista e mãe de Tais, nos contou que esse controle só é positivo “se for para ajudar a criar a rotina de estudos em casa”.

Unir desempenho a objetivos vagos
Para mudar um hábito ou comportamento, é preciso sentir que está progredindo. Portanto, descarte as metas irreais e dê atenção às pequenas conquistas como, por exemplo, realizar todas as tarefas da semana.

-Publicidade-

Adotar um tom ameaçador ao falar de alguma disciplina
Frases como “Você não está bem em história, vai ter que estudar muito!” são muito prejudiciais à autoestima da criança. É como se ele já tivesse fracassado antes de tentar. Quando na verdade, você deveria estar desenvolvendo a confiança dele para enfrentar esses pequenos desafios. “O correto é fazer acordos com o filho e colocar como responsabilidade dele cumprir as rotinas de estudos”, contou Roberta.

Focar apenas no resultado numérico
“O ideal é que os pais sempre foquem em elogiar o esforço e mostrar que o objetivo dele na escola seja sempre ser melhor do que ele foi anteriormente”, indica nossa embaixadora. Nota é importante mas é essencial valorizar as demais etapas do processo de aprendizagem. Quanto mais empenho, melhor o resultado final.

Atacar a escola ou um professor por causa de um resultado insatisfatório do filho
Esse comportamento evidencia a falta de confiança na instituição e vira uma abertura para o seu filho justificar a falta de hábito de estudo e preguiça em cumprir tarefas difíceis.

Leia também:

Sem estresse: Saiba como preparar seu filho para voltar à rotina escolar

Meditação agora virou matéria escolar

Você sabia que educação emocional virou matéria escolar?

-Publicidade-