8 sinais de que seu filho está comendo muito sal

Comer alimentos que contenham muito sal, mesmo sendo uma criança, pode ter efeitos duradouros na saúde do seu filho. Aqui estão alguns sinais de que seu filho pode estar comendo muito esse ingrediente nas refeições

Resumo da Notícia

  • A média das crianças americanas (entre 6 e 18 anos) ingere cerca de 50% mais sal do que a quantidade diária recomendada
  • A ingestão excessiva de sal está associada à hipertensão, um grande risco de doenças cardíacas e derrame e essas condições podem começar na infância
  • De acordo com um relatório publicado na revista Nutrition, 79% das crianças de 1 a 3 anos, 87% das de 4 a 5 anos e 90% das de 6 a 18 anos consomem muito sal todos os dias

Você sabia que, em média, as crianças norte-americanas (entre 6 e 18 anos) ingerem cerca de 50% mais sal do que a quantidade diária recomendada? Mesmo se você mantiver o saleiro longe do alcance do seu filho, ele ainda pode estar consumindo muito desse ingrediente. Na verdade, os culpados dessa grande quantidade de sal são, principalmente alimentos como pizza, pão, frios, cheeseburgers, batatas fritas, hambúrgueres de frango, nuggets, massas com molhos e sopas (especialmente se forem instantâneas), de acordo com Craig Peters, médico e chefe da urologia pediátrica da Children’s Health e professor de urologia da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

-Publicidade-

Claro, o sal não é de todo ruim – é importante para algumas funções fisiológicas, desde a transmissão de impulsos nervosos, contração e relaxamento das fibras musculares e manutenção de um equilíbrio adequado de fluidos. No entanto, a ingestão excessiva de sal está associada à hipertensão, um grande risco de doenças cardíacas e derrame. E essas condições podem começar na infância. De acordo com um relatório publicado na revista Nutrition, 79% das crianças de 1 a 3 anos, 87% das de 4 a 5 anos e 90% das de 6 a 18 anos consomem muito sal todos os dias.

Com o objetivo de determinar a quantidade normal de sal necessária para crianças, a pediatra integrativo aposentada do norte da Califórnia e professora de Stanford, May Loo, diz que é importante entender e distinguir a diferença entre o elemento sódio (Na) e o sal. “O sal de mesa é NaCl, cloreto de sódio, que contém 40% de sódio, enquanto os alimentos industrializados geralmente listam o teor de sal como sódio em mg (miligramas) por porção”, explica Dra. Loo. “O teor real de sal seria 2,5 vezes essa quantidade – se o teor de sódio for 100mg, o teor de sal seria 250mg”. Em outras palavras, a quantidade de sódio em um alimento na verdade se traduz em mais de duas vezes a quantidade de sal.

A média das crianças americanas (entre 6 e 18 anos) ingere cerca de 50% mais sal do que a quantidade diária recomendada (Foto: Getty Images)

Obviamente, cabe aos pais e responsáveis ​​limitar a quantidade de sal na comida dos filhos – e os especialistas dizem que é melhor fazer isso o mais cedo possível. “Suas preferências de gosto por alimentos se desenvolvem cedo na vida, evitar o sal à mesa e adicionar sal extra aos alimentos é provavelmente algo que eles continuarão no futuro”, diz Alison Mitzner, médica pediatra da cidade de Nova York.

Não tem certeza se seu filho pode estar exagerando nas coisas salgadas? Aqui, os especialistas revelam os sinais mais comuns – e o que você deve fazer para limitar sua ingestão.

Muita sede

Como o sódio se retém na água, mais sódio no corpo significa que mais água é necessária, explica Dra. Loo. Se você notar que seu filho está com uma sede incomum e não há explicações óbvias, como tempo quente ou exercícios, considere avaliar a quantidade de sódio em sua dieta, levando em consideração todos os alimentos – refeições em casa e na escola, alimentos processados, lanches, e bebidas. A Dra. Loo acrescenta que muitas bebidas esportivas, geralmente comercializadas para crianças e adolescentes como bebidas saudáveis, contêm grandes quantidades de sódio.

Desejo de alimentos salgados

Sejamos realistas, o sal torna os alimentos muito mais saborosos, por isso não é surpresa que seu filho esteja mais propenso a pegar um pacote de batatas fritas do que um pedaço de cenoura. Se você notar que seu filho está fazendo cara feia para qualquer coisa com baixo teor de sal, a Dra. Loo sugere introduzi-lo a diferentes ervas e temperos na culinária, como adicionar salsa ou pimenta em vez de sal aos ovos mexidos, por exemplo. Além disso, trabalhe com a escola de seu filho para garantir que sirvam refeições com baixo teor de sódio para os alunos.

Pressão alta

De acordo com um estudo publicado no American Family Physician, 7% das crianças de 3 a 18 anos têm pré-hipertensão ou hipertensão. “Como nós, adultos, a hipertensão nas crianças costuma ser silenciosa, o que significa que ela pode não ter nenhum sintoma e os pais não podem detectar nenhum sinal, porém, à medida que a pressão arterial aumenta, os vasos sanguíneos arteriais aumentam de espessura, predispondo a criança a doenças cardiovasculares”, explica o Dr. Loo. A Academia Americana de Pediatria recomenda verificações de pressão arterial com exames regulares anuais em crianças a partir dos 3 anos de idade.

A ingestão excessiva de sal está associada à hipertensão, um grande risco de doenças cardíacas e derrame e essas condições podem começar na infância (Foto: Shutterstock)

Urina escura e muito amarela

Embora existam muitas coisas diferentes que podem tornar a urina de uma criança amarelo-escuro, uma delas é a ingestão excessiva de sal de sódio. “Urina amarela escura com um cheiro forte é muito comum em pessoas de todas as idades com alto consumo de sódio, inclusive crianças”, diz o Dr. Peters. Se você não tiver certeza se o xixi do seu filho se encaixa na descrição, peça ao pediatra para fazer um teste de urina, chamado de urinálise, para verificar novamente.

Lanches e alimentos embalados

A maioria dos alimentos embalados e processados ​​contém alto teor de sódio, portanto, é melhor evitá-los – mesmo para o lanche do seu filho na escola. Em vez disso, substitua-os por opções mais saudáveis, como frutas e vegetais caseiros. S. Daniel Ganjian, médico pediatra do Providence Saint John’s Health Center em Santa Monica, Califórnia, sugere servir vegetais com diferentes molhos, formas e métodos de cozinhar (assados, grelhados, fervidos, cozidos no vapor, etc).

Ganho de peso sem consumo de doces ou gorduras

Os pais muitas vezes prestam muita atenção aos doces e gorduras como causas da obesidade infantil, mas estudos mostraram que  o ganho de peso pode estar associado ao aumento da ingestão de sal. “A obesidade é um fator de risco adicional para o desenvolvimento de pressão alta e doenças cardíacas”, diz Dra. Loo. “Os pais precisam estar cientes do ganho de peso com alimentos salgados”. Além de controlar o açúcar e os alimentos gordurosos, ela recomenda que os pais monitorem os alimentos processados ​​salgados e com alto teor de sódio, a fim de manter a ingestão de sódio da criança dentro da faixa recomendada para a idade.

De acordo com um relatório publicado na revista Nutrition, 79% das crianças de 1 a 3 anos, 87% das de 4 a 5 anos e 90% das de 6 a 18 anos consomem muito sal todos os dias (Foto: Shutterstock)

Comer fora frequentemente

Comer em um restaurante, especialmente em uma lanchonete, às vezes é conveniente e economiza tempo, mas machuca o corpo do seu filho. O Dr. Ganjian recomenda limitar a alimentação fora de casa a não mais do que uma vez a cada duas semanas. “Mesmo assim, peça ao restaurante para ver as informações nutricionais antes de fazer o pedido para que você possa pedir opções mais saudáveis ​​e com menos sódio”, diz ele. “Quando fizer o pedido, peça a eles que não adicionem sal ao prato durante o cozimento”.

Você, como pai ou mãe, come muito sal

Embora seja bom usar um pouco de sal na cozinha (ele realça o sabor especialmente da carne e vegetais), se você gosta de comer alimentos processados ​​e salgados, será difícil evitar que algum deles entre na boca do seu filho também. “Aprenda a ler o rótulo enquanto faz compras e escolha alimentos embalados com baixo teor de sódio ou sem sal”, sugere o Dr. Ganjian.