Amarelinha: como brincar, benefícios para o desenvolvimento infantil e regras

Jogar amarelinha vai além da diversão! Nela, seu filho constrói experiências superimportantes, que irão trazer propostas valiosas de aprendizado

Resumo da Notícia

  • Brincar de amarelinha traz benefícios importantes para o desenvolvimento, como coordenação motora e noções de estratégia
  • Durante a brincadeira, seu filho também aprende sobre a importância de movimentar o corpo, sendo um estímulo para a prática de atividades físicas
  • Na escola, a criança entende quando é a vez do próximo e desenvolve empatia

Uma das brincadeiras mais tradicionais da infância é a amarelinha, que também recebe o nome de avião, maré, macaca, casco e até mesmo xadrez em outras regiões do Brasil. Além de ser clássica, pode trazer vários benefícios para o desenvolvimento do seu filho, como a coordenação motora e criatividade.

-Publicidade-

Para Marcos Santos Mourão, professor de corpo em movimento do espaço ekoa, pai de Marina e Pedro, o ato de brincar precisa (e deve!) ser valorizado. “A amarelinha é uma forma de fazer descobertas sobre a funcionalidade dos objetos (pedras, gravetos, giz), dos espaços (pátios, quadras, rua, terra), das regras (ordem dos números, dentro/fora, linhas) e do corpo em movimento (saltos, equilíbrios, lançamentos), na relação com outras pessoas e com a cultura”, explica.

Por que a amarelinha é importante na educação infantil?

A brincadeira vai muito além do que ela apenas demonstra ser, porque apesar de ser jogada de maneira tradicional, existem outros aprendizados. O professor Marcos Mourão reforça que é importante ir sempre além da ideia inicial: “O que deve estar em jogo nas propostas de brincadeiras tradicionais na educação infantil é a possibilidade de experimentar e se divertir. As regras são latentes e não devem limitar a participação das crianças”.

A amarelinha, além de divertir, treina equilíbrio, coordenação motora e estratégia (Foto: Parents)

Objetivo da amarelinha no desenvolvimento infantil

Brincar é explorar, se divertir e viver experiências diferentes. Para o desenvolvimento infantil, a amarelinha possui um papel fundamental de vivência, que vai fazer uma baita diferença lá na frente. “Se valorizamos o brincar como um ato educativo, o objetivo não deve ser aprender números, letras ou formas geométricas. Na perspectiva do brincar, devemos ter como objetivo que a criança brinque de amarelinha em diferentes espaços, de diversas formas, com diferentes colegas, com diferentes formatos e desenhos, ampliando e diversificando o conhecimento desta produção cultural e de sua experiência corporal”.

Pensando também na parte física, a amarelinha é uma das atividades mais importantes para as crianças, pois é nela que se desenvolve também a capacidade de saltar e se equilibrar em um pé só. Com isso, é possível aprimorar a coordenação motora ampla e também a concentração do seu filho. Para as crianças menores, é importante fazer um trajeto um pouco menor na brincadeira, pois ainda estão treinando esses estímulos.

Os aprendizados por trás da amarelinha

Brincar é um direito da criança e precisa ser uma realidade. É nesse momento que o seu filho interage com o mundo e busca compreendê-lo e interpretá-lo com os recursos que ele tem. “Ao brincar, a criança ordena, desordena, constrói e reconstrói o mundo à sua maneira e expressa, de modo simbólico, os seus sentimentos, desejos e conhecimentos”, explica o professor do espaço ekoa.

Mas, você sabia que a amarelinha, apesar de simples, traz recursos superimportantes? Com a brincadeira, é possível aprender sobre noção de espaço, força muscular, estratégia, desenvolvimento social e personalidade. Veja como seu filho desenvolve cada um deles:

Noção de espaço: a criança fica delimitada a pisar nos espaços indicados da amarelinha. Com isso, seu filho aprende a se orientar no desenho, treinando a maneira de ir para frente e para trás, ou da direita para a esquerda

Força: quando seu filho salta dentre os números do trajeto, ele exercita os músculos gerando mais resistência. A partir disso, a amarelinha também pode prepará-lo para novos desafios no futuro, além de incentivar à prática de exercícios físicos

Estratégia: a brincadeira, apesar de divertida, não é apenas recreativa. Ela estimula as crianças, desde cedo, a refletirem a melhor maneira de se chegar ao objetivo: o céu. Desse maneira, seu filho elabora estratégias e cria uma noção de planejamento com suas decisões.

Desenvolvimento social: apesar de ser possível brincar sozinho, a amarelinha geralmente é realizada com outras crianças. Ao brincar, seu filho faz novas amizades e inicia vínculos sociais. Além disso, a criança também aprende sobre respeito mútuo, ao esperar a vez para brincar.

Personalidade: a amarelinha estimula a persistência em alcançar o objetivo proposto na brincadeira. Indo além de ganhar e perder, a criança desenvolve o processo natural de ir atrás daquela necessidade, o que irá refletir em uma preparação para o futuro.

Como jogar amarelinha

Apesar de existirem várias maneiras de se jogar amarelinha, a tradicional continua sendo a preferida em diversas gerações. Por isso, relembramos o passo a passo das regras! Você vai precisar apenas de um espaço para desenhá-la no chão, giz e pedrinhas.

Brincar de amarelinha traz vários benefícios para o desenvolvimento do seu filho (Foto: reprodução / Pinterest)
  • Desenhe 10 quadrados que levam até a casa céu
  • Para começar, distribua uma pedrinha para cada jogador
  • Em seguida, decida a ordem de cada um deles
  • O primeiro deve jogar a pedrinha no número 1 e pular (sem encostar nesta casa) até o céu
  • É permitido apenas um pé em cada casa. Nas que forem duplas, a criança pode apoiar os dois pés no chão
  • Quando chegar ao objetivo, a criança deve voltar pulando e pegar a pedrinha quando chegar na casa 2
  • O mesmo jogador joga a pedrinha na casa dois e assim sucessivamente
  • Ganha o jogo aquele que conseguir pular todas as casas primeiro

A criança só perde a vez se:

  • Pisar na casa onde está a pedrinha
  • Não acertar a pedrinha no número indicado
  • Pisar nas linhas do trajeto
  • Não pegar a pedrinha do chão no caminho de volta