Menino morre após ficar 1 ano com prego no pulmão: família acusa hospital de negligência

Os pais da criança o levaram diversas vezes ao hospital, mas nada foi identificado

Resumo da Notícia

  • Um menino de 3 anos morreu após ficar com um prego em seu pulmão durante um ano
  • A mãe e o pai do garoto apontam negligência do hospital
  • O garoto foi levado pelos pais ao hospital diversas vezes

Um menino de 3 anos morreu após ficar com um prego em seu pulmão durante um ano. O garoto foi levado pelos pais ao hospital diversas vezes, mas nada foi identificado. Segundo o G1, a mãe e o pai do garoto apontam negligência do hospital, que não fez as devidas investigações do caso.

-Publicidade-

Cauan Araújo Conceição engoliu o objeto em junho do ano passado. O pai, Cosme Conceição,  que percebeu que o filho estava engasgado, o levou para o Hospital Municipal de Canavieiras, na Bahia, para que o menino fosse tratado. “Naquela noite, eu senti que ele estava engasgado, saiu até sangue da boquinha dele. Aí, imediatamente, eu levei para o hospital, na mesma noite. Chegando lá no hospital, o médico olhou e falou que não tinha nada na garganta da criança. Aí a gente voltou”, explicou o pai.

Um menino de três anos morreu após ficar um ano com um prego no pulmão. (Foto: Reprodução / Metrópoles)

A situação do menino foi piorando, já que o prego continuava dentro dele. Os pai perceberam a piora das dores, e levaram a criança novamente ao hospital. “Ele ficava sentindo febre e tossindo demais. De um tempo para cá, a dor foi começando a chegar. Uma dor do lado direito dele, que ele ficava andando torto, de lado. A gente sempre levando no hospital, e ele só davam medicamento”, contou Clarice, a mãe do menino.

Cauan continuou em um quadro ruim e seus pais continuaram a levá-lo no médico. No dia 27 de junho, a criança fez sua penúltima entrada no hospital, e o profissional responsável apenas remédios e passado uma nebulização ao menino. Os pais já estavam cansados da situação e da persistência dos médicos em não fazer uma investigação mais profunda. Por isso, eles resolveram fazer um exame de Raio-X particular. Nesse exame, o prego foi identificado no pulmão da criança. Diante da gravidade, Cauan foi transferido ao Hospital Geral do Estado (HGE), onde realizou a cirurgia para a retirada do objeto.

Apesar disso, a identificação do objeto foi tardia e o garoto não resistiu. “Eu quero justiça para que não aconteça mais isso, para que não aconteça com outras crianças”, afirma o pai, que perdeu seu filho de 3 anos.