Criança

A síndrome do cabelo impenteável pegou a gente de surpresa. Vem entender o que é!

A bebê americana Taylor tem a condição e mostra sua rotina no Facebook Baby Einstein 2.0

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: reprodução do Facebook / Cara McGowan)

(Foto: reprodução do Facebook / Cara McGowan)

Taylor McGowan, de 18 meses, tem uma rara condição chamada de síndrome do cabelo impenteável. Segundo a mãe americana Cara McGowanem entrevista ao Buzzfeed News, as pessoas costumam chamar a criança de mini Albert Einstein.

Esse tipo de síndrome foi diagnosticado em cerca de 100 pessoas em todo o mundo. A condição é o resultado de uma mutação genética que altera a formação do fios capilares. Os cabelos são mais finos e crescem em diferentes direções. A mãe disse ao Buzzfeed que não entendeu o que acontecia com o cabelo da filha. “Esperávamos que acabasse caindo, nunca tínhamos visto isso antes”.

O que aconteceu foi que um membro da família de Cara viu fotos de crianças com essa síndrome e pensou que talvez a Taylor também tivesse. “Nós rimos. Pensamos que não tinha como nossa filha ter essa condição ultra-rara que afeta apenas 100 pessoas no mundo inteiro”, disse a mãe. “E nós estávamos completamente errados.”

(Foto: reprodução do Facebook / Baby Einstein 2.0)

(Foto: reprodução do Facebook / Baby Einstein 2.0)

(Foto: reprodução do Facebook / Baby Einstein 2.0)

(Foto: reprodução do Facebook / Baby Einstein 2.0)

(Foto: reprodução do Facebook / Baby Einstein 2.0)

(Foto: reprodução do Facebook / Baby Einstein 2.0)

A condição também é chamada de síndrome do cabelo de vidro. Os genes associados à alteração genética controlam a formação de proteínas do cabelo. A família McGowans, que vivem fora de Chicago, procuraram pesquisadores da síndrome e conversaram com Regina Betz, professora de dermatogenética na Universidade de Bonn, na Alemanha, para ver se o que Taylor tinha era realmente a síndrome.

Taylor, de fato, tem a mutação do gene PADI3, e tanto Cara quanto seu marido Tom são portadores de uma cópia dela. É um gene recessivo, então se você herdar apenas uma cópia de um dos pais – como Cara e Tom – você não desenvolverá a síndrome.

As pessoas com essa condição tendem a ter cabelos prateados, loiros ou cor de palha que podem ser secos e crespos e às vezes crescem mais lentamente do que o normal. Embora a condição não se altere, às vezes as pessoas superam os sintomas à medida que envelhecem e a qualidade do cabelo melhora com o tempo. A mãe de Taylor mostra toda a rotina da filha e às vezes até esclarece dúvidas sobre o assunto na página do Facebook Baby Einstein 2.0.

Nosso pediatra

Fomos checar com o Dr. Claudio Len, pediatra do Hospital Albert Einstein e pai de Beatriz, Silvia e Fernando, o que seria essa síndrome. “Embora muito rara, a alteração genética é verdadeira e pode acontecer em qualquer momento da vida. Quando a criança nasce ou já na vida adulta”. Doutor Claudio também explicou para a gente que do mesmo jeito que ela aparece também pode ir embora sem nenhuma explicação científica e não há tratamento.

Leia também:

“A síndrome de Down não pode ser mais importante do que a própria pessoa”, afirma Ana Castelo Branco

Síndrome de burnout na maternidade: sim, existe! Te ajudamos a entender

Síndrome de West: repentina e perigosa